Postagens

Mostrando postagens de Outubro 14, 2015

Halos de onda de rádio gigantes ao redor das galáxias espirais são mais comuns do que se pensava

Imagem
Usando um dos maiores rádio observatórios do mundo, o Very Large Array do National Radio Astronomy, um grupo de astrônomos descobriram que os halos ao redor dos discos das galáxias espirais são muito mais comuns do que se pensava anteriormente. A equipe, dirigida pela Dra. Judith Irwin, da Universidade de Queens, em Kingston, ON, Canadá, observou 35 galáxias espirais próximas de lado, de 11 a 137 milhões de anos-luz de distância da Terra. As galáxias espirais, como a nossa própria Via Láctea ou a famosa Galáxia de Andrômeda, possuem uma vasta maioria de suas estrelas, gás, e poeira num disco plano em rotação com braços espirais. A maior parte da luz e das ondas de rádio observadas com telescópios veem de objetos localizados nesse disco.
“Nós sabíamos antes que alguns halos existiam, mas, usando o poder total do VLA atualizado e o poder total de algumas técnicas de processamento de imagens, nós descobrimos que esses halos são muito mais comuns entre as galáxias espirais do que nós pensá…

Hubble captura mudanças na grande mancha vermelha de Júpiter

Imagem
Os cientistas usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA produziram novos mapas de Júpiter, que mostram as contínuas mudanças que ocorrem com a famosa Grande Mancha Vermelha. As imagens também revelam uma rara estrutura em forma de onda na atmosfera do planeta que não tinha sido vista por décadas. A nova imagem é a primeira de uma série de retratos anuais dos planetas externos do Sistema Solar, que nos darão um novo olhar desses mundos remotos, e ajudarão os cientistas a estudarem como eles mudam com o passar do tempo. Nessa nova imagem de Júpiter, uma grande quantidade de feições foi capturada incluindo ventos, nuvens e tempestades. Os cientistas por trás dessas novas imagens, as obtiveram usando a Wide Field Camera 3 do Hubble, num período de observação de mais de 10 horas e produziram assim dois mapas completos do planeta, a partir das suas observações. Esses mapas fizeram com que fosse possível determinar a velocidade dos ventos em Júpiter, com a finalidade de identificar dif…

Um saco cósmico cheio de carvão

Imagem
Parte da Nebulosa do Saco de Carvão vista de perto
Esta imagem obtida pelo instrumento Wide Field Imager montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros mostra parte da enorme nuvem de gás e poeira chamada Nebulosa do Saco de Carvão. A poeira nesta nebulosa absorve e dispersa a radiação emitida por estrelas de fundo.Crédito:ESO
Manchas escuras bloqueiam quase completamente um rico campo estelar nesta nova imagem obtida pelo instrumento Wide Field Camera, instalado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros no Observatório de La Silla, no Chile. As áreas escuras são pequenas partes de uma enorme nebulosa escura chamada Saco de Carvão, um dos objetos mais proeminentes do seu tipo, visível a olho nu. Daqui a milhões de anos, pedaços deste Saco de Carvão irão se acender, assim como o combustível fóssil de seu nome, com o brilho de muitas estrelas jovens. A Nebulosa do Saco de Carvão situa-se a cerca de 600 anos-luz de distância na constelação do Cruzeiro do Sul. Este enorme objeto empoeirado forma uma…

Galáxia Espiral M96 pelo Hubble

Imagem
Crédito: ESA/Hubble & NASA e Equipa LEGUS; Reconhecimento: R. Gendler
Faixas de poeira parecem girar em torno do núcleo de M96 neste colorido retrato detalhado do centro de um lindo Universo-ilha. Claro, M96 é uma galáxia espiral, e contando desde os braços ténues até à região central mais brilhante, cobre cerca de 100 mil anos-luz, o dobro do tamanho da nossa Via Láctea. M96, também conhecida como NGC 3368, está localizada a mais ou menos 35 milhões de anos-luz e é um membro dominante do grupo de galáxias Leo I. A imagem foi obtida pelo Telescópio Espacial Hubble. A razão para a assimetria de M96 não é clara - pode ter surgido de interações gravitacionais com outras galáxias do mesmo grupo, mas a ausência de um brilho difuso intra-grupo parece indicar poucas interações recentes. No pano de fundo podem ver-se outras galáxias mais distantes. Fonte: NASA

New Horizons encontra céus azuis e água gelada em Plutão

Imagem
O céu azul de Plutão: a camada de neblina de Plutão mostra o seu tom azul nesta imagem obtida pela câmara MVIC (Multispectral Visible Imaging Camera) do Ralph. Pensa-se que a neblina a alta altitude seja semelhante em natureza com a observada na lua de Saturno, Titã. A fonte de ambas as neblinas envolve reações químicas do nitrogénio e metano, iniciadas pela luz solar, levando a partículas relativamente pequenas e parecidas com fuligem (chamadas tolinas) que crescem à medida que assentam à superfície. A imagem foi gerada por software que combina informação de imagens azuis, vermelhas e no infravermelho próximo, a fim de replicar tanto quanto possível a cor que o olho humano veria. Crédito: NASA/JHUAPL/SwRI
As primeiras imagens a cores das neblinas atmosféricas de Plutão, enviadas pela sonda New Horizons da NASA a semana passada, revelam que são azuis. Quem teria esperado um céu azul na Cintura de Kuiper? É lindo," afirma Alan Stern, investigador principal da New Horizons no SwRI (…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...