Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2019

O gigante no nosso quintal cósmico

Imagem
O centro da nossa Galáxia, a Via Láctea, só é visível aos radiotelescópios. O buraco negro supermassivo no seu núcleo brilha no rádio rodeado por anéis de gás e poeira de remanescentes de supernova e arcos de material apanhados nos fortes campos magnéticos do núcleo. Esta imagem gigantesca é uma composição de várias observações obtidas pelo VLA (Very Large Array).Crédito: NRAO/NAUI/NSF
Recentemente, foram combinados vários observatórios rádio para formar o GMVA (Global mm-VLBI Array), uma poderosa ferramenta que sondou a região perto do buraco negro supermassivo da nossa Galáxia. Foram produzidas imagens curiosas desta região, brilhando intensamente no rádio. Estas observações, que envolveram três radiotelescópios norte-americanos - VLA, VLBA e GBT - são um passo importante para a observação do horizonte de eventos de um buraco negro. Aqui fica a história desta investigação até agora.
Há um gigante no nosso "quintal cósmico". Sabemos que lá está, mas nunca ninguém o viu. É um …

Uma Galáxia Espiral Starburst

Imagem
Conheça o Messier 100, uma galáxia espiral chamada "grand design" com braços brilhantes e bem definidos que se enroscam em torno de seu núcleo galáctico. Localizado a cerca de 60 milhões de anos-luz da Terra na constelação Coma Berenices, o Messier 100 é uma conhecida galáxia "starburst" que serve como berçário estelar para ondas de formação de novas estrelas. Astrônomos usaram o Atacama Large Millimeter / submilimetro Array (ALMA) no Chile para capturar essa nova visão do Messier 100 como parte de um censo astronômico chamado Physics at High Resolution em Angular GalaxieS (PHANGS). - Hanneke Weitering. Fonte: Space.com

INSIGHT Captura áudio do seu primeiro sismo marciano

Imagem
O módulo InSight da NASA mediu e registou, pela primeira vez, um provável sismo marciano.
O fraco sinal sísmico, detetado pelo instrumento SEIS (Seismic Experiment for Interior Structure) do "lander", foi registado no dia 6 de abril, o 128.º dia marciano do módulo, ou sol. Este é o primeiro tremor registado que parece ter vindo de dentro do planeta, em oposição a ser provocado por forças acima da superfície, como o vento. Os cientistas ainda estão a examinar os dados para determinar a causa exata do sinal.
"As primeiras leituras do InSight continuam a ciência que começou com as missões Apollo da NASA," disse Bruce Banerdt, investigador principal do Insight no JPL da NASA em Pasadena, no estado norte-americano da Califórnia. "Temos estado, até agora, a recolher ruído de fundo, mas este primeiro evento oficialmente dá início a um novo campo: sismologia marciana!"
O novo evento sísmico foi pequeno demais para fornecer dados sólidos sobre o interior marciano, qu…

Os buracos negros e o fim do tempo

Imagem
Esta é a imagem mais importante da história. E não é pelo que todo mundo diz.
Não é justo que buracos negros sejam famosos por engolir luz. É como se lembrar de Albert Einstein como um bom violinista – coisa que ele era mesmo; Elsa, sua segunda esposa, disse ter se apaixonado pelo maior físico da história depois que ele “tocou Mozart no violino de forma maravilhosa”. Buracos negros têm de fato uma gravidade absurda o bastante para fazer com raios de luz aquilo que o ralo da pia do seu banheiro faz com a água da torneira. “Gravidade”, vale lembrar, não é exatamente uma força. Ela é a forma como sentimos distorções no espaço – não no espaço sideral, mas no “espaço” à nossa volta mesmo, aquele composto por uma dimensão de comprimento, uma de altura e uma de largura. Um objeto com massa – seja um alfinete, seja a Terra, seja o Sol – entorta o “tecido do espaço”. Um raio de luz vindo de alguma estrela acaba desviado pela gravidade do Sol, pois é o próprio espaço pelo qual a luz se propaga que…

Astrônomos encontram estrelas transmitindo do maior aglomerado globular de nossa galáxia

Imagem
Astrônomos descobriram um fluxo de estrelas retiradas do Omega Centauri, o maior e mais brilhante aglomerado globular ao redor da Via Láctea - e talvez uma galáxia anã. Ao redor da Via Láctea existem mais de 150 aglomerados globulares , antigas cidades estelares com centenas de milhares de habitantes compactos. A maioria desses aglomerados pode ser encontrada no halo quase vazio da galáxia; é provável que eles se formaram antes da nossa galáxia. Mas um desses não é como os outros. Uma visão do icônico aglomerado globular Omega Centauri. ESO / INAF-VST / OmegaCAM; Reconhecimento: A. Grado, L. Limatola / Observatório INAF-Capodimonte Omega Centauri(NGC 5139, ou Omega Cen) é extraordinariamente brilhante, massivo e enorme: 10 milhões de estrelas se espremem em uma esfera de cerca de 150 anos-luz de largura. O que mais intrigam os astrônomos, porém, é que suas estrelas apareçam em pelo menos três populações distintas, sugerindo que o aglomerado se reuniu ao longo de bilhões de anos em vez de…

Físicos medem o vácuo pela primeira vez

Imagem
A física é o campo da ciência que estuda as propriedades da matéria e da energia – ou seja, tudo que existe, e tudo, nesse caso, inclui até mesmo o nada. O vazio não é realmente vazio de acordo com as leis da física quântica. O vácuo, no qual classicamente supõe-se que não haja literalmente “nada”, está repleto de coisas chamadas flutuações do vácuo – pequenas alterações de um campo eletromagnético, por exemplo, que geralmente chegam a zero com o tempo, mas podem se desviar disso por um breve momento.
Para alguns físicos, medir o espectro de pequenas ondas que compõem o espaço vazio que chamamos de vácuo é uma meta há décadas, mas até agora não havia uma boa maneira de fazer isso. Isso mudou nesta semana, quando físicos da ETH Zurich usaram habilmente pulsos de laser para entender a natureza quântica de um vácuo, estabelecendo um marco nas tentativas de medir o nada absoluto.
“As flutuações do campo eletromagnético no vácuo têm consequências claramente visíveis e, entre outras coisas, s…

Como os cientistas capturaram a primeira imagem de um buraco negro

Imagem
Os cientistas obtiveram a primeira imagem de um buraco negro, usando observações do EHT (Event Horizon Telescope) do centro da galáxia M87. A imagem mostra um anel brilhante formado à medida que a luz é curvada sob a intensa gravidade em redor de um buraco negro 6,5 mil milhões de vezes mais massivo do que o Sol.Crédito: Colaboração EHT
Nas notícias
Alcançando o que antes era considerado impossível, uma equipa internacional de astrónomos capturou uma imagem da silhueta de um buraco negro. As evidências da presença de buracos negros - lugares misteriosos no espaço onde nada, nem mesmo a luz, pode escapar - já existem há algum tempo, e os astrónomos há muito que observam os efeitos destes fenómenos nos seus arredores. Na imaginação popular, pensava-se que a captura de uma imagem de um buraco negro era impossível porque uma imagem de algo a partir do qual nenhuma luz pode escapar pareceria completamente escura. 
Para os cientistas, o desafio era o modo como, a partir de milhares ou até milh…

Telescópio Hubble divulga imagem inédita de nebulosa do Caranguejo do Sul

Imagem
O telescópio Hubble divulgou nesta quinta-feira (18) uma imagem inédita da nebulosa do Caranguejo do Sul para comemorar seus 29 anos no espaço.
A nebulosa é um dos muitos objetos que o Hubble desmistificou ao longo dos anos no espaço. Segundo o comunicado da Nasa e da Agência Europeia Espacial (ESA, na sigla em inglês), a nova imagem aumenta a compreensão sobre a nebulosa e demonstra as capacidades continuadas do telescópio.
Todo ano, para comemorar seu “aniversário”, o telescópio divulga uma nova imagem de seus objetos de estudo no espaço que sejam bonitos e significativos.
Par de estrelas forma a nebulosa
A nebulosa do Caranguejo do Sul tem estruturas aninhadas em formato de ampulheta e foi criada pela interação entre um par de estrelas no seu centro. O par desigual consiste em uma estrela gigante vermelha e uma estrela anã branca.
Uma estrela anã é pequena para ser qualificada como estrela, ou seja, tem massa menor e raio inferior às gigantes. É o tipo mais comum e o Sol é uma estrela a…

Radiotelescópio Bingo vai estudar geometria do Universo

Imagem
A torre de cornetas do radiotelescópio. [Imagem: Graciele Almeida de Oliveira/Bingo] Diamante do Sertão O Diamante do Sertão vai desvendar segredos do Universo depositado sobre uma mina de ouro. Não parece um começo adequado para um artigo sobre ciências, mas não há metáforas profundas nesta descrição do Bingo, um radiotelescópio que está sendo construído no Brasil por um consórcio que conta ainda com África do Sul, China, Estados Unidos, França, Portugal, Reino Unido e Uruguai. O apelido de Diamante do Sertão foi dado porque o observatório será instalado na Serra do Urubu, na cidade de Aguiar, no sertão da Paraíba, longe das metrópoles e das fontes de poluição eletromagnética. E, para "limpar" ainda mais o ambiente, o radiotelescópio está sendo construído na cava deixada por uma mina abandonada de ouro. Mais ou menos do tamanho de um campo de futebol, o Bingo será maior do que o Rádio Observatório do Itapetinga (ROI), atualmente o principal radiotelescópio do Brasil. Além das par…

MESSIER 75

Imagem
Crédito:ESA/Hubble & NASA, F. Ferraro et al.

Essa explosão brilhante de estrelas é conhecida como Messier 75. O Messier 75 é mais um aglomerado globular de estrelas fotografado pelo Telescópio Espacial Hubble. Um aglomerado globular de estrelas é uma coleção esférica de estrelas que fica unida pela gravidade. Aglomerados como esse, orbitam as galáxias e normalmente residem nas áreas externas e menos populosas onde eles ser reunem para formar densas comunidades nos subúrbios galácticos.
O Messier 75 está localizado na constelação de Sagitário, a aproximadamente 67 mil anos-luz de distância da Terra. A maior parte das cerca de 400 mil estrelas do aglomerado são encontradas no núcleo do objeto. O Messier 75 é um dos aglomerados globulares mais densamente povoados de estrelas, com uma luminosidade de cerca de 180 mil vezes a luminosidade do Sol. Esse é um dos motivos pelo qual ele seja tão fotogênico!!!
O Messier 75 foi descoberto em 1780 por Pierra Méchain, e foi também observado por Ch…

Descoberto, finalmente, o primeiro tipo de molécula do univero

Imagem
Ilustração da nebulosa planetária NGC 7027 e das moléculas de hidreto de hélio. Nesta nebulosa planetária, o SOFIA detetou hidreto de hélio, uma combinação de hélio (vermelho) e hidrogénio (azul), que foi o primeiro tipo de molécula a formar-se no Universo primitivo. Esta é a primeira vez que o hidreto de hélio foi descoberto no Universo moderno.Crédito: NASA/SOFIA/L. Proudfit/D.Rutter
O primeiro tipo de molécula que se formou no Universo foi detetado no espaço pela primeira vez, após década de pesquisa. Os cientistas descobriram a sua assinatura na nossa própria Galáxia usando o maior observatório aerotransportado do mundo, o SOFIA (Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy) da NASA, enquanto o avião voava bem acima da superfície da Terra e apontava os seus instrumentos sensíveis para o cosmos.
Quando o Universo era ainda muito jovem, só existiam apenas alguns tipos de átomos. Os cientistas pensam que cerca de 100.000 anos após o Big Bang, o hélio e o hidrogénio combinaram-se pa…

Descoberta! 3º planeta encontrado no sistema estelar de duas estrelas 'Tatooine'

Imagem
Conheça o Kepler-47d, um planeta inchado que fica a 3.340 anos-luz da Terra. Ilustração do artista dos três planetas e duas estrelas no sistema Kepler-47, que fica a 3.340 anos-luz da Terra.(Imagem: © NASA / JPL-Caltech / T. Pyle)
O único sistema conhecido de multiplataforma "Tatooine" ficou ainda mais interessante. Um terceiro mundo se esconde no sistema Kepler-47 de duas estrelas , e é maior do que os dois irmãos descobertos anteriormente, segundo um novo estudo.
"Certamente não esperávamos que fosse o maior planeta do sistema", disse William Welsh, astrônomo da Universidade Estadual de San Diego (SDSU), em uma declaração. "Isso foi quase chocante."
O Kepler-47 é um sistema de aproximadamente 3,5 bilhões de anos localizado a 3.340 anos-luz da Terra. Uma de suas estrelas é bastante parecida com o sol, mas a outra é consideravelmente menor, abrigando apenas um terço da massa do nosso sol. As duas estrelas orbitam seu centro de massa comum a cada 7,45 dias ter…