Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2018

O que o LIGO nos ensina sobre buracos negros

A crescente contagem de eventos de ondas gravitacionais está nos dando um novo olhar para uma população de buracos negros antes invisível A concepção deste artista mostra dois buracos negros prestes a fundir, semelhantes aos detectados pelo LIGO. Nesta ilustração, os buracos negros estão orbitando um ao outro em um plano (anéis externos, para demarcação), mas são inclinados em relação a esse plano - em outras palavras, seus eixos de rotação não estão alinhados com o eixo orbital. Os dados do LIGO sugerem que pelo menos um buraco negro no sistema chamado GW170104 não estava alinhado dessa maneira antes de se fundir ao parceiro. Estado LIGO / Caltech / MIT / Sonoma (Aurore Simonnet)
Duas semanas atrás, cientistas anunciaram a detecção de quatro fusões de buracos negros , descobertas graças às ondulações que criaram no tecido do espaço-tempo. Estes últimos eventos trazem o número de tal quebra para 10. (Um dia 11 é a famosa colisão de estrelas de nêutrons duplos ).
Agora que entramos nos do…

Mais quatro objetos interestelares foram encontrados

Oumuamua foi o primeiro objeto interestelar detectado passando pelo Sistema solar, em outubro de 2018. Sua passagem pegou os cientistas de surpresa, e eles não conseguiram se preparar para coletar dados sobre ele. Mas na época, eles explicaram que provavelmente mais objetos desse tipo passariam em breve pela Terra, e agora quatro deles foram identificados. 
Usando modelos computacionais detalhados de objetos que parecem asteroides, entre o Sol e Júpiter, dois pesquisadores de Harvard descobriram pelo menos quatro objetos conhecidos que provavelmente têm origens de fora do nosso sistema solar.
Os co-autores Amir Siraj e Abraham Loeb acreditam que pode haver centenas de objetos do tamanho de Oumuama identificáveis por órbitas como a de objetos Centaur. Eles são uma população de corpos de tamanhos de asteroides, mas com composição parecida com cometas e que orbitam ao redor do Sol entre as orbitas de Júpiter e Netuno.
Os quatro objetos potencialmente interestelares 2011 SP25, 2017 RR2, 2017…

Descoberto corpo celeste mais distante no Sistema Solar

Concepção artística do 2018 VG18 - o Sol aparece à distância. [Imagem: Illustration by Roberto Molar Candanosa is courtesy of the Carnegie Institution for Science.]
Objeto mais distante no Sistema Solar
Astrônomos descobriram o corpo celeste mais distante já observado em nosso Sistema Solar. É o primeiro objeto do Sistema Solar detectado a uma distância maior do que 100 vezes a distância entre a Terra e o Sol - essa distância é conhecida como unidade astronômica (ua).
Catalogado provisoriamente como 2018 VG18, e apelidado de "Farout" (muito longe, em tradução livre) por sua localização extremamente distante, o provavelmente planeta-anão está localizado a cerca de 120 unidades astronômicas do Sol.
Seu brilho sugere que ele tem cerca de 500 km de diâmetro, o que provavelmente lhe dá uma forma esférica, o que o tornaria um planeta anão. Ele tem um tom rosado, uma cor geralmente associada a objetos ricos em gelo.
Como o 2018 VG18 está tão distante, ele orbita muito lentamente, provav…

Um novo exoplaneta do tamanho de Netuno

Imagem de Neptuno obtida pela sonda Voyager em comparação com uma impressão de artista do exoplaneta K2-263b.Crédito: NASA; exoplanetkyoto.org
As incríveis descobertas exoplanetárias feitas pelas missões Kepler e K2 permitiram aos astrónomos começar a entender a história da Terra e porque difere dos seus diversos primos exoplanetários. Dois quebra-cabeças ainda pendentes incluem as diferenças entre a formação e evolução de planetas pequenos rochosos e não-rochosos, e a razão porque parece haver uma lacuna de tamanho com pouquíssimos exoplanetas mais ou menos com duas vezes o tamanho da Terra (planetas com raios mais pequenos são provavelmente rochosos ou parecidos com a Terra em termos de composição).
Para estimar a composição de um exoplaneta, é necessária a sua densidade, exigindo uma medição de massa e tamanho. Embora o raio possa ser estimado a partir da forma da curva do trânsito do planeta quanto este passa em frente e bloqueia parte da luz da sua estrela, a massa é mais difícil d…

Estrela Vida e Morte

As estrelas não estão vivas e, no entanto, falamos de suas origens e fins como “nascimento e morte”. É uma maneira conveniente, embora fantasiosa, de descrever a relação, enfim, malfadada entre matéria e energia, que é uma estrela. A radioastronomia ajudou os astrônomos a explorar as histórias de vida das estrelas, e aqui está o que aprendemos até agora.
O núcleo de uma estrela anã pode fundir hidrogênio por bilhões de anos antes que sua atmosfera inferior comece a ferver. Ele incha em um gigante vermelho, em seguida, continua se expandindo até que seus gases externos se afastem. Deixou para trás um núcleo quente que não pode mais se fundir, chamado de anã branca. CRÉDITO: A. Angelich, NRAO / AUI / NSF; NASA, ESA e a Colaboração Hubble Heritage (STScI / AURA) -ES / Hubble
Tipos de estrelas
Diferentes tipos de estrelas “vivem” e “morrem” de maneiras diferentes com base em quanto começaram e se nasceram com irmãos próximos. A cor de uma estrela é um indicador de sua temperatura. As estrela…

Recém Chegada OSIRIS-REX já descobriu água no asteroide Bennu

Dados recentemente analisados da missão OSIRIS-REx (Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, Security-Regolith Explorer) da NASA revelaram água em argilas que compõem o seu alvo científico, o asteroide Bennu.
Durante a fase de aproximação da missão, entre meados de agosto e o início de dezembro, a sonda viajou 2,2 milhões de quilómetros na sua jornada da Terra para alcançar uma posição a 19 km de Bennu no dia 3 de dezembro. Durante esse tempo, a equipa de cientistas na Terra apontou três dos instrumentos da nave para Bennu e começou a fazer as primeiras observações científicas do asteroide. A OSIRIS-REx é a primeira missão da NASA de retorno de amostras de um asteroide.
Dados obtidos a partir de dois espectrómetros da sonda, o OVIRS (OSIRIS-REx Visible and Infrared Spectrometer) e o OTES (OSIRIS-REx Thermal Emission Spectrometer), revelaram a presença de moléculas que contêm átomos de oxigénio e hidrogénio ligados, conhecidos como "hidroxilos". A equipa suspe…

Estrelas Anãs Negras: O Fim (Teórico) da Evolução Estelar

O estágio final da evolução estelar para muitas estrelas é uma anã negra. Como não emitem calor ou luz, esses objetos seriam um desafio para detectar se existiam hoje. No entanto, anãs negras demoram quatrilhões de anos para se formar. Com menos de 14 bilhões de anos, o universo ainda é jovem demais para ter criado anãs negras. Uma  estrela da seqüência principal  que não tem a massa necessária para explodir em uma  supernova  se tornará uma  anã branca , uma estrela "morta" que queimou todo o seu hidrogênio e combustível de hélio. Mas a anã branca permanece quente por algum tempo, assim como um queimador de fogão ainda emite calor mesmo quando está desligado. Depois de um tempo extremamente longo, todo o calor restante será irradiado. Não mais emitindo calor ou luz, a anã branca se tornará uma anã negra. Porque não emite radiação, é quase impossível de ver. No entanto, a anã negra ainda manteria sua massa, permitindo aos cientistas detectar os efeitos produzidos por seu  camp…

Hubble encontra exoplaneta distante evaporando rapidamente

Impressão de artista que mostra uma nuvem gigante de hidrogénio oriunda de um planeta quente Crédito: NASA, ESA e D. Player (STScI)
A velocidade e a distância a que os planetas orbitam as suas respetivas estrelas pode determinar o destino de cada um - se permanece uma parte integrante do seu sistema solar ou se evapora mais rapidamente para o cemitério escuro do Universo. Na sua busca por aprender mais sobre planetas distantes para lá do nosso próprio Sistema Solar, os astrónomos descobriram que um planeta de tamanho médio, com aproximadamente o tamanho de Neptuno, de nome GJ 3470b, está a evaporar 100 vezes mais depressa do que um planeta previamente descoberto de tamanho similar, chamado GJ 436b.
As descobertas, publicadas ontem na revista Astronomy & Astrophysics, avançam o conhecimento dos astrónomos sobre a evolução planetária. Esta é a prova de que os planetas podem perder uma parte significativa de toda a sua massa," comenta David Sing, professor emérito da Universidade …

Sonda Parker, da NASA, tira primeira foto dentro da atmosfera do Sol

A imagem registrada no dia 8 de novembro mostra parte da atmosfera do Sol (Foto: NASA)
A Parker Solar Probe, sonda que a NASA enviou em agosto para "tocar" o Sol, já quebrou o recorde de a nave mais veloz que a humanidade já construiu, e está cumprindo o seu objetivo de chegar mais perto da nossa estrela do que nunca. Agora, a Parker nos presenteou com sua primeira fotografia registrada de dentro da atmosfera solar. Nos próximos sete anos, a sonda fará mais 24 aproximações do Sol, chegando a cerca de 6 milhões de quilômetros de sua superfície em sua aproximação máxima. No dia 6 de novembro, a Parker esteve a 24 milhões de km da superfície solar, o que é duas vezes mais próximo do Sol do que qualquer espaçonave anterior que já foi enviada por lá — no caso, a Helios, na década de 1970. Até o dia 7 de dezembro, a sonda estava no lado oposto do Sol em relação à Terra e, por isso, não estava transmitindo suas observações até então. Depois que a sonda rumou a uma região favorável às …

Explorando a natureza variável de R Aquarii

O sistemaR Aquarii consiste numa estrela binária simbiótica rodeada por uma enorme nebulosa dinâmica. Tais binários contêm duas estrelas em interação numa relação complexa e desigual — uma anã branca e uma gigante vermelha. Num ato inquietante de canibalismo estelar, a anã branca “engole” matéria da sua companheira maior. A gigante vermelha atormentada e a anã branca instável ejetam ocasionalmente matéria em estranhos jactos, arcos e rastros, dando origem às formas curiosas observadas nestas imagens.
Nesta imagem de comparação — um caso raro de evolução dinâmica capturada por telescópios colocados no solo — podemos ver a diferença que 15 anos podem fazer. Apesar de ser apenas um mero piscar de olhos à escala cósmica, o certo é que temos aqui a oportunidade ideal de observar um verdadeiro sistema dinâmico a mudar de forma no céu.
Estas imagens mostram a evolução não apenas de R Aquarii mas também das nossas capacidades observacionais. A imagem mais antiga foi obtida pelo Telescópio Óptic…

Fluido de massa negativa: nova teoria unifica matéria escura e energia escura em um único fenômeno

Uma nova teoria proposta por um cientista da Universidade de Oxford (Reino Unido) pode resolver uma das maiores questões da física moderna. A ideia é unificar a matéria escura e a energia escura em um único fenômeno: um fluido que possui “massa negativa”. Se você empurrasse tal massa negativa, ela aceleraria em sua direção.  A hipótese também se encaixa com uma previsão correta que Einstein fez há 100 anos. LambdaCDMNosso modelo atual e amplamente conhecido do universo, chamado LambdaCDM, não nos diz nada sobre como a matéria escura e a energia escura são fisicamente. Nós só sabemos que elas existem por causa dos efeitos gravitacionais que têm em outro tipo de matéria, observável. O novo modelo, teorizado pelo Dr. Jamie Farnes, oferece uma explicação alternativa. 
“Pensamos agora que tanto a matéria escura quanto a energia escura podem ser unificadas em um fluido que possui um tipo de ‘gravidade negativa’, repelindo todo o material ao seu redor. Embora este material seja peculiar para n…