Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 11, 2015

Primeira fusão de estrelas é observada por astrônomos

Imagem
Em nossa galáxia, a maioria das estrelas são constituídas por sistemas binários ou até mesmo múltiplos e alguns deles recebem o nome de “eclipsantes”, ou seja, consistem em duas ou mais estrelas observadas a partir da Terra, que sofrem eclipses e trânsitos mútuos por ter seu plano orbital de frente para o nosso planeta.Um desses sistemas é o binário eclipsante MY Camelopardalis (MY Cam). Sendo uma das mais maciças conhecidas. A revista Astronomy & Astrophysics (A & A) publicou um artigo com os resultados das pesquisas do Observatório de Calar Alto (Almería), assinado por astrônomos da Universidade de Alicante, do Centro Astrobiology e Conselho Superior (CAB-CSIC) da Investigação Científica e do Instituto de Astrofísica de Canarias (IAC), juntamente com astrônomos amadores.

A fusão das estrelas

Este artigo conclui que a MY CAM é o sistema binário mais maciço já observado, cujos seus componentes duas estrelas do tipo espectral O (estrelas azuis, muito quentes e brilhantes), de 38 …

Segundo novo modelo, universo é eterno e sem singularidades

Imagem
Uma das grandes descobertas científicas do século passado foi a confirmação de que o universo está em expansão, conforme previsto pela Teoria do Big Bang. Foi algo tão importante que os engenheiros que a fizeram ganharam o Nobel de Física. A Teoria do Big Bang, resultado da Teoria da Relatividade aplicada ao universo, causou uma comoção no início, sendo rejeitada pela comunidade científica e ganhando alguns inimigos importantes, como o astrofísico Fred Hoyle que, numa tentativa de ridicularizá-la, criou o nome “Big Bang. Apesar de bem aceita hoje, a Teoria do Big Bang tem os seus problemas. Ela explica de forma satisfatória o universo como está agora, e explica também os últimos 13 bilhões de anos, mas o problema é quando você avança mais ainda em direção ao passado e encontra um beco sem saída: a singularidade. Não tem como evitar uma singularidade no passado, pelo menos não utilizando a Teoria da Relatividade. Recentemente, alguns físicos, trabalhando com a relatividade e a mecânica…

Novo tipo de energia pode escapar de buraco negro

Imagem
Esta ilustração mostra um buraco negro devorando uma estrela. Um buraco negro devora tudo em sua atração gravitacional. O físico Stephen Hawking, porém, propôs que alguma energia pode escapar. Novos dados sugerem como isso poderia ocorrer.

 Cientistas têm observado que a luz não pode escapar da atração de um buraco negro. Porém, algo pode. Isso seria um tipo de energia chamada de radiação Hawking. Até o momento, ninguém jamais testemunhou a radiação Hawking. Mas um cientista diz que tem evidências que levam a isso: energia escapando de um tipo experimental de buraco negro em laboratório. Se outros cientistas conseguirem repetir suas descobertas, eles também teriam evidências de que a radiação Hawking realmente existe.Daniele Faccio chama a nova experiência de “um trabalho inovador, incrível.” O físico da Heriot-Watt University, em Edimburgo, na Escócia, não participou da pesquisa. Ele diz que o novo trabalho, “demonstra algo que todo mundo achava que era impossível.”
O buraco negro é um…

Esta estrela tem um bilhão de km de diâmetro

Imagem
O universo é um lugar tão grande que é fácil, ao mesmo tempo, ficar perplexo com as medições que os astrônomos fazem e não compreender direito o quão imensas essas coisas podem ser. O tamanho da UY Scuti, possivelmente uma das maiores estrelas que já observamos, é certamente desconcertante. Não surpreendentemente, a UY Scuti é classificada como uma estrela “hipergigante” – a classificação que vem depois de “supergigante” e “gigante”. Ainda que seu tamanho a torne a maior já vista, ela não é a mais massiva conhecida. A massa da nossa estrela hipergigante é provavelmente um pouco mais de 30 vezes a massa do nosso sol, o que não a deixa nem perto do topo da lista de estrelas de maior massa. Essa honra é de uma estrela com o nome encantador e muito criativo de R136a1, que tem nada menos do 265 vezes a massa do nosso sol, mas apenas 30 vezes o raio dele.
 Massa e tamanho físico nem sempre estão correlacionados para as estrelas, particularmente no caso das gigantes. Assim, enquanto a UY Scut…

Via Láctea pode ser um gigantesco buraco de minhoca

Imagem
Os físicos não sabem para onde o túnel galáctico levaria, mas garantem que ele deve ser "estável e navegável". [Imagem: Davide/Paolo Salucci]
Sistema de transporte intergaláctico

Você acreditaria que a Via Láctea inteira pode ser um gigantesco buraco de minhoca, um "sistema de transporte intergaláctico"? Pois com base nos últimos dados e cálculos dos físicos, nossa galáxia pode, em teoria, ser um enorme buraco de minhoca, um túnel no espaço-tempo capaz de nos levar aos confins do Universo. E, se isso for verdade, a Via Láctea seria um buraco de minhoca "estável e navegável. Esta é a hipótese levantada por uma equipe de físicos indianos, italianos e norte-americanos que, de quebra, tenta estimular seus colegas cientistas a repensar a matéria escura "com mais precisão".
"Se combinarmos o mapa da matéria escura na Via Láctea com o modelo mais recente do Big Bang para explicar o Universo, e aventarmos a hipótese da existência de túneis no espaço-temp…

Espiral espetacular pode envolver a Via Láctea

Imagem
Observações recentes detectam braço da galáxia com amplitude de 360 graus Astrônomos precisaram de um século inteiro após a descoberto da primeira espiral celestial para provar que a própria Via Láctea é uma espiral gigante.
Mapear uma galáxia não é fácil quando se vive dentro dela. Astrônomos precisaram de um século inteiro após a descoberto da primeira espiral celestial para provar que a própria Via Láctea é uma espiral gigante. Seus braços espirais comprimem gás e poeira interestelar, fazendo com que nuvens de gás se tornem densas, colapsem e criem novas estrelas; as estrelas recém-nascidas mais brilhantes iluminam os braços com tanta glória que galáxias espirais parecem brilhantes furacões cósmicos. A Via Láctea tem vários desses braços. Agora, astrônomos da China descobriram que um deles pode circundar a galáxia inteira, colocando nosso lar galáctico em um grupo de elite entre seus vizinhos espirais.
O braço espiral é chamado de Scutum-Centaurus, em homenagem a duas das constelações…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...