Como o universo funciona em menos de 10 sentenças

O físico Ben Kilminster trabalha nos experimentos CMS e CDF, no maior acelerador de partículas do mundo, o Grande Colisor de Hádrons, no laboratório da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear. Além de ser um caçador de bóson de Higgs, tendo procurado pela famosa partícula por mais de uma década nos dois experimentos mencionados, Ben é um excelente autor. Abaixo, você confere um de seus melhores textos: “Como o universo funciona – em dez frases” (no original, “How The Universe Works – in Ten Sentences”): 

O universo começou, e quando tinha apenas 10 bilionésimos de um segundo de idade, e era cerca de 100 trilhões de vezes mais quente do que hoje, a força nuclear fraca, que transforma a matéria em outros tipos de matéria, e a força eletromagnética, que atrai objetos carregados, espontaneamente se separaram.

Em algum ponto nestes primeiros momentos, a matéria tornou-se favorecida em relação a antimatéria, e, conforme o universo esfriou, estados de quarks ligados foram criados a partir da força nuclear forte, produzindo prótons que mais tarde atraíram elétrons através da força eletromagnética para produzir hidrogênio. 
Devido a uma grande quantidade de um componente desconhecido da matéria chamado matéria escura, o hidrogênio se acumulou em várias escalas de estrutura, que mais tarde entraram em colapso em aglomerados de galáxias.

Outro componente desconhecido da energia manteve a expansão do universo a velocidades cada vez maiores, resistindo ao impulso gravitacional para colapsar tudo, entretanto, o hidrogênio nas galáxias gravitacionalmente colapsou em estrelas.


As estrelas queimaram por um tempo usando a força nuclear fraca para produzir energia para evitar o seu colapso gravitacional total, mas finalmente ficaram sem hidrogênio, e a pressão extrema do colapso fundiu hidrogênio em elementos pesados ao explodir as estrelas.


As estrelas se uniram novamente com hidrogênio e elementos mais pesados, e começaram a queimar mais uma vez, fornecendo um tremendo calor e gravidade até mesmo centenas de milhões de quilômetros de distância, enquanto parte do material ejetado foi atraído em estruturas estáveis, gravitacionalmente ligadas às estrelas, chamadas de planetas, compostas por metais e outros elementos pesados o suficiente para atrair uma atmosfera e fornecer muitos elementos para estruturas moleculares.

Em planetas suficientemente distantes das estrelas para líquidos não congelarem ou evaporarem em sua superfície, o calor e os elementos começaram reações químicas que produziram moléculas complexas e, conforme as moléculas começaram a interagir, cadeias moleculares mais complexas foram formadas e, eventualmente, estruturas capazes de se replicar foram geradas.


As cadeias de sucesso continuaram a envolver outros materiais para sustentar seu crescimento e a vida nasceu, competindo até que algumas das formas se tornavam dominantes sobre outras, conquistando eficazmente mais das moléculas disponíveis, e, ao longo do tempo, algumas estruturas vivas começaram a trabalhar juntas formando mais estruturas complexas, a fim de comer mais coisas e se reproduzir, usando um plano molecular detalhado de suas propriedades.


Finalmente, as estruturas complexas começaram a fazer perguntas tolas, por exemplo, como o universo funciona em menos de dez sentenças. 
FONTE: Science20


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton