Descoberta nova população de planetas isolados e estrelas frias

Descoberta nova população de planetas isolados e estrelas frias

Esta imagem da região de formação estelar da Nebulosa de Órion foi criada a partir de várias exposições obtidas pela câmera infravermelha HAWK-I, montada no VLT, no Chile

Estrelas frias ou planetas quentes?
Ao captar a imagem mais detalhada já obtida da Nebulosa de Órion, os astrônomos tiveram uma surpresa. A imagem revela cerca de 10 vezes mais anãs marrons e "objetos de massa planetária isolados" do que se calculara anteriormente. Isto não apenas desafia o cenário normalmente aceito da história de formação estelar das nebulosas, como também pede outras explicações e catalogações desses "corpos estelares" e planetas isolados. "Compreendermos porque é que tantos objetos de baixa massa se encontram na Nebulosa de Órion é importante porque nos ajuda a colocar limites nas atuais teorias de formação estelar. Sabemos agora que o modo como estes objetos de baixa massa se formam depende do meio que os envolve," disse Amelia Bayo, da Universidade de Valparaíso, no Chile.

Função de Massa Inicial
Os astrônomos contam quantos objetos de diferentes massas se formam em regiões como a Nebulosa de Órion para tentar compreender o processo de formação estelar. Esta informação é usada para criar uma métrica chamada Função de Massa Inicial (FMI) - um modo de descrever quantas estrelas de diferentes massas compõem uma população estelar quando da sua formação. Antes da observação feita agora, o maior número de objetos encontrados tinha massas de cerca de um quarto da massa do nosso Sol. A descoberta de uma enorme quantidade de novos objetos com massas muito inferiores a essa cria um "segundo máximo" na distribuição da contagem de estrelas com uma massa muito menor.

Planetas pequenos e isolados
Os dados sugerem também que o número de objetos do tamanho de planetas pode ser muito maior do que se pensava anteriormente. Apesar de a tecnologia necessária para observar diretamente estes planetas ainda não existir, o futuro telescópio E-ELT, previsto para começar a funcionar em 2024, tem a realização desse tipo de observação como um dos seus objetivos.  O nosso resultado é para mim como um espreitar para uma nova era da formação planetária e estelar. O enorme número de planetas isolados encontrados com os nossos atuais limites observacionais me faz pensar que certamente ainda vamos descobrir uma imensa quantidade de planetas menores que a Terra com o E-ELT," disse o professor Holger Drass, da Universidade Católica de Chile, líder do projeto.
Fonte: Inovação Tecnológica

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton