Postagens

Mostrando postagens de Outubro 17, 2016

O universo contém ao menos DEZ VEZES mais galáxias do que pensávamos

Imagem
Astrônomos usando dados das agências espaciais americana NASA e europeia ESA realizaram um censo preciso do número de galáxias no universo observável, concluindo surpreendentemente que existem pelo menos dez vezes mais do que pensávamos. Os resultados têm implicações claras para a nossa compreensão da formação de galáxias, e também ajudam a resolver um antigo mistério astronômico: por que o céu é escuro à noite?
Modelo matemático - Imagens do Hubble Deep Field, capturadas pelo telescópio Hubble em meados de 1990, deram a primeira visão sobre quantas galáxias haviam no universo. Estimou-se que o número era de cerca de 100 bilhões. Agora, uma equipe internacional liderada por Christopher Conselice da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, demonstrou que este número pode ser pelo menos dez vezes maior. Conselice e sua equipe chegaram a esta conclusão utilizando imagens do Hubble, dados de trabalhos anteriores dos pesquisadores e outros dados publicados. Eles meticulosamente converter…

A bela e Intrigante Galáxia NGC 278

Imagem
Essa imagem, feita com a Wide Field Planetary Camera 2 do Telescópio Espacial Hubble, mostra a galáxia espiral chamada NGC 278. Essa beleza cósmica localiza-se a cerca de 38 milhões de anos-luz de distância da Terra na constelação de Cassiopeia. Olhando assim, a galáxia NGC 278, parece tranquila. Porém, a galáxia está passando por uma imensa explosão de formação de estrelas. Essa atividade furiosa pode ser percebida pelos nós de tonalidade azulada, que permeiam os braços espirais da galáxia, cada nó desse marca uma aglomeração de estrelas quentes recém-nascidas.
Contudo, a formação de estrelas na NGC 278 não é comum, ela não se estende para as bordas mais externas da galáxia, só acontecendo dentro de um anel interno de cerca de 6500 anos-luz de diâmetro. Essa dicotomia pode ser vista nessa imagem, enquanto o centro é brilhante, as extremidades são muito mais escuras.
Essa estranha configuração acredita-se, tenha sido causada por uma fusão com uma galáxia menor rica em gás, enquanto que…

O coração antigo da Via Láctea

Imagem
VISTA encontra restos de enxame estelar globular arcaico Com o auxílio do VISTA, o telescópio infravermelho do ESO, descobriram-se pela primeira vez estrelas antigas do tipo RR Lyrae no centro da Via Láctea. As estrelas RR Lyrae encontram-se tipicamente em populações estelares com mais de 10 mil milhões de anos de idade. A sua descoberta sugere que o centro bojudo da Via Láctea provavelmente se formou a partir da fusão de enxames estelares primordiais. Estas estrelas podem mesmo ser os restos do mais massivo e mais antigo enxame estelar que ainda sobrevive na Via Láctea.
Uma equipa liderada por Dante Minniti (Universidad Andres Bello, Santiago, Chile) e Rodrigo Contreras (Pontificia Universidad Católica de Chile, Santiago, Chile) utilizou observações do telescópio infravermelho de rastreio VISTA, obtidas no âmbito do rastreio público Variáveis na Via Láctea (VVV), para fazer uma busca cuidada da região central da Via Láctea. Ao observar no infravermelho, que é menos afectado pela poeira…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...