Postagens

Mostrando postagens de 2019

Órbitas planetárias podem explicar o mistério do ciclo de 11 anos do sol

Imagem
As forças de maré de Vênus, Terra e Júpiter influenciam o ciclo de 11 anos do Sol. O Solar Dynamics Observatory da NASA capturou essa imagem de uma erupção solar da classe X que entrou em erupção na superfície do sol em 10 de setembro de 2017.(Imagem: © NASA / SDO / Goddard)

As órbitas de Vênus, Terra e Júpiter podem explicar o ciclo regular de 11 anos do Sol, sugere um novo estudo.
Uma equipe de pesquisadores do Helmholtz-Zentrum Dresden-Rossendorf (HZDR), um instituto de pesquisa em Dresden, na Alemanha, mostrou que os campos magnéticos desses três planetas influenciam o ciclo da atividade solar , resolvendo uma das maiores questões da física solar.
"Tudo aponta para um processo cronometrado", disse Frank Stefani, pesquisador do HZDR e principal autor do novo estudo, em um comunicado . "O que vemos é o paralelismo completo com os planetas ao longo de 90 ciclos".
Os pesquisadores compararam observações da atividade solar - como manchas solares, erupções solares e ejeçõ…

No caso de alguém precisar de esclarecimento, aqui está a definição da lua

Imagem
Por todo o dinheiro que estamos gastando, a NASA NÃO deveria estar falando sobre ir à Lua - Fizemos isso há 50 anos. Eles deveriam estar focados nas coisas muito maiores que estamos fazendo, incluindo Marte (da qual a Lua é uma parte), Defesa e Ciência! "
- Presidente Trump, em umtweet
Então, sim. . . há muito para descompactar aqui.
Primeiro, vamos dar crédito onde o crédito é devido: é um fato que os astronautas americanos pousaram na Lua há 50 anos (não importa o queos teóricos da conspiração digam ).
Mas o presidente pode querer dar outra olhada nadiretiva de política espacial queele assinou em seu primeiro ano no cargo, que dirigiu a NASA para retornar à superfície lunar. Ele também pode revero grande discurso que ovice-presidente Pence deu nesta primavera, no qual ele deu à NASA um prazo de cinco anos para a missão da Lua. E poderia valer a pena reexaminar a solicitação de seu governo de que oCongresso adicionasse US $ 1,6 bilhãoao orçamento da NASA para esse fim (talvez os ben…

Os elementos pesados da Terra nasceram em explosões de supernovas

Imagem
O ouro das nossas joias é de outro mundo - e isto não é apenas um elogio.
Numa descoberta que pode derrubar a nossa compreensão de onde os elementos pesados da Terra, como ouro e platina, vêm, uma nova investigação feita por um físico da Universidade de Guelph sugere que a maior parte destes materiais foram expelidos por um tipo de explosão estelar largamente negligenciada, bem longe no espaço e no tempo.
Cerca de 80% dos elementos pesados do Universo formaram-se provavelmente em colapsares, uma forma rara de explosão de supernova, mas rica em elementos pesados, após o colapso de estrelas massivas e velhas tipicamente 30 vezes mais massivas do que o nosso Sol, disse o professor de física Daniel Siegel.
Essa descoberta anula a ideia generalizada de que estes elementos vêm principalmente de colisões entre estrelas de neutrões ou entre uma estrela de neutrões e um buraco negro, explicou Siegel.
O seu trabalho, em coautoria com colegas da Universidade de Columbia, foi publicado na revista Nat…

Recente cratera de impacto em Marte

Imagem
Uma nova cratera em Marte, que apareceu em algum momento entre setembro de 2016 e fevereiro de 2019, aparece como uma mancha escura na paisagem nesta foto de alta resolução. (Imagem: © NASA / JPL / Universidade do Arizona)
Uma pequena rocha espacial colidiu com o Planeta Vermelho produzindo uma cratera estimada entre 15 e 16 metros de diâmetro.A nova cratera marciana foi registrada pelo Mars Reconnaissance Orbiter (MRO). Esse satélite artificial tem observado Marte por mais de 13 anos, utilizando sobretudo sua câmera de alta resolução, a HiRISE.
Uma foto feita pela HiRISE em abril de 2019, mas postada recentemente, mostra a formação esférica com tonalidades diferentes do relevo ao seu redor.Os pesquisadores ainda não sabem ao certo quando a cratera foi formada, ou seja, quando o meteorito caiu na superfície marciana, mas as estimativas apontam para um momento entre setembro de 2016 e fevereiro de 2019.
HiRISE detecta centenas de novas crateras em Marte a cada ano, mas essa está no topo d…

Campo magnético pode manter o buraco negro da Via Láctea relativamente calmo

Imagem
Linhas de fluxo que mostram os campos magnéticos sobrepostos a uma imagem a cores do anel de poeira que rodeia o buraco negro supermasisvo da Via Láctea. A estrutura azul em forma de Y é material quente que cai em direção ao buraco negro, localizado próximo do ponto onde os dois braços da figura em forma de Y se intersetam. As linhas revelam que o campo magnético segue a forma da estrutura empoeirada. Cada dos braços azuis tem o seu próprio campo que é totalmente distinto do resto do anel, visto em rosa. Crédito: poeira e campos magnéticos - NASA/SOFIA; imagem do campo estelar - NASA/Telescópio Espacial Hubble
Existem buracos negros supermassivos no centro da maioria das galáxias, e a nossa Via Láctea não é exceção. Mas muitas outras galáxias têm buracos negros altamente ativos, o que significa que está a cair neles muito material, emitindo radiação altamente energética neste processo de "alimentação". O buraco negro central da Via Láctea, por outro lado, está relativamente c…

10 coisas que você deve saber sobre Defesa Planetária

Imagem
Imagens de radar do NEO (objeto próximo à Terra) 2003 SD220.[Imagem: NASA/JPL-Caltech/GSSR/NSF/GBO]
1. Por que os asteroides colidem com a Terra? Esses objetos orbitam o Sol exatamente como os planetas, como vêm fazendo há bilhões de anos, mas pequenos efeitos, como os "esbarrões" gravitacionais dos planetas, podem afetar suas órbitas, fazendo com que eles mudem gradualmente em escalas de tempo de mais de um milhão de anos, ou se reposicionem abruptamente se houver um encontro planetário próximo. Ao longo do tempo, suas órbitas podem cruzar o caminho da Terra ao redor do Sol. Durante os milênios, quando um asteroide está em uma órbita que cruza a Terra, é possível que o asteroide e a Terra se encontrem no mesmo lugar ao mesmo tempo. Então acontece a colisão. Mas mesmo a Terra é relativamente pequena em comparação com o tamanho das órbitas dos asteroides, e é por isso que os impactos de asteroides são tão raros. 2. Há esse risco na atualidade? Nem sempre soubemos que os impactos de…

Descobertos de "Quasares Frios"

Imagem
Impressão de artista que ilustra um quasar energértico que limpou o centro da sua galáxia de gás e poeira, e os ventos estão agora a propagar-se para os arredores. Em pouco tempo não haverá mais gás e poeira, permanecerá apenas um quasar luminoso azul.Crédito: Michelle Vigeant
Durante a 234.ª reunião da Sociedade Astronómica Americana em St. Louis, Allison Kirkpatrick, professora assistente de física e astronomia da Universidade do Kansas, anunciou a sua descoberta de "quasares frios" - galáxias com abundância de gás frio que ainda podem produzir novas estrelas apesar de terem um quasar no centro. A descoberta revolucionária subverte suposições sobre a maturação de galáxias e pode representar uma fase do ciclo de vida de todas as galáxias, desconhecida até agora.
Um quasar, ou "fonte de rádio quase estelar", é essencialmente um buraco negro supermassivo em esteroides. O gás que cai em direção a um quasar no centro de uma galáxia forma um "disco de acreção",…

Oceano da lua Europa é salgado assim como os oceanos da Terra, diz estudo

Imagem
Um novo estudo sobre o oceano subterrâneo da lua Europa, de Júpiter, indica que essas águas ainda tão misteriosas podem ser mais parecidas com os oceanos da Terra do que imaginávamos. É que, de acordo com os pesquisadores, o oceano de Europa é salgado assim como os terrestres.
O oceano subterrâneo de Europa tem bastante sais de sulfato, sendo que tal oceano abriga cerca de duas vezes mais água do que todos os mares da Terra reunidos. Agora, contando com o telescópio espacial Hubble, os cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia detectaram a provável presença de cloreto de sódio por lá — a mesma substância que compõe o sal de cozinha que usamos no dia a dia.
"Se esse cloreto de sódio é realmente reflexo da composição interna [de Europa], então [seu oceano] pode ser mais parecido com a Terra do que costumávamos pensar", disse Samantha Trumbo, autora principal do estudo em questão.
Para a descoberta, a equipe procurou sinais de cloreto de sódio na superfície de Europa, po…

Diretamente de um planeta distante: Pistas espectrais de intrigante paradoxo

Imagem
Impressão de artista de vários planetas gigantes gasosos em órbita de uma jovem estrela que tem um disco protoplanetário remanescente. Dado que o disco remanescente de CI Tau está ligeiramente inclinado, mais ou menos idêntico ao que vemos na imagem, os astrónomos conseguiram medir diretamente a luz tanto da estrela quanto do seu íntimo planeta CI Tau b.Crédito: NASA/JPL-Caltech/T. Pyle
CI Tau b é um planeta paradoxal, mas uma nova investigação sobre a sua massa, brilho e monóxido de carbono na sua atmosfera está a começar a responder a perguntas sobre como um planeta tão grande pode ter-se formado em torno de uma estrela com apenas 2 milhões de anos.
Num encontro da Sociedade Astronómica Americana que decorreu na passada segunda-feira em St. Louis, EUA, os astrónomos Christopher Johns-Krull da Universidade Rice e Lisa Prato do Observatório Lowell apresentaram descobertas de uma análise espectroscópica no infravermelho próximo, ao longo de quatro anos, de CI Tau b, um exoplaneta gigante…

Astrônomos brasileiros descobre 3 novos aglomerados globulares que podem contar a história da Via Láctea

Imagem
Três aglomerados globulares de estrelas, velhos e pobres em metal foram registrados no bulbo galáctico. Os aglomerados recém-descobertos são designados de Camargo 1107, 1108 e 1109, e podem oferecer pistas sobre a estrutura e a natureza da região central da nossa galáxia. As descobertas foram publicadas num artigo no renomado periódico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society e foi escrito por um brasileiro, o grande Denilson Camargo, um especialista na detecção e estudo dos aglomerados globulares.
Os aglomerados globulares são coleções de estrelas bem empacotadas e que possuem uma forma globular. Os astrônomos usam os aglomerados globulares como laboratórios naturais para estudar a evolução das estrelas e das galáxias. Dado que os aglomerados globulares são relativamente raros, para você ter uma ideia existem cerca de 200 identificados na Via Láctea, a busca para identificar novos objetos desse tipo é essencial para melhorar o nosso entendimento da galáxia.
Recentemente, Denil…

Missão espacial TESS descobre cinco estrelas raras

Imagem
Variações de brilho da estrela roAp TIC 237336864, observada pelo satélite TESS. O brilho da estrela varia com duas escalas de tempo diferentes. A variação do brilho na escala mais longa (cerca de 4,2 dias), representada no gráfico principal, permite identificar o período de rotação e resulta da passagem de manchas químicas pela linha de visão do observador, à medida que a estrela roda. No destaque vê-se a variação do brilho na escala mais curta (cerca de 7,4 minutos), resultante das sucessivas expansões e contrações da estrela que se repetem com o período característico das oscilações desta estrela.Crédito: Daniel Holdsworth (Instituto Jeremiah Horrocks, U. de Central Lancashire)
Uma equipe internacional, liderada pela investigadora do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) Margarida Cunha, recorreu a técnicas asterossísmicas para procurar oscilações num subgrupo de cinco mil estrelas, entre as 32 mil observadas em cadência curta nos primeiros 2 setores (aproximadamente, o…

Ventos poderosos produzidos por um buraco negro supermassivo

Imagem
Os ventos de um buraco negro "varrem" o gás das galáxias.Crédito: ESA/ATG medialab
Os buracos negros supermassivos nos centros de muitas galáxias parecem ter uma influência básica nas suas evoluções. Isto acontece durante uma fase em que o buraco negro está a consumir o material da galáxia em que reside a uma grande velocidade, crescendo em massa ao fazê-lo. Durante esta fase, dizemos que a galáxia tem um núcleo ativo (AGN, "active galactic nucleus).
O efeito que esta atividade tem sobre a galáxia hospedeira é conhecido como feedback AGN e uma das suas propriedades são os ventos galácticos: este é o gás do centro da galáxia que é expelido pela energia libertada pelo núcleo ativo. Estes ventos podem atingir velocidades de até milhares de quilómetros por segundo e nos AGNs mais energéticos, por exemplo, nos quasares, podem limpar os centros das galáxias impedindo a formação de novas estrelas. Mostrou-se que a evolução da formação estelar ao longo de escalas de tempo cosmoló…