Como seria viver em Mercúrio?

Como seria viver em Mercúrio?
Mercúrio é um planeta hostil para a vida, mas se tivéssemos a tecnologia para sobreviver no planeta mais próximo do Sol, como seria viver lá?

Com as suas flutuações extremas de temperatura, Mercúrio não é um planeta que permita ser colonizado por humanos. Até ao momento, apenas duas sondas visitaram Mercúrio. A primeira, a Mariner 10, realizou uma série de sobrevôos em 1974, mas apenas viu a metade iluminada do planeta. A MESSENGER da NASA, por outro lado, realizou sobrevôos e, em seguida, entrou na órbita de Mercúrio - em Março de 2013. As imagens da sonda permitiram aos cientistas mapear completamente o planeta pela primeira vez.

As fotos de Mercúrio mostram que o planeta tem gelo de água nos seus pólos, que ficam em escuridão permanente. A mineração deste gelo seria uma boa maneira de lá viver, mas a criação de bases nos pólos pode não ser uma boa idéia. As regiões polares iria dar-lhe um pouco de descanso da força do sol, mas essas zonas são muito frias uma vez que são permanentemente sombreadas. A melhor opção, provavelmente seria a criação de uma base não muito longe de uma das calotas de gelo, talvez na borda de uma cratera, e ter uma operação de mineração de água no pólo.

Ainda assim, lidar com as temperaturas extremas de Mercúrio provavelmente seria inevitável: As temperaturas do dia no planeta podem chegar a 430ºC, enquanto que as temperaturas noturnas podem cair para menos de -180ºC. No passado, os cientistas acreditavam que Mercúrio tinha um lado do planeta sempre voltado para o sol, porque levava a mesma quantidade de tempo para girar em torno do seu eixo, como levava a girar em torno da estrela. Mas agora sabemos que o dia de Mercúrio dura quase 59 dias da Terra e o seu movimento em torno do Sol dura cerca de 88 dias terrestres.

Curiosamente, o sol faz um caminho estranho através do céu do planeta ao longo do longo dia de Mercúrio, por causa da interação entre a taxa de rotação de Mercúrio e a sua órbita altamente elíptica em torno do sol. Assim, o Sol nasce no leste e move-se através do céu. Em seguida, faz uma pausa e move-se para trás um pouco. Em seguida, retoma o seu movimento em direção ao oeste e pôr do sol. De igual forma, o sol aparece 2,5 vezes maior no céu de Mercúrio do que no céu da Terra. E durante o dia, o céu de Mercúrio parece preto e não azul, porque o planeta praticamente não tem atmosfera para dispersar a luz do sol. A atmosfera, ou exosfera, é muito rarefeita. Isso faz com que nem as estrelas brilhem à noite.

Uma vez que a atmosfera em Mercúrio é praticamente inexistente, o planeta não tem qualquer clima. Por isso, se vivêssemos no planeta, não precisávamos de nos preocuparmos com tempestades devastadoras. E já que o planeta não tem corpos de água líquida ou vulcões ativos, também estaríamos a salvo de tsunamis e erupções. Mas Mercúrio não está desprovido de desastres naturais. A superfície está exposta ao impacto de detritos espaciais. De igual forma, também pode sofrer de tremores de terra devido a forças de compressão que estão a encolher o planeta (ao contrário da Terra, Mercúrio não tem atividade tectônica).

Mercúrio tem cerca de dois quintos do tamanho da Terra, e uma gravidade semelhante a Marte, ou cerca de 38% da gravidade da Terra. Isso significa que você poderia saltar três vezes mais alto em Mercúrio, e objetos pesados seriam mais fáceis de pegar. No entanto, tudo ainda teria a mesma massa e inércia, sendo que você podia ser derrubado se alguém jogasse um objeto pesado em você. Por mim, você também poderia esquecer as chamadas para casa pelo Skype, uma vez que os sinais enviados de Mercúrio demorariam pelo menos 5 minutos para conseguirem chegar ao nosso planeta, e vice-versa.
 [Space]

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton