Encontro galáctico deixa para trás buraco negro supermassivo "QUASE NU"

Impressão de artista da origem do buraco negro supermassivo "quase nu".
Crédito: Bill Saxton, NRAO/AUI/NSF

Astrónomos que usaram a visão rádio supernítida do VLBA (Very Long Baseline Array) do NSF (National Science Foundation) descobriram os restos de uma galáxia que passou por uma outra galáxia maior, emergindo dessa fusão apenas um buraco negro supermassivo com uma velocidade de mais de 2000 km/s. As galáxias fazem parte de um enxame a mais de 2 mil milhões de anos-luz da Terra. O encontro, que ocorreu há milhões de anos atrás, despojou a galáxia mais pequena de quase todas as suas estrelas e gás. O que resta é o seu buraco negro e um pequeno remanescente galáctico com apenas 3000 anos-luz. Em comparação, a nossa Via Láctea mede aproximadamente 100.000 anos-luz de diâmetro.

A descoberta foi feita como parte de um programa para detetar buracos negros supermassivos, com milhões ou milhares de milhões de vezes mais massivos que o Sol, que não estão no centro de galáxias. Os buracos negros supermassivos residem no centro da maioria das galáxias. Pensa-se que as grandes galáxias cresçam devorando companheiras mais pequenas. Nestes casos, os buracos negros de ambas as galáxias orbitam-se um ao outro, eventualmente fundindo-se. Estávamos à procura de pares orbitantes de buracos negros supermassivos, com um deslocamento do centro da galáxia, sinais indicadores de uma fusão galáctica anterior," explica James Condon, do NRAO (National Radio Astronomy Observatory).

"Em vez disso, encontrámos este buraco negro fugindo da galáxia maior e deixando para trás um rastro de detritos," acrescenta. Nunca tínhamos visto nada assim," comenta Condon. Os astrónomos começaram a sua pesquisa usando o VLBA para obter imagens de alta resolução de mais de 1200 galáxias, anteriormente identificadas em levantamentos de larga escala com telescópios infravermelhos e radiotelescópios. As suas observações com o VLBA mostraram que os buracos negros supermassivos de quase todas estas galáxias se encontravam no centro das galáxias.

No entanto, um objeto, num enxame galáctico chamado ZwCl 8193, não encaixava neste padrão. Estudos posteriores mostraram que este objeto, chamado B3 1715+425, é um buraco negro supermassivo rodeado por uma galáxia muito mais pequena e ténue do que se esperava. Além disso, este objeto acelera para longe do núcleo de uma galáxia muito maior, deixando para trás um rastro de gás ionizado. Os cientistas concluíram que B3 1715+425 é o que resta de uma galáxia que passou pela galáxia maior, galáxia esta que "roubou" a maioria das estrelas e gás durante o encontro - um buraco negro supermassivo "quase nu".

O remanescente veloz, dizem os cientistas, provavelmente perderá ainda mais massa e deixará de formar novas estrelas. Daqui a cerca de mil milhões de anos, será provavelmente invisível," comenta Condon. Isso significa, segundo o investigador, que podem existir muitos mais destes objetos, deixados para trás por encontros galácticos, que os astrónomos não conseguem detetar. No entanto, os cientistas vão continuar à procura. Estão a observar mais objetos num projeto a longo prazo com o VLBA. Dado que não tem data limite, explica Condon, usam "tempo livre" do telescópio quando este não está a ser usado para outras observações.

"Os dados que obtemos do VLBA são de alta qualidade. Obtemos as posições dos buracos negros supermassivos com uma precisão extremamente boa. O nosso fator limitante é a precisão das posições das galáxias vistas noutros comprimentos de onda que usamos para comparação," salienta Condon. Com a próxima geração de telescópios óticos, como por exemplo o LSST (Large Synoptic Survey Telescope), diz, eles terão imagens melhoradas que podem ser comparadas com as imagens do VLBA. Esperam que isto lhes permita descobrir mais objetos como B3 1714+425. E talvez alguns dos buracos negros supermassivos binários que originalmente procurávamos," conclui.
Fonte: Astronomia Online


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton