Imagens surreais mostram que Júpiter é ainda mais estranho do que pensávamos

Os primeiros resultados científicos da nave espacial Juno mostram um mundo de nuvens intrincadas, magnetismo intenso e um núcleo potencialmente erodido.
Esta visão colorida aumentada do polo sul de Júpiter foi criada por Gabriel Fiset, usando dados da sonda espacial Juno da NASA

O maior planeta do sistema solar acaba de se revelar ainda mais espetacular com essas novas imagens feitas pela sonda Juno, da NASA. Ela está orbitando Júpiter desde julho passado. Os primeiros resultados científicos da missão, relatados em 46 artigos publicados nas revistas científicas Science e Geophysical Research Letters, estão mostrando que o planeta não funciona da maneira que os cientistas pensavam.
Uma montagem de 10 imagens mostra Júpiter crescendo e encolhendo em tamanho aparente antes e depois de Juno fazer sua melhor aproximação ao planeta, em 27 de agosto de 2016
Membros da equipe da missão Juno da NASA convidaram o público a processar imagens cruas e postar seus resultados, como este apresentado pelo usuário Eric Jorgensen
Tomada pela nave espacial Juno da NASA, esta imagem destaca uma tempestade rodopiante ao sul de um dos ciclones ovais brancos em Júpiter.
Juno passeou pela atmosfera de Júpiter e fez esta imagem em 2 de fevereiro de 2017, cerca de 14.000 quilômetros acima das nuvens
Esta imagem realçada de uma misteriosa mancha escura em Júpiter parece revelar uma “galáxia” de tempestades turbulentas
Esta imagem de cores melhoradas de um misterioso ponto escuro em Júpiter parece revelar uma "galáxia" de "tempestade" de "ropor".
A parte iluminada pelo sol de Júpiter e sua atmosfera rodopiante brilham nesta imagem processada pelo cidadão Alex Mai

Novidades

Os resultados iniciais incluem a revelação de que o campo magnético de Júpiter é quase o dobro do esperado, e que enormes ciclones entram em erupção perto dos polos do planeta. Ainda mais dados sugerem que o núcleo do planeta pode ser maior e mais diluído do que o previsto, com metais pesados e rochas se dissolvendo lentamente em uma camada de hidrogênio metálico líquido. 
Juno também vislumbrou as poderosas auroras que brilham perto dos polos de Júpiter, que são curiosamente desprovidas de bandas nebulosas – em vez disso, são vistas tumultuosas tempestades e espirais de cor pastel, que parecem muito diferentes umas das outras.  Na atmosfera de Júpiter, a sonda detectou amônia brotando do fundo do planeta. A pungente e sufocante pluma de gás poderia estar criando vastos sistemas climáticos, que transformam as nuvens do planeta na arte que podemos ver nas fotos.

Não acabou

Mais tumultuado e colorido do que o vizinho Saturno, Júpiter também é muito maior, de forma que é possível que ele esteja sendo moldado por processos que são mais parecidos com os que ocorrem em estrelas do que em planetas. À medida que Juno percorre Júpiter várias dezenas de vezes, a sonda deve continuar respondendo a perguntas que nem poderiam ser imaginadas antes.  Talvez, no final da missão, a sonda finalmente ajude os cientistas a resolver o mistério do que realmente está por baixo das nuvens tortuosas de Júpiter. 
Fonte: NatGeo

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton