5 estrelas estranhas encontradas em nossa galáxia




A Via Láctea é o lar de cerca de 200 bilhões de estrelas. Como em uma grande cidade, apesar da maioria das pessoas parecer normal, você inevitavelmente vai encontrar alguns esquisitos no meio de toda a gente. Nossa galáxia não é exceção. Escondendo-se em nosso céu estão algumas das mais excêntricas estrelas conhecias. Elas se destacam desafiando nossas expectativas e até mesmo o nosso senso comum, forçando os astrônomos a repensar os limites do que é fisicamente possível e suas suposições fundamentais sobre o universo.

Estrelas cobertas com nuvens de metal
estrelas estranhas 5
Estas estrelas exóticas são um tipo de anã branca – pequenos remanescentes superdensos de estrelas como o nosso sol. Por “superdenso”, queremos dizer que uma colher de chá desse material pesaria cerca de 15 toneladas. Agora imagine o mesmo objeto assustadoramente denso coberto de nuvens metálicas. É importante notar que o termo “nuvens” pode ser um pouco enganador. Nuvens sobre uma anã branca não se assemelham às nuvens na Terra. Aqui, elas se formam como vapor de água e tem uma aparência fofa e branca. Já as nuvens nestas estrelas são geralmente compostas de chumbo e zircônio, com outros tipos de metais em concentrações menores, com uma espessura de 100 km e pesando até 100 bilhões de toneladas métricas. Os astrônomos pensam que tais nuvens podem cobrir toda (ou quase toda) a superfície de uma estrela. Ninguém sabe ao certo como se parecem de perto, mas a sua existência por si só é inegavelmente surpreendente.

Estrela com formato oval
estrelas estranhas 4
Vega é a 5º estrela mais brilhante no céu noturno. De perto, no entanto, não se parece em nada com uma estrela típica. Ela gira tão rápido – mais de 965.606 quilômetros por hora – que incha em um formato oblato, como uma espécie de ovo azul gordinho. Os cientistas estimam que Vega gira em cerca de 90% da sua velocidade máxima possível de rotação. Se ficasse 10% mais rápida, isso prejudicaria sua gravidade e a destruiria. Além de ter forma de ovo, Vega não brilha uniformemente como o nosso sol. Em vez disso, seu equador brilha menos do que seus polos, o que gera uma faixa escurecida em sua superfície. Os cientistas pensam que a faixa é um resultado de variações de temperatura causadas pela velocidade de rotação insana de Vega. Como o equador é mais frio, brilha menos e tem uma cor mais escura.

Duas estrelas se tocando
estrelas estranhas 3
Sistemas estelares binários são comuns em nossa galáxia. Na verdade, os cientistas estimam que 85% das estrelas na Via Láctea estão em sistemas multiestelares. Mas duas estrelas de fato se tocando? Por mais impossível que pareça, MY Camelopardalis faz exatamente isso. Estas duas estrelas azuis quentes estão literalmente se esfregando uma contra a outra, à medida que orbitam em torno de um ponto comum. Os astrônomos acreditam o MY Camelopardalis está prestes a se fundir em uma única estrela supermassiva. Quando a junção acontecer, o resultado pode ser uma espetacular explosão de energia. Ou pode simplesmente criar uma estrela maior que vai se queimar rapidamente. Ninguém pode dizer definitivamente.

Estrela com braços espirais
estrelas estranhas 2
Braços espirais são normalmente associados com galáxias, mas a estrela SAO 206462 é incomum no fato de que tem seu próprio conjunto de braços espirais – cada um abrangendo 22 bilhões de quilômetros de diâmetro. Por mais estranho que possa parecer, os astrônomos postulam que estamos olhando para um disco protoplanetário, onde novos planetas estão se formando. A existência do próprio disco não é incomum – na verdade, discos protoplanetários são frequentemente vistos em torno de estrelas jovens em nossa galáxia. Mas a sua forma é única. No caso de SAO 206462, os cientistas acreditam que cada braço espiral contém um novo planeta. A descoberta dos braços foi sem precedentes e totalmente inesperada, o que demonstra que novidades científicas podem ocultar-se mesmo em áreas de pesquisa já amplamente estudadas.

A estrela dentro de outra estrela
estrelas estranhas 1
HV 2112 é uma besta cósmica, uma estrela gigante com uma estrela de nêutrons enterrada em seu núcleo. Os cientistas pensam que ela era originalmente um sistema estelar binário, consistindo em uma gigante vermelha e uma estrela de nêutrons, até a última ser engolida pela sua companheira maior. O resultado final deste canibalismo cósmico é um Objeto de Thorne-Żytkow, uma monstruosidade tão bizarra que literalmente redefiniu nossas noções do que pode constituir uma estrela. HV2112 é uma combinação de duas peças: uma estrela de nêutrons dentro de uma gigante vermelha. Estas duas coisas já são extremas, independentemente uma da outra. Lembra que uma colher de chá de material de anã branca pesa mais de 15 toneladas? Bem, uma colher de chá de estrela de nêutrons pode pesar até 4 bilhões de toneladas.

Enquanto isso, a gigante vermelha pode ter um diâmetro de centenas de milhões de quilômetros. Combinar estas duas estrelas cria algo diferente de qualquer coisa previamente conhecida para a ciência. Mas HV2112 não é apenas exclusiva por ser um híbrido de duas estrelas monstras. Também se comporta de forma diferente de uma estrela convencional. A sua composição exótica faz com que fabrique elementos de uma maneira diferente, criando concentrações mais elevadas de elementos pesados específicos. Isto tem o potencial de mudar a nossa compreensão de como os elementos pesados podem ser produzidos na natureza – até a descoberta de HV 2112, os cientistas acreditavam que elementos pesados eram provavelmente criados exclusivamente nos núcleos de estrelas tradicionais supermassivas e em supernovas antigas. Ao existir, HV 2112 forçou a ciência a repensar algumas de suas premissas mais fundamentais sobre o universo.
Fonte: HYPESCIENCE.COM

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton