Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2016

Júpiter espera a chegada de Juno

Imagem
Imagens VLT de Júpiter apresentadas alguns dias antes da chegada da sonda Juno Em preparação para a chegada iminente da sonda Juno da NASA, os astrónomos usaram o Very Large Telescope do ESO para obter imagens de Júpiter no infravermelho, no âmbito de uma campanha para criar mapas de alta resolução do planeta gigante. Estas observações ajudarão a definir o trabalho a realizar pela sonda Juno nos próximos meses, dando aos astrónomos uma melhor compreensão do gigante gasoso antes do encontro com Juno. Uma equipa liderada por Leigh Fletcher da Universidade de Leicester, no Reino Unido, apresentou novas imagens de Júpiter no Encontro Nacional de Astronomia da Sociedade Astronómica Real do Reino Unido, em Nottingham. Obtidas com o instrumento VISIR montado no Very Large Telescope do ESO, as novas imagens fazem parte de um esforço para aumentar o conhecimento sobre a atmosfera de Júpiter antes da chegada da sonda Juno da NASA em Julho deste ano.
A campanha envolveu diversos telescópios situad…

Astrônomos vão passar um ano estudando a estrela com a suposta “megaestrutura alienígena”

Imagem
Uma equipe de astrônomos conseguiu com sucesso um financiamento coletivo para investigar durante um ano de observações a hipótese de que uma “megaestrutura alienígena” orbite uma estrela misteriosa chamada KIC 8462852.  A equipe levantou mais de 100 mil dólares em menos de um mês para o estudo, e eles esperam que esta quantia vá comprar-lhes tempo suficiente para concluir de uma vez por todas o que está fazendo com que a luz de KIC 8462852 escureça de forma que os cientistas nunca viram antes.  Caso você tenha perdido a controvérsia em torno de KIC 8462852 – uma estrela de tipo F que se encontra 1.480 anos-luz de distância – aqui está um rápido resumo: a história começou em 2015, quando a astrônoma da Universidade de Yale, nos EUA, Tabetha Boyajian, liderou uma equipe de cientistas chamados de “os caçadores de planetas” para examinar os dados coletados pelo telescópio espacial Kepler.
KIC 8462852 era apenas uma estrela entre as centenas que o Kepler marcou como anormal depois de estuda…

VÉNUS tem potencial - mas não para água

Imagem
A sonda Venus Express da ESA detetou um campo elétrico surpreendentemente forte em Vénus - a primeira vez que um campo elétrico foi medido num planeta. Com um potencial de mais ou menos 10V, é quase cinco vezes maior do que os cientistas esperavam e é suficiente para despojar a atmosfera superior de oxigénio, um dos componentes da água.  Ao contrário da Terra, Vénus não tem um campo magnético significativo para se proteger do vento solar. Quando o campo magnético transportado pelo vento solar encontra Vénus, rodeia a ionosfera do planeta (na imagem em tons alaranjados), puxando as suas partículas.  Enquanto os protões e outros iões (azul na inserção) sentem uma força devido à gravidade do planeta, os eletrões (a vermelho na inserção) são muito mais leves e, consequentemente, são capazes de escapar à atração gravitacional mais facilmente.  À medida que os eletrões sobem na atmosfera e para o espaço, ainda estão ligados aos protões e iões via força eletromagnética, e isto resulta no cam…

Inesperado excesso de planetas gigantes em enxame de estrelas

Imagem
Uma equipe internacional de astrónomos descobriu que existem muito mais planetas do tipo de Júpiter quente do que os esperados num enxame estelar chamado Messier 67. Este resultado surpreendente foi obtido com vários telescópios e instrumentos, entre os quais o espectrógrafo HARPS no Observatório de La Silla do ESO. O meio denso do enxame originará interações mais frequentes entre planetas e estrelas próximas, o que pode explicar o excesso deste tipo de exoplanetas. Uma equipe chilena, brasileira e europeia liderada por Roberto Saglia do Max-Planck-Institut für extraterrestrische Physik, em Garching, Alemanha, e Luca Pasquini do ESO, passou vários anos a fazer medições de alta precisão de 88 estrelas pertencentes ao enxame Messier 67. Este enxame estelar aberto tem cerca da mesma idade do Sol e pensa-se que o Sistema Solar teve origem num meio denso similar.
A equipe utilizou o HARPS, entre outros instrumentos, para procurar assinaturas de planetas gigantes em órbitas de período curto,…

Primeiras observações do Centro Galáctico obtidas com o instrumento GRAVITY

Imagem
Sonda de buraco negro opera agora com os quatro Telescópios Principais do VLT
Impressão artística da estrela S2 a passar muito perto do buraco negro supermassivo no centro da Via LácteaCréditos:ESO/L. Calçada
Uma equipe europeia de astrónomos usou o novo instrumento GRAVITY montado no Very Large Telescope do ESO para obter observações do centro da Via Láctea, combinando pela primeira vez radiação colectada pelos quatro Telescópios Principais de 8,2 metros. Estes resultados dão-nos já uma ideia da ciência inovadora que o GRAVITY irá fazer, ao sondar os campos gravitacionais extremamente fortes existentes próximo do buraco negro central supermassivo e ao testar a teoria da relatividade geral de Einstein. O instrumento GRAVITY está atualmente a operar com os quatro Telescópios Principais de 8,2 metros do Very Large Telescope do ESO (VLT) e já a partir de resultados preliminares tornou-se claro que brevemente irá produzir ciência de classe mundial.
O GRAVITY faz parte do interferómetro do …

HUBBLE confirma nova mancha em NETUNO

Imagem
Neptuno e a sua nova mancha escura. Crédito: NASA, ESA e M. H. Wong e J. Tollefson (UC Berkeley)

Novas imagens obtidas no dia 16 de maio de 2016, pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA, confirmam a presença de um vórtice escuro na atmosfera de Neptuno. Apesar de características semelhantes já terem sido vistas durante o "flyby" da Voyager 2 em 1989 e pelo Hubble em 1994, este vórtice é o primeiro observado em Neptuno no século XXI. A descoberta foi anunciada no dia 17 de maio de 2016, num telegrama eletrónico do Serviço Central de Telegramas Astronómicos, pelo astrónomo Mike Wong, da Universidade da Califórnia em Berkeley, que liderou a equipe que analisou os dados do Hubble.
Os vórtices escuros de Neptuno são sistemas de alta pressão e são geralmente acompanhados por brilhantes "nuvens companheiras", que são agora também visíveis no planeta distante. As nuvens brilhantes formam-se quando o fluxo de ar ambiente é perturbado e desviado para cima sobre o vórtice escur…

Terra: 8 perguntas que ainda não conseguimos responder

Imagem
Quando o primeiro Dia da Terra foi realizado, em 1970, os geólogos ainda estavam dando os últimos retoques em suas teorias sobre placas tectônicas, o modelo que explica como a superfície da Terra se formou. Mais de 40 anos depois, muitos enigmas ainda permanecem quando se trata do nosso planeta. Aqui estão algumas das perguntas para as quais ainda não temos resposta:
8. Porque todos nós somos molhados? Os cientistas acreditam que a Terra era uma rocha seca depois que se fundiu, 4,5 bilhões de anos atrás. Então, de onde é que este produto químico essencial, o H2O, vem? Talvez um sistema de entrega interestelar, na forma de impactos enormes, cerca de 4 bilhões de anos atrás seja o responsável. Atacada por asteroides de gelo, a Terra poderia ter reabastecido seus reservatórios de água durante o período conhecido como Intenso Bombardeio Tardio. Ainda assim, os primórdios da água da Terra estão envoltos em mistério, porque há pouca evidência deste período.
7. O que acontece no núcleo da Terra…

Os mistérios da estrela KIC 8462852

Por que a estrela KIC 8462852 continua a oscilar em brilho? Ninguém sabe ao certo. Uma estrela, similar ao nosso Sol, a KIC 8462852 foi uma das estrelas mais distantes já monitoradas pelo Telescópio Espacial Kepler da NASA, na procura por possíveis exoplanetas. Um projeto de ciência cidadã, ajudou a inspecionar os dados junto com astrônomos, e descobriu que o brilho da estrela chegava a variar cerca de 20%, por meses, mas depois voltava ao brilho original. As razões comuns e conhecidas para a diminuição de brilho de uma estrela, como trânsitos de exoplanetas, ou até mesmo por eclipses causados por uma companheira estelar, não se ajustavam à natureza errática da diminuição de brilho dessa estrela.
Chegou-se a cogitar num momento, que a estrela variava de brilho dessa maneira a mais de 100 anos, mas essa hipótese foi descartada depois que análises mostraram que era um erro instrumental no instrumento que fotografa estrelas. Alguns astrônomos disseram que não era possível descartar nem a…

Provável novo planeta poderá em lenta espiral da morte

Imagem
Astrónomos que procuravam os planetas mais jovens da Galáxia descobriram evidências convincentes da existência de um planeta diferente de qualquer outro, um recém-nascido "Júpiter quente" cujas camadas exteriores estão a ser arrancadas pela estrela que orbita a cada 11 horas.  Um punhado de planetas conhecidos estão em semelhantes órbitas pequenas mas, dado que esta estrela tem apenas 2 milhões de anos, é um dos exemplos mais extremos," afirma Christopher Johns-Krull, astrónomo da Universidade Rice e autor principal de um novo estudo que divulga o caso de um gigante gasoso em redor da estrela PTFO8-8695 na constelação de Orionte. O estudo revisto por pares será publicado na revista The Astrophysical Journal e já está disponível online.  Nós ainda não temos provas absolutas de que é um planeta porque ainda não temos um valor firme da massa, mas as nossas observações ajudam à verificação," afirma Johns-Krull. "Nós comparámos as nossas evidências contra qualquer …

VLT Fotografa um exoplaneta exótico

Imagem
Fotografia da estrela CVSO 30 e do recém-descoberto exoplaneta CVSO 30c à sua esquerda. Crédito: ESO/Schmidt et al.
Os astrónomos procuram planetas em órbita de outras estrelas (exoplanetas) através de uma variedade de métodos. Um desses métodos é a imagem direta, o qual se revela particularmente eficaz para planetas que se encontram em órbitas largas em torno de estrelas jovens, uma vez que a luz do planeta não é ofuscada pela radiação emitida pela estrela hospedeira, sendo por isso mais fácil de detetar. Esta imagem demonstra esta técnica. Nela podemos ver a estrela T-Tauri chamada CVSO 30, situada a aproximadamente 1200 anos-luz de distância da Terra no grupo 25 Orionis (ligeiramente a noroeste da famosa cintura de Orionte).
Em 2012, os astrónomos descobriram que CVSO 30 alberga um exoplaneta (CVSO 30b), usando um método de deteção conhecido por fotometria de trânsito, no qual a radiação emitida pela estrela apresenta uma diminuição observável quando o planeta passa à sua frente. Ag…

Buraco negro alimentado por dilúvio intergaláctico frio

Imagem
Com o auxílio do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), uma equipe internacional de astrónomos foi testemunha de um evento meteorológico cósmico nunca antes observado — um enxame de enormes nuvens de gás intergaláctico “chovendo” sobre um buraco negro supermassivo situado no centro de uma enorme galáxia a um milhar de milhões de anos-luz de distância da Terra. Os resultados deste trabalho serão publicados na revista Nature a 9 de junho de 2016. Novas observações ALMA mostram a primeira evidência direta de que nuvens densas frias podem coalescer a partir de gás intergaláctico quente e mergulhar no coração de uma galáxia, alimentando o seu buraco negro supermassivo central. Estas observações mudaram o modo como os astrónomos pensavam que os buracos negros se alimentavam, num processo chamado acreção.

Anteriormente os astrónomos pensavam que, nas galáxias maiores, os buracos negros supermassivos tinham uma dieta lenta e contínua de gás quente ionizado vindo do halo da galáxi…

Este planeta pode sustentar vida

Imagem
A cerca de 1.200 anos-luz da Terra, na direção da constelação de Lira, encontra-se um exoplaneta que, segundo astrônomos, pode ser habitável. O planeta, conhecido como Kepler-62f, é 40% maior que a Terra, o que o coloca na lista de prováveis planetas rochosos. Além disso, possivelmente tem oceanos, segundo a astrônoma Aomawa Shields, principal autora do trabalho e pesquisadora pós-doutorada em astronomia e astrofísica da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA).
O sistema planetário que inclui o Kepler-62f foi descoberto em 2013, e conta com cinco planetas. O potencialmente habitável é o mais externo do sistema, orbitando uma estrela menor e mais fria que o sol. Mas a missão Kepler não identificou a composição atmosférica ou formato da órbita do planeta. Trabalhando em colaboração com astrônomos da Universidade de Washington, a pesquisadora levantou vários possíveis cenários. Descobrimos que há múltiplas composições atmosféricas que permitem que o planeta seja quente o suficiente…

As Nuvens da Nebulosa Carina

Imagem
Crédito: John Ebersole Que formas se escondem nas brumas da Nebulosa Carina? As figuras sinistras são na realidade nuvens moleculares, nós de gás molecular e poeira tão espessa que se tornam opacas. No entanto, em comparação, estas nuvens são normalmente muito menos densas que a atmosfera da Terra. Esta é uma imagem detalhada do núcleo da Nebulosa Carina, uma zona onde tanto nuvens escuras como coloridas são particularmente proeminentes. A imagem foi capturada o mês passado a partir do Observatório Siding Spring na Austrália. Apesar da nebulosa ser composta principalmente de hidrogénio gasoso - aqui com tons verdes, à imagem foram atribuídas cores para que a luz emitida por vestígios de enxofre eoxigénio aparecesse em tons de vermelho e azul, respetivamente. O todo da Nebulosa Carina, catalogada como NGC 3372, abrange mais de 300 anos-luz e está situada a cerca de 7500 anos-luz de distância na direção da constelação Quilha (Carina). Eta Carinae, a estrela mais energética na nebulosa, f…

A possibilidade de buracos negros serem hologramas ficou mais forte

Imagem
Os buracosnegros são grandes desconhecidos da ciência: não podemos vê-los, já que a luz não escapa deles, não sabemos do que são feitos, e não sabemos para onde vai a matéria que cai neles quando morrem. Os físicos não conseguem concordar se os buracos negros são gigantes massivos tridimensionais, ou apenas um par de superfícies 2D projetadas em 3D como um holograma. Agora, um novo estudo publicado recentemente dá mais força a hipótese do holograma, usando um novo cálculo da entropia.
A hipótese holográfica - O físico Leonard Susskind, nos anos 1990, foi o primeiro a propor o buraco negro como holograma, ao provar que matematicamente o universo não precisa de mais que duas dimensões para que as leis da física e a gravidade funcionem como funcionam. Para nós, entretanto, tudo se parece como uma imagem tridimensional de processos de duas dimensões, projetados sobre um imenso horizonte cósmico. Parece loucura, mas este modelo acaba solucionando algumas contradições entre a teoria da relat…

O Universo está crescendo mais rápido do que o esperado

Imagem
Os cientistas não sabem ao certo por que, mas novos cálculos mostram que o universo está se expandindo mais rápido do que o esperado, possivelmente por resultado de algo que nós só suspeitamos que existe – a radiação escura. A mais recente pesquisa sobre os movimentos das estrelas descobriu que o universo está se expandindo entre 5% e 9% mais rápido do que no início de sua existência. Uma consequência disto poderia ser um rasgo bem no meio do cosmos. Um universo engraçado ficou mais engraçado”, diz o pesquisador australiano e astrofísico da Universidade Nacional da Austrália, Brad Tucker.
RAZÕES - “Pode ser uma nova força semelhante à energia escura, ou uma nova partícula, ou pode ser que a energia escura em si mudou ao longo do tempo”, acrescenta ele. “Nós pensamos que estávamos perto de compreender a energia escura, mas agora sabemos que não estamos perto de saber a resposta. Há um monte de trabalho a fazer. Estrelas, planetas e gás representam apenas 5% do universo. O resto é formad…

Onde é o limite do universo?

Imagem
O que está além do universo conhecido? Onde acaba o universo? Ou melhor, ele acaba?  Definir o “além do universo” implicaria que o universo tem uma borda. E é aí que as coisas ficam muito complicadas, porque os cientistas não estão certos se tal borda existe. A resposta depende de como se vê a questão.
Princípio cosmológico - Existiria algum lugar ao qual poderíamos ir e “ver” o que está “além do universo”, como se pode espiar além da borda de um penhasco ou para fora de uma janela?  Essa questão envolve o “princípio cosmológico”, de acordo com Robert McNees, professor de física na Universidade Loyola em Chicago, nos EUA. O princípio cosmológico dita que a distribuição da matéria em qualquer parte do universo parece praticamente a mesma que em qualquer outra parte, independentemente da direção que você olha. Em termos científicos, o universo é isotrópico. Há muita variação local – estrelas, galáxias, aglomerados etc -, mas, em média, em grandes pedaços de espaço, nenhum lugar é realme…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...