Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2018

Exoplaneta possui dia de apenas 8 horas terrestre

Você sente que nunca há tempo suficiente num dia? Então não vá para Beta Pictoris b. Um dia neste acelerado exoplaneta dura apenas 8 horas, fazendo-se uma péssima escolha para um grande desafio. Você também estaria lutando... Você sente que nunca há tempo suficiente num dia? Então não vá para Beta Pictoris b. Um dia neste acelerado exoplaneta dura apenas 8 horas, fazendo-se uma péssima escolha para um grande desafio. Você também estaria lutando contra um ambiente empoeirado, temperaturas lancinantes e a ausência de terra firme neste planeta gigante semelhante à Júpiter.
Beta Pictoris b foi descoberto em 2008 orbitando uma estrela jovem, cerca de 63 anos-luz de distância. Astrônomos acham que o planeta tem aproximadamente 7 vezes a massa de Júpiter e está brilhando ainda com o calor da sua própria formação, em uma temperatura de aproximadamente 1.600 Kelvins.
O exoplaneta foi encontrado em uma bateria de imagens tirada pelo Telescópio Very Large, no Chile. Ignas Snellen, da Universidade d…

Primeiras observações detalhadas de matéria orbitando perto de um buraco negro

O instrumento GRAVITY do ESO confirma a existência do buraco negro no centro da Via Láctea Com o auxílio do GRAVITY, o instrumento extremamente sensível do ESO, uma equipe internacional confirmou a suposição de longa data de que um buraco negro se esconde no centro da Via Láctea. Novas observações mostram nuvens de gás deslocando-se a cerca de 30% da velocidade da luz numa órbita circular muito próxima ao horizonte de eventos do buraco negro. É a primeira vez que se observa matéria orbitando próxima ao ponto sem retorno. Estas são também as observações mais detalhadas obtidas até agora de matéria orbitando tão perto de um buraco negro.
Com o auxílio do instrumento GRAVITY montado no Interferômetro do Very Large Telescope do ESO, cientistas de um consórcio de instituições europeias, incluindo o ESO, observaram clarões de radiação infravermelha sendo emitidos pelo disco de acreção que rodeia Sagitário A*, o objeto massivo situado no coração da Via Láctea. Os clarões observados fornecem-no…

O presente e início da Via Láctea (ilustração artística)

Que diferença faz 11 bilhões de anos, como pode ser visto nessas duas visões comparativas de nossa galáxia Via Láctea. A vista de cima mostra como nossa galáxia se parece hoje. A vista inferior mostra como apareceu no passado remoto. Esta ilustração fotográfica é baseada em um levantamento do Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA de galáxias em evolução do tipo Via Láctea.
Na vista de cima, o atual céu noturno é dominado pelo brilho branco de uma miríade de estrelas de meia-idade ao longo da faixa da Via Láctea. A "poluição" interestelar das espessas faixas de poeira pode ser vista através da longa faixa de estrelas. Eles estão intercalados com algumas nebulosas de emissão rosadas da formação de estrelas em curso. Milhares de estrelas aparecem como alfinetadas de luz pelo céu.  A vista de baixo mostra uma visão imaginária da nossa jovem Via Láctea, como pode ter aparecido 11 bilhões de anos atrás, como visto da superfície de um planeta hipotético. O céu noturno parece muit…

Uma nova visão da nossa noite estrelada

Esta ilustração mostra o caçador de exoplanetas da NASA, o telescópio espacial Kepler. A agência anunciou em 30 de outubro de 2018, que o Kepler ficou sem combustível e está sendo retirado dentro de sua órbita atual e segura, longe da Terra. Kepler deixa um legado de mais de 2.600 descobertas de exoplanetas.Créditos: NASA / Wendy Stenzel / Daniel Rutter
Depois de nove anos no espaço profundo coletando dados que indicam que o nosso céu será preenchido com bilhões de planetas ocultos - mais planetas até que estrelas - o telescópio espacial Kepler da NASA ficou sem combustível necessário para outras operações científicas. A Nasa decidiu aposentar a espaçonave dentro de sua órbita atual e segura, longe da Terra. " Como a primeira missão de caça ao planeta da NASA, o Kepler excedeu todas as nossas expectativas e abriu o caminho para nossa exploração e busca de vida no sistema solar e além ", disse Thomas Zurbuchen, administrador associado do Diretório de Missões Científicas da NAS…

Nasa tenta retomar contacto com seu veículo Opportunity em Marte

© Fornecido por AFP Veículo robótico da Nasa Opportunity está sobre Marte desde 2004
A Nasa mudou seu parecer e anunciou que tenta retomar o contato com seu veículo robótico Opportunity, em estado de hibernação desde a gigantesca tempestade de poeira em junho que cobriu Marte. Em 30 de agosto, a agência espacial americana deu 45 dias extras de escutas ativas através de mensagens frequentes, antes de passar a um modo de escutas passivas, o que significou o abandono do aparato.
Os cientistas da Nasa mantêm, contudo, a esperança de que a espessa camada de poeira que cobre os painéis solares do robô possa ser varrida pelos ventos que surgem habitualmente entre novembro e janeiro sobre o planeta vermelho. Após a análise das escutas, a Nasa continuará com sua estratégia atual para tentar retomar o contato com o Opportunity até um futuro próximo", informou na segunda-feira à noite o Jet Propulsion Laboratory (JPL), na Califórnia, que é a base de operações do veículo, em uma mensagem em se…

Sonda Parker, da NASA, acaba de quebrar dois recordes em um só dia

A missão histórica da NASA para "tocar o Sol" acaba de alcançar dois importantes marcos: ela agora detém o recorde de maior aproximação do Sol feita por um objeto construído por humanos — e também o recorde de espaçonave mais rápida já enviada ao espaço. Lançada em 12 de agosto de 2018, a sonda Parker (ou Parker Solar Probe) está agora entrando nos primeiros estágios de sua missão.
Às 14h04 (horário de Brasília) desta segunda-feira (29), a espaçonave chegou a menos de 42,7 milhões de quilômetros da superfície do Sol — um novo recorde para um objeto construído por humanos. O antigo pertencia à espaçonave alemã Helios 2, que alcançou o feito em abril de 1976. A partir de agora, cada centímetro que a sonda avance em direção ao Sol será um novo recorde de distância, com uma aproximação de 6,16 milhões de quilômetros prevista para 2024.
"Faz apenas 78 dias que a Parker Solar Probe foi lançada, e agora chegamos mais próximo de nossa estrela do que qualquer outra espaçonave na h…

A Vida das Estrelas

A maior parte da luz e da radiação que podemos observar no Universo tem origem em estrelas - estrelas individuais, aglomerados de estrelas, nebulosas iluminadas por estrelas e galáxias compostas por bilhões de estrelas. Estrelas são esferas de hidrogênio incandescente e outros elementos químicos que produzem sua prodigiosa produção de energia convertendo elementos mais leves em elementos mais pesados, por meio de processos nucleares semelhantes aos das bombas de hidrogênio. Como os seres humanos, nascem, amadurecem e morrem, mas suas vidas são muito mais longas que as nossas.  O Hubble foi além do que pode ser alcançado por outros observatórios, ligando estudos dos nascimentos , vidas e mortesde estrelas individuais com teorias de evolução estelar. Em particular, a capacidade do Hubble de sondar estrelas de outras galáxias permite aos cientistas investigar a influência de diferentes ambientes na vida das estrelas. Isso é crucial para poder complementar nossa compreensão da Via Láctea …

Estudante descobre o pulsar mais lento conhecido

Um pulsar com aproximadamente 14 milhões de anos, com a rotação mais lenta já identificada, foi descoberto por uma estudante de doutoramento da Universidade de Manchester.  Chia Min Tan, estudante de doutoramento no Centro para Astrofísica Jodrell Bank, da Escola de Física e Astronomia de Manchester, fazia parte de uma equipa internacional que incluía outros astrónomos de Manchester, do ASTRON e da Universidade de Amesterdão. A equipe realizou as observações usando o LOFAR (Low-Frequency Array), cujo núcleo está localizado na Holanda. 
As suas descobertas foram publicadas na revista The Astrophysical Journal. Os pulsares são estrelas de neutrões que giram rapidamente e que produzem radiação eletromagnética em feixes que emanam dos seus polos magnéticos. Estes "faróis cósmicos" nascem quando uma estrela massiva explode numa supernova. Depois de tal explosão, fica para trás uma "estrela de neutrões" superdensa e giratória com um diâmetro de apenas 20 quilómetros.
O pul…

A sequência de Hubble ao longo da história do universo

Esta imagem mostra "fatias" do Universo em diferentes épocas ao longo de sua história (dias atuais e 4 e 11 bilhões de anos atrás). Cada fatia vai mais para trás no tempo, mostrando como as galáxias de cada tipo aparecem. A forma é a do diagrama do diapasão de Hubble , que descreve e separa galáxias de acordo com sua morfologia em galáxias espiraladas (S), elípticas (E) e lenticulares (S0). À esquerda deste diagrama estão as elípticas, com lenticulares no meio e as espirais ramificadas no lado direito. As espirais no ramo de baixo têm barras cortando seus centros.
O Universo atual apresenta formas galácticas grandes, totalmente formadas e intricadas. À medida que avançamos no tempo, eles se tornam menores e menos maduros, já que essas galáxias ainda estão em processo de formação. Esta imagem é ilustrativa. as imagens de Hubble de galáxias próximas e distantes utilizadas foram selecionadas com base em sua aparência; suas distâncias individuais são apenas aproximadas. Crédito: N…

Os cientistas agora têm a imagem mais detalhada da fábrica de neutrinos dentro do nosso sol

O instrumento Borexino está aninhado nas profundezas dos montes Apeninos da Itália. Flashes de luz dentro de seu detector maciço revelam quando os neutrinos se chocam com elétrons. Ao compilar meticulosamente dados sobre essas colisões de elétrons com neutrinos ao longo de 10 anos, os cientistas criaram um dos instantâneos mais detalhados até o momento do coração ardente do sol. Crédito: Borexino
Por que o sol brilha?
Nossa estrela local constantemente esmaga átomos juntos dentro de sua barriga de fogo para produzir sua luz ardente. Mas como essa comoção interna está escondida sob as espessas camadas externas do sol, os cientistas têm poucas maneiras de aprender sobre o que acontece no âmago da estrela.
Mas ao coletar neutrinos - partículas minúsculas e fantasmagóricas que mal interagem com outras matérias e assim podem voar diretamente para fora do centro solar - os pesquisadores produziram um dos instantâneos mais detalhados já compilados do misterioso interior do sol.
"Estamos bas…

Telescópio Espacial Hubble retorna às operações científicas

O Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA retornou às operações normais na sexta-feira, 26 de outubro, e completou suas primeiras observações científicas no sábado, 27 de outubro. As observações foram da galáxia DSF2237B-1-IR distante e formadora de estrelas e foram tomadas em comprimentos de onda infravermelhos com a Wide Field Camera 3 . O retorno à condução da ciência vem após a recuperação bem-sucedida de um giroscópio de backup que substituiu um giroscópio três semanas antes.
Um dos giroscópios do Hubble falhou em 5 de outubro, e a equipe de operações da espaçonave ativou um giroscópio de backup no dia seguinte. No entanto, o backup retornou incorretamente as taxas de rotação que estavam muito acima das taxas reais. Na semana passada, a equipe de operações ordenou ao Hubble que realizasse numerosas manobras e trocasse o giroscópio entre diferentes modos operacionais, o que eliminou com sucesso o que se acreditava ser o bloqueio entre componentes dentro do giroscópio que produzia …

PHAETHON – Cometa ou Asteroide?

Um asteroide azul, bizarro que age como um cometa e parece ser o responsável pela Chuva de Meteoros Anual dos Geminídeos, fez um sobrevoo pela Terra em 2017, dando aos astrônomos uma oportunidade de estudar o objeto com detalhes sem precedentes. Eles descobriram que o asteroide é ainda mais estranho do que eles imaginavam.
O asteroide 3200 Phaethon é uma rocha espacial especial com uma coloração azulada rara e com uma órbita extremamente excêntrica que faz o objeto passar muito perto do Sol, e então passar na órbita de Marte. Uma órbita dele leva 1.4 anos terrestres. Esse tipo de órbita é mais comum para cometas do que para asteroides.
Mas, enquanto o Phaethon age como um cometa, ele não se parece com um. Quando os cometas chegam perto do Sol, eles formam uma coma e uma cauda de gás e poeira. O Phaethon, contudo sempre para como um pedaço de rocha flutuando no espaço.
Em 16 de Dezembro de 2017, o asteroide Phaethon passou bem perto da Terra, na verdade a passagem mais próxima desde 1974,…

Terra é cercada por nuvens de poeira espaciais

Esse satélite natural de poeira apareceria assim no céu se seu brilho fosse equivalente ao da Lua. [Imagem: G. Horváth]

Satélites de poeira
Uma equipe de astrônomos e físicos húngaros confirmou a existência de nuvens de poeira orbitando a Terra como se fossem "luas" extremamente tênues, em pontos gravitacionais semi-estáveis situados a apenas 400 mil quilômetros da Terra.
As nuvens, relatadas originalmente pelo astrônomo polonês Kazimierz Kordylewski em 1961, refletem pouquíssima luz, de forma que sua existência tem sido objeto de controvérsia entre os astrônomos.
O sistema Terra-Lua tem cinco pontos de estabilidade onde as forças gravitacionais da Terra e da Lua se equilibram, mantendo a posição relativa dos objetos ali localizados - são os pontos de Lagrange. Dois desses pontos, L4 e L5, formam um triângulo de lados iguais com a Terra e a Lua e se movem ao redor da Terra à medida que a Lua se move ao longo de sua órbita.
L4 e L5 não são completamente estáveis, sofrendo perturba…

O fantasma de Cassiopeia

A cercade 550 anos-luz de distância, na constelação de Cassiopeia, encontra-se a IC 63, uma nebulosa impressionante e ligeiramente sinistra. Também conhecido como o fantasma de Cassiopeia, o IC 63 está sendo moldado pela radiação de uma estrela vizinha imprevisivelmente variável, Gamma Cassiopeiae, que está corroendo lentamente a nuvem fantasmagórica de poeira e gás. Este fantasma celestial faz o cenário perfeito para a próxima festa de All Hallow's Eve - mais conhecida como Halloween.
A constelação de Cassiopeia , em homenagem a uma rainha vaidosa na mitologia grega, forma o facilmente reconhecível "W" no céu noturno. O ponto central do W é marcado por uma estrela dramática chamada Gamma Cassiopeiae . O notável Gamma Cassiopeiae é uma estrela variável subgigante branco-azulada que é circundada por um disco gasoso. Esta estrela é 19 vezes mais massiva e 65 000 vezes mais brilhante que o nosso Sol. Ele também gira a incrível velocidade de 1,6 milhão de quilômetros por hora…