Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2019

O começo do fim para o aglomerado de estrelas de Hyades

Novas medições do satélite Gaia da Agência Espacial Européia mostram que as jovens estrelas do aglomerado de Hyades estão começando a se afastar. Cinco estrelas brilhantes compõem o "V" das Hyades. (O gigante Aldebaran é na verdade uma estrela em primeiro plano.) Bob King
Olhe para cima no céu da noite esses dias e você verá um impressionante punhado de estrelas em forma de V conhecidas como Hyades - nomeadas pelas filhas de Atlas e irmãs das Plêiades mais famosas. É o mais próximo aglomerado de estrelas conhecido, a 150 anos-luz da Terra, e contém um tesouro de observações de prazeres, como Bob King escreveu algumas semanas atrás.
As estrelas das Hyades têm "apenas" centenas de milhões de anos de idade - jovens em termos astronômicos -, de modo que lançam luz sobre o passado de nossa própria estrela. O Sol também nasceu em um agrupamento, cercado por seus irmãos estelares. Todos eles se formaram na mesma nuvem de poeira e gás antes que o tempo os separasse. Agora, as…

Astrônomos estudam novo tipo misterioso de explosão cósmica

Quando os astrônomos descobriram uma explosão cósmica em uma galáxia a cerca de 200 milhões de anos-luz da Terra em 16 de junho passado, logo perceberam que era algo diferente. Enquanto ainda debatem os detalhes, os cientistas agora acreditam que podem ter tido seu primeiro vislumbre do nascimento de um poderoso fenômeno visto em todo o Universo.
A explosão foi descoberta pelo sistema de pesquisa ATLAS em todo o céu no Havaí e imediatamente chamou a atenção dos astrônomos. Primeiro, era excepcionalmente brilhante para uma explosão de supernova - uma fonte comum de tais explosões. Além disso, ele se iluminou e desapareceu muito mais rápido do que o esperado.
Meio ano depois, “apesar de ser um dos eventos cósmicos mais intensamente estudados da história, observado por astrônomos em todo o mundo, ainda não sabemos o que é”, disse Anna Ho, da Caltech, que liderou uma equipe usando o Atacama Large Millimeter / submillimeter Array (ALMA), no Chile, entre outros telescópios. O objeto, apelidad…

ALMA diferencia dois sinais de nascimento de uma única estrela

Imagem do ALMA da protoestrela MMS5/OMC-3. A protoestrela está localizada no centro e os fluxos de gás são ejetados para leste e oeste (esquerda e direita). O fluxo surge em cor laranja e o jato rápido em azul. Como se pode ver, os eixos do fluxo e do jato estão desalinhados. Créditos: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO), Matsushita et al.
Os astrónomos revelaram as origens enigmáticas de duas diferentes correntes de gás a sair de uma estrela bebé. Com a ajuda do ALMA, descobriram que o fluxo lento e o jato de alta velocidade que saem da protoestrela apresentam eixos não alinhados e que o primeiro começou a ser ejetado antes do segundo. As origens destes dois fluxos têm sido um mistério, mas estas observações dão sinais reveladores de que as duas correntes foram lançadas a partir de diferentes partes do disco em torno da protoestrela.
As estrelas têm uma ampla gama de massas, variando de centenas de vezes até menos de um décimo da massa do Sol. Para compreenderem a origem desta diversidade, os astróno…

Novas imagens de Ultima Thule

As imagens mais detalhadas de Ultima Thule - obtidas minutos antes da maior aproximação da sonda às 05:33 de dia 1 de janeiro - têm uma resolução de aproximadamente 33 metros por pixel. Crédito: NASA/Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins/SwRI, NOAO
Era uma meta opcional - pouco antes da maior aproximação, apontar com precisão as câmaras da sonda New Horizons da NASA para tirar as fotos mais nítidas possíveis do objeto da Cintura de Kuiper apelidado de Ultima Thule, o seu alvo de Ano Novo e o objeto mais distante alguma vez explorado. Agora que a New Horizons enviou essas imagens armazenadas para a Terra, a equipa pode confirmar com entusiasmo que a sua ambiciosa meta foi alcançada.
Estas novas imagens de Ultima Thule - obtidas pelo instrumento LORRI (Long-Range Reconnaissance Imager) apenas seis minutos e meio antes da maior aproximação da New Horizons ao objeto (com designação oficial 2014 MU69) às 05:33 (hora portuguesa) de dia 1 de janeiro de 2019 - têm uma res…

Anã branca antiga com anéis chama a evolução do sistema estelar em questão

Uma ilustração da recém-descoberta anã branca e seu sistema de anéis (Crédito: Goddard Space Flight Center da NASA / Scott Wiessinger )
Normalmente, espiar profundamente o espaço permite aos astrônomos ver o passado distante, mas uma nova descoberta nos deu um vislumbre do futuro do nosso sistema solar. Um projeto de cientista cidadão liderado pela NASA descobriu uma antiga anã branca cercada por grandes anéis, que está agitando nossa compreensão de como esses sistemas se formam.
Oficialmente conhecida como LSPM J0207 + 3331 (ou apenas J0207), a anã branca está a cerca de 145 anos-luz da Terra, na constelação de Capricórnio. Descobriu-se que estava fervilhando a cerca de 5.800 ° C (10.500 ° F), o que indica que a estrela tem cerca de 3 bilhões de anos.
Mas a coisa mais interessante sobre isso é, obviamente, seus anéis. A missão WISE da NASA captou um forte sinal infravermelho em torno de J0207, o sinal revelador de dois discos empoeirados ao redor da estrela. Embora não seja a primeira a…

NASA seleciona experimentos para possíveis voos lunares em 2019

A NASA selecionou 12 cargas de demonstração de ciência e tecnologia para voar até a Lua no final deste ano, dependendo da disponibilidade de plataformas comerciais. Essas seleções representam um passo inicial em direção ao estudo científico de longo prazo da agência e à exploração humana da Lua e, mais tarde, de Marte. "A Lua tem um valor científico único e o potencial de gerar recursos, como água e oxigênio", disse o administrador da Nasa, Jim Bridenstine. "Sua proximidade com a Terra torna especialmente valioso como campo de testes para exploração espacial mais profunda." A Diretoria de Missão Científica da NASA (SMD) iniciou a solicitação de propostas que levaram a essas seleções como o primeiro passo para alcançar uma variedade de objetivos científicos e tecnológicos que poderiam ser alcançados enviando regularmente instrumentos, experimentos e outras pequenas cargas à Lua. "Este anúncio de seleção de carga útil é o próximo passo emocionante em nosso caminho …

Numa colisão galáctica, um pequeno objeto brilha intensamente

Fontes verdes e brilhantes de raios-X captadas pela missão NuSTAR da NASA sobrepostas sobre uma imagem ótica da galáxia do Redemoinho (no centro da imagem) e da sua galáxia companheira, M51b (a região branca-esverdeada por cima do Redemoinho), obtida pelo SDSS (Sloan Digitized Sky Survey).Crédito: NASA/JPL-Caltech, IPAC
Na vizinha Galáxia do Redemoinho, e na companheira M51b, dois buracos negros supermassivos aquecem e devoram o material circundante. Estes dois monstros deviam ser as fontes de raios-X mais luminosas do campo de visão, mas um novo estudo usando observações da missão NuSTAR (Nuclear Spectroscopic Telescope Array) da NASA mostra que um objeto muito mais pequeno está a competir com os dois gigantes.
As características mais impressionantes da Galáxia do Redemoinho - conhecida oficialmente como M51a - são os dois longos "braços" cheios de estrelas que se enrolam em torno do centro galáctico como fitas. A muito mais pequena M51b agarra-se como um perceve à beira do R…

Astrônomos encontram novo exoplaneta em constelação vizinha

Uma equipe de astrônomos encontrou um novo exoplaneta, o terceiro mais próximo do Sistema Solar, que é três vezes maior que a Terra.  Segundo a Universidade de Genebra (UNIGE), um dos principais objetivos da Astronomia é estudar as atmosferas dos exoplanetas, principalmente daqueles que são semelhantes à Terra. Mas isso é especialmente difícil se o planeta for pequeno.
"Nos próximos anos, as observações que permitam a análise das atmosferas de exoplanetas semelhantes à Terra só serão possíveis se o exoplaneta estiver perto de nós", explicou Nathan Hara, pesquisador do departamento de astronomia da UNIGE.

O novo exoplaneta, GI411b, orbita em torno da estrela GI411, localizada a oito anos-luz do nosso Sistema Solar, na constelação Ursa Maior, conforme o portalSWIDurante a pesquisa que resultou na descoberta do GI411b, os astrônomos utilizaram o espectrógrafo SOPHIE, desenvolvido parcialmente pela UNIGE.
Ao medir com precisão a velocidade da estrela GI411 em 155 ocasiões ao long…

O vento estelar de estrelas antigas revela a existência de um parceiro

Graças a novas observações do telescópio ALMA no Chile, ficou claro que o vento estelar dessa gigante vermelha forma uma espiral. Esta é uma indicação indireta de que a estrela não está sozinha, mas parte de uma estrela binária. Crédito: ALMA (ESO / NAOJ / NRAO) / L. Decin et al.
Gigantes vermelhos são velhas estrelas que ejetam material gasoso e partículas sólidas através de um vento estelar. Alguns gigantes vermelhos pareciam perder uma quantidade excepcionalmente grande de massa dessa maneira. No entanto, novas observações revelam que este não é bem o caso. O vento estelar não é mais intenso do que o normal, mas é afetado por um parceiro que foi negligenciado até agora - uma segunda estrela que circula a gigante vermelha. Estes são os resultados de um estudo internacional liderado pela universidade belga KU Leuven. Os humanos não vivem o suficiente para observá-lo, mas as  nascem, envelhecem e morrem. É um processo que leva bilhões de anos. À medida que uma estrela envelhece,…

Imagem do dia - SPECULOOS vê uma leve espiral

A fina galáxia espiral NGC 6902 brilha fracamente no espaço profundo nesta imagem de "primeira luz" do novo SPECULOOS Southern Observatory do Observatório Europeu do Sul, um conjunto de quatro telescópios no deserto de Atacama no Chile. Embora o SPECULOOS tenha sido construído para procurar por exoplanetas em volta de estrelas fracas em nossa vizinhança galáctica, um de seus telescópios foi aperfeiçoado nesta galáxia espiral para sua primeira observação. NGC 6902 está localizado a cerca de 120 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Sagitário. "Se isto é o que Ganymede pode produzir como sua primeira observação de algo que nem sequer foi projetado para a imagem, temos muito o que esperar", disseram autoridades do ESO em um comunicado . - Hanneke Weitering. Fonte: Space.com

Um exoplaneta com uma órbita de 11 horas

Uma concepção de artista do TESS, o Transiting Exoplanet Survey Satellite, lançado no ano passado para procurar planetas além do sistema solar. Astrônomos anunciaram que a TESS havia encontrado um exoplaneta de "Terra quente" ultra-curto em torno de uma estrela próxima. Crédito: MIT

A missão Transiting Exoplanet Survey Satellite, TESS da NASA, que foi lançada em 18 de Abril de 2018, com o objetivo primário de descobrir através da técnica do trânsito, exoplanetas menores que Netuno ao redor de estrelas brilhantes o suficiente para que se possa fazer investigações espectroscópicas de suas massas e atmosferas. Antes da TESS nós conhecíamos aproximadamente 385 exoplanetas conhecidos com massa menor que a massa de Netuno, com períodos orbitais que variam de menos de meio dia até cerca de 2 anos terrestres.
Um grupo de astrônomos do CfA e da equipe de colaboradores da TESS reportou  que a missão descobriu um exoplanetas do tipo Terra quente, rochoso em composição, e localizado a apr…

Galáxias ultraluminosas: o que são?

Observadas pela primeira vez na década de 1980, as galáxias ultraluminosas infravermelhas (ULIRGs, na sigla em inglês) são, como o nome sugere, o tipo mais luminoso de galáxia conhecido. O que são galáxias ultraluminosas?Tais estruturas despertam a curiosidade dos astrônomos até hoje. Como se formaram, afinal? Duas hipóteses foram criadas pouco depois da descoberta: a primeira, de 1988, sugere que essas galáxias seriam uma fase evolutiva de quasares (corpos astronômicos de alta energia, muito maiores que estrelas, mas menores do que galáxias); a segunda, de 1998, propõe que são fruto da fusão de várias galáxias.
Observações mais recentes reforçam esta última hipótese. Usando equipamentos específicos, astrônomos analisaram a galáxia ultraluminosa Arp 220 e encontraram um par de “caudas” (formadas por estrelas e gases interestelares) com 50 mil anos-luz de comprimento. Estudando as propriedades luminosas dessa estrutura, eles concluíram que Arp 220 é resultado da fusão de pelo menos quatr…