"REFEIÇÃO" buraco negro quebra recorde de duração e tamanho


Impressão de artista ilustra o que os astrónomos chamam de "evento de rutura de maré".Crédito: ilustração - CXC/M. Weiss; raios-X - NASA/CXC/UNH/D. Lin et al, óptico - CFHT

Segundo os astrónomos, um buraco negro gigante rasgou uma estrela e depois engoliu os seus restos durante aproximadamente uma década. Esta duração é mais de dez vezes superior a qualquer episódio observado da morte de uma estrela por um buraco negro. Os investigadores fizeram esta descoberta usando dados do Observatórios de raios-X Chandra da NASA e o satélite Swift bem como o XMM-Newton da ESA.

O trio de telescópios de raios-X em órbita encontrou evidências de um "evento de rutura de maré", onde as forças de maré, devido à intensa gravidade do buraco negro, podem destruir um objeto - como uma estrela - que vagueia demasiado perto. Durante um evento de rutura de maré, alguns dos detritos estelares são lançados para fora a altas velocidades, enquanto o resto cai na direção do buraco negro. À medida que viaja para dentro, para ser ingerido pelo buraco negro, o material aquece até milhões de graus e gera um brilho distinto em raios-X.

"Nós testemunhámos a morte espetacular e prolongada de uma estrela," comenta Dacheng Lin da Universidade de New Hampshire em Durham, New Hampshire, EUA, que liderou o estudo. "Desde a década de 1990 que foram detetados dúzias de eventos de rutura de maré, mas nenhum que tivesse permanecido brilhante tanto tempo quanto este."
A extraordinariamente longa fase de brilho do evento, mais de dez anos, significa que entre os eventos de rutura de maré estudados, este ou contou com a estrela mais massiva destruída completamente durante o evento, ou foi o primeiro onde uma estrela pequena foi completamente despedaçada.
A fonte de raios-X que contém este buraco negro alimentado à força, conhecida pelo nome abreviado de XJ1500+0154, está localizada numa pequena galáxia a cerca de 1,8 mil milhões de anos-luz da Terra.

A fonte não foi detetada numa observação do Chandra de 2 de abril de 2005, mas foi detetada numa observação do XMM-Newton no dia 23 de julho de 2005 e atingiu o pico de brilho numa observação do Chandra de 5 de junho de 2008. Estas observações mostram que a fonte se tornou, pelo menos, 100 vezes mais brilhante em raios-X. Desde então, o Chandra, Swift e XMM-Newton observaram-na várias vezes. A visão nítida, em raios-X, dos dados do Chandra, mostra que XJ1500+0154 está localizada no centro da sua galáxia hospedeira, o local esperado de um buraco negro supermassivo.

Os dados de raios-X também indicam que a radiação do material que rodeia este buraco negro tem superado, consistentemente, o chamado limite de Eddington, definido por um equilíbrio entre a pressão de saída da radiação do gás quente e o puxo da gravidade do buraco negro.
"Durante a maior parte do tempo que observámos este objeto, este tem crescido rapidamente," afirma o coautor James Guillochon do Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica em Cambridge, no estado norte-americano de Massachusetts. "Isto diz-nos algo invulgar: uma estrela com o dobro da massa do nosso Sol está a alimentar o buraco negro."

A conclusão de que os buracos negros supermassivos podem crescer graças a eventos de rutura de maré e, quem sabe, por outros meios, a velocidades acima das correspondentes ao limite de Eddington, tem implicações importantes. Este rápido crescimento pode ajudar a explicar como os buracos negros supermassivos foram capazes de atingir massas cerca de mil milhões vezes superiores à do Sol quando o Universo tinha apenas mil milhões de anos.

"Este evento mostra que os buracos negros podem, realmente, crescer a ritmos extraordinariamente altos," salienta a coautora Stefanie Komossa da Universidade Normal QianNan para Nacionalidades em Duyun, China. "Isto pode ajudar a entender a formação dos buracos negros precoces."
Com base nos modelos dos cientistas, a fonte de alimentação do buraco negro deverá reduzir significativamente na próxima década. Isto resultará no desvanecimento de XJ1500+0154, em raios-X, ao longo dos próximos anos. O artigo que descreve estes resultados foi publicado na edição de 6 de fevereiro da revista Nature Astronomy e está disponível online.
Fonte: Astronomia OnLine

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton

Como surgiu o primeiro átomo?