22 de jun de 2017

Planeta Dez: Dados indicam mais um planeta no Sistema Solar

Visualização artística do gelado Planeta Dez, que ainda deverá ser observado diretamente. [Imagem: Kathryn Volk/Renu Malhotra/New Scientist]
Quintal desconhecido
Depois dos indícios da existência de um nono planeta no Sistema Solar - o ardentemente procurado Planeta Nove - agora novos dados indicam que o Sistema Solar pode ser ainda mais populoso do que se pensava.
Kathryn Volk e Renu Malhotra, da Universidade do Arizona, nos EUA, acabam de encontrar indícios da existência de um décimo planeta em nosso sistema - o Planeta Dez.
Os indícios surgiram quando as duas astrônomas rastreavam as regiões além de Netuno, no chamado Cinturão de Kuiper, que começa a partir das 55 unidades astronômicas (ua) - ou seja, 55 vezes mais longe do que a distância do Sol à Terra. Foi uma onda de descobrimento de um grande número de corpos celestes poucos brilhantes nessa região que ajudou a desclassificar Plutão como planeta.
Planeta Dez
Volk e Malhotra rastrearam vários objetos nessa região e verificaram que vários deles descrevem órbitas anômalas, com uma inclinação orbital de oito graus em média. Os efeitos observados, segundo elas, só podem ser explicados pela presença de um outro corpo celeste de grandes dimensões - um planeta.
"Não é o que esperaríamos se os únicos planetas do Sistema Solar fossem aqueles que já conhecemos. Isto significa adicionar um novo planeta - o Planeta Dez, assumindo que o Planeta Nove exista," disse Volk.
A técnica é a mesma usada para identificar o Planeta Nove, só que este deve estar a 700 ua e ter 10 vezes a massa da Terra. O Planeta Dez estaria bem mais perto, a 50 ua, e deve ser bem menor, mais ou menos do tamanho de Marte.
O Planeta 10 estaria em uma órbita inclinada em relação ao Sol e aos planetas conhecidos. [Imagem: Kathryn Volk/Renu Malhotra/New Scientist]
Fácil de ver
Ocorre que um planeta do tamanho de Marte localizado pouco depois de Netuno deve ser muito mais fácil de ser observado do que o distante Planeta Nove.
Na verdade, outros astrônomos, ao comentarem os resultados da pesquisa, afirmam ser difícil de acreditar que exista algo deste tamanho e tão próximo e que não tenha sido observado até hoje, embora o eventual planeta possa ser obscurecido por galáxias de fundo.
Os dados deverão ser confirmados - ou corrigidos - com a adição de novas observações de corpos do Cinturão de Kuiper. Esses dados poderão ser fornecidos pelo projeto OSSOS (Outer Solar System Origins Survey), que está rastreando milhares de objetos nessa região.
"Teria que ser um acaso muito grande para que este não seja um efeito real. Acreditamos que há um sinal real lá e isso implica um planeta adicional," disse Volk.
Fonte: Inovação Tecnológica

Sonda MRO registra ROVER CURIOSITY escalando o monte SHARP

Usando o mais poderoso telescópio já enviado para Marte, a sonda da NASA, Mars Reconnaisssance Orbiter, registrou uma bela visão do rover Curiosity no terreno montanhoso.
O rover do tamanho de um carro, está escalando a parte inferior do Monte Sharp em direção ao seu próximo destino, e aparece como um ponto azul contra o terreno rochoso, nessa imagem feita pela câmera HiRISE. As cores foram exageradas para mostrar as diferenças entre o rover e a superfície de Marte, fazendo o Curiosity aparecer mais azul do que ele realmente é.
A imagem foi feita no dia 5 de Junho de 2017, dois meses antes do quinto aniversário do pouso do Curiosity em Marte, na Cratera Gale, nas proximidades do Monte Sharp.
Quando a imagem foi feita, o Curiosity estava entre as dunas ativas de areia na parte inferior do Monte Sharp, e a Cadeia Vera Rubin, um destino na parte mais superior onde a equipe do rover pretende examinar afloramentos onde a hematita foi identificada pela sonda MRO desde a órbita de Marte.
A localização do rover nesse dia é mostrada aqui:
A câmera HiRISE obtém imagens do Curiosity algumas vezes durante o ano. A Universidade do Arizona em Tucson, opera a câmera HiRISE, que foi construída pela empresa Ball Aerospace & Technolgies Corp., em Boulder, no Colorado. O Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, uma divisão da Caltech em Pasadena, na Califórnia, gerencia o Mars Reconnaissance Laboratory Project e o Mars Science Laboratory Project para o Science Mission Directorate da NASA, em Washington.
Para mais informações sobre a Mars Reconnaissance Orbiter da NASA, visite:
Para mais informações sobre o Mars Science Laboratory Project da NASA e o Curiosity, visite:
Fonte: SPACE TODAY
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...