Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2019

Missão TESS completa primeiro ano de observações

O satélite TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA descobriu 21 planetas para lá do nosso Sistema Solar e capturou dados sobre outros eventos interessantes ocorridos no céu do hemisfério sul durante o seu primeiro ano de ciência. O TESS voltou agora a sua atenção para o hemisfério norte para completar a mais abrangente expedição de caça exoplanetária já realizada.
O TESS começou a caçar exoplanetas (ou mundos em órbita de estrelas distantes) no céu do hemisfério sul em julho de 2018, enquanto também recolhia dados sobre supernovas, buracos negros e outros fenómenos na sua linha de visão. Juntamente com os planetas descobertos pelo TESS, a missão já identificou mais de 850 candidatos a exoplaneta que aguardam confirmação por telescópios terrestres.
"O ritmo e a produtividade do TESS, no seu primeiro ano de operações, ultrapassaram em muito as nossas esperanças mais otimistas para a missão," disse George Ricker, investigador principal do TESS no Instituto de Tecnolo…

Encontradas duas estrelas anãs brancas que orbitam em minutos

Impressão de artista de um par de anãs brancas, de nome ZTF J1530+5027. Este par "eclipsante" de anãs brancas orbita-se uma à outra a cada sete minutos: quando a estrela maior e mais fria passa em frente, ou eclipsa, a estrela mais pequena e quente, a luz da estrela mais pequena é bloqueada. Para os astrónomos que observam o sistema, o par parece ter desaparecido durante aproximadamente 30 segundos durante a fase eclipsante da sua órbita.Crédito: Caltech/IPAC/R. Hurt
Duas estrelas mortas foram vistas a orbitar-se uma à outra a cada sete minutos. A descoberta celeste rara foi feita usando o ZTF (Zwicky Transient Facility) do Caltech, um levantamento do céu topo-de-gama no Observatório Palomar que varre rapidamente o céu noturno à procura de qualquer coisa que se mova, pisque ou varie de brilho.
O novo duo dinâmico, oficialmente conhecido como ZTF J1539+5027, é o segundo par mais rápido de estrelas mortas que se orbitam, de nome anãs brancas, encontrado até hoje. O par é também …

NGC 3234 - Uma galáxia espiral observada completamente de lado

Acredite ou não, essa faixa longa e luminosa, com pacotes de material e com partes brilhantes é uma galáxia espiral parecida com a Via Láctea. Mas como pode ser?
O ponto é que estamos observando essa galáxia conhecida como NGC 3432, diretamente de lado, desde a Terra. Os braços espirais da galáxia e o seu núcleo estão escondidos e nós estamos vendo de fato, uma fina faixa da sua região mais externa. São as bandas escuras de poeira cósmica, as porções de brilho variado, e as regiões de tonalidade rosa de formação de estrelas, que nos ajudam a determinar a forma verdadeira da NGC 3432, mas óbvio que isso não é tão fácil e representa um certo desafio para os astrônomos. 
Pelo fato de observatórios como o Telescópio Espacial Hubble observarem galáxia espirais com todo o tipo de orientação, os astrônomos podem dizer quando nós estamos observando uma totalmente de lado como essa.  A galáxia está localizada na constelação de Leo Minor. Outros telescópios estudam e observam a NGC3234, como o Sl…

Observatório Chandra da NASA comemora seu 20º aniversário

No dia 23 de Julho de 1999, o Ônibus Espacial Columbia, foi lançado desde o Kennedy Space Center, carregando o Observatório de Raios-X Chandra. Nas duas décadas que se passaram desde então os poderosos e únicos olhos de raios-X do Chandra veem contribuindo e muito para revolucionar o nosso entendimento sobre o universo.
“Nesse ano quando comemoramos datas muito especiais como os 50 anos da chegada do homem na Lua e os 100 anos desde o eclipse total do Sol que comprovou a Teoria Geral da Relatividade de Albert Einstein, não podemos perder mais uma data”, disse Paul Hertz, Diretor de Astrofísica da NASA. “O Chandra foi lançado 20 anos atrás, e continua realizando maravilhosas descobertas científicas ano após ano”.
Para comemorar os 20 anos de operação científica do Chandra, a NASA está lançando novas imagens representando a exploração feita pelo observatório espacial, demonstrando a variedade de objetos que ele estuda bem como, mostrando como os raios-X adquiridos por ele complementam out…

5 razões porque deveríamos estudar mais os asteroides

No mesmo dia em que a Terra sobreviveu a um quase acidente com o asteroide 367943 Duende, câmeras de painéis de automóveis russos capturaram inesperadamente imagens de um asteroide diferente, quando este atingiu a atmosfera, explodindo e ferindo mais de 1.000 pessoas.
Aquele dia em Chelyabinsk, em fevereiro de 2013, lembrou ao mundo que a Terra não existe em uma bolha. Os asteroides fornecem uma conexão direta entre a Terra e o espaço interplanetário. Crateras, como a Cratera Barringer no Arizona, são um lembrete gritante. Os dinossauros morreram devido a um impacto diferente não muito longe no Golfo do México. Mas em outras partes do universo, os asteroides podem realmente transportar a vida entre diferentes planetas.
Enquanto o mundo reflete sobre o primeiro voo para a Lua e nosso futuro em Marte, pensamos que os asteroides – os chamados ‘planetas menores’ – merecem reconhecimento. Aqui está o porquê:
1. Asteroides podem nos exterminar
Não vimos o meteoro de Chelyabinsk chegando até que…

Bela imagem do HUBBLE da galáxia espiral NGC 3169

De vez em quando, o Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA vislumbra um objeto comum - digamos, uma galáxia espiral - de uma maneira interessante ou incomum. Uma perspectiva nitidamente inclinada, como a mostrada nesta imagem do Hubble, pode fazer parecer que nós, espectadores, estamos esticando nossos pescoços para ver através de uma barreira no centro brilhante da galáxia.
No caso da NGC 3169, essa barreira é a poeira espessa embutida nos braços espirais da galáxia. A poeira cósmica compreende um pot-pourri de partículas, incluindo gelo de água, hidrocarbonetos, silicatos e outros materiais sólidos. Tem muitas origens e origens, desde as sobras da formação de estrelas e planetas a moléculas modificadas ao longo de milhões de anos por interações com a luz estelar.
A NGC 3169 está localizada a cerca de 70 milhões de anos-luz de distância, na constelação de Sextantes (o Sextante). É parte do grupo de galáxias Leão I, que, como o Grupo Local que abriga nossa galáxia, a Via Láctea, faz p…

É descoberto intrigante planeta com 3 sóis

O mundo recém-descoberto orbita uma das estrelas, enquanto o par restante percorre o céu como duas luas cheias vermelhas sempre presentes.
O mundorecém-descoberto orbita uma das estrelas, enquanto o par restante percorre o céu como duas luas cheias vermelhas sempre presentes. É descoberto intrigante planeta com 3 sóis. Um planeta não muito distante, onde três sóis dançam através do céu, pode ser uma chave em nossa busca de vida em mundos além da Terra. 

O planeta tem o nome muito pouco carismático LTT 1445Ab, mas graças às observações do Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA, sabemos que o planeta recém-descoberto do tamanho da Terra é como algo de um filme de ficção científica. O universo de Star Wars tem Tatooine com seus dois sóis, mas o LTT 1445Ab é parte de um sistema de três estrelas que está a menos de 23 anos-luz da Terra.
Astrônomos viram pelo menos um outro planeta em um sistema de três estrelas, mas é um gigante a mais de 300 anos-luz de distância. Se algum dia …

Asteroide que poderia ter destruído cidades passou pela Terra quase indetectado

Pesquisadores do Royal Institution of Australia, uma organização científica australiana sem fins lucrativos, disseram que um asteroide com potencial para destruir cidades passou muito perto da Terra – e quase não o vimos. Nomeado Asteroide 2019 OK, a rocha tinha cerca de 57 a 130 metros de largura e se movia em velocidade a uma distância de aproximadamente 73.000 quilômetros da Terra – menos de um quinto da distância até a lua.
“Francamente, deveria preocupar todos nós. Não é um filme de Hollywood. É um perigo claro e presente. Seria como uma arma nuclear muito grande”, esclareceu Alan Duffy, principal pesquisador do instituto australiano.
“É provavelmente o maior asteroide a passar tão perto da Terra em muitos anos”, complementou Michael Brown, astrônomo e professor da Universidade Monash, ao The Post. “Nos surpreendeu rapidamente”.
Asteroide 2019 OK
O asteroide foi detectado semana passada por duas equipes de astronomia diferentes, uma no Brasil e outra nos EUA.Os astrônomos não identifi…

Como os buracos negros moldam galáxias

Num novo estudo, os cientistas analisaram oito anos de observações do XMM-Newton do buraco negro no centro de uma galáxia ativa conhecida como PG 1114+445, mostrando como os ventos ultrarrápidos - fluxos de gás emitidos do disco de acreção muito próximo do buraco negro - interagem com a matéria interestelar nas partes centrais da galáxia. Estes fluxos já tinham sido vistos antes, mas o novo estudo identifica claramente, e pela primeira vez, três fases da sua interação com a galáxia hospedeira.
"Estes ventos podem explicar algumas correlações surpreendentes que os cientistas conhecem há anos, mas que não conseguiam explicar," disse o autor principal Roberto Serafinelli do Instituto Nacional de Astrofísica de Milão, Itália, que realizou a maior parte do trabalho como parte do seu doutoramento na Universidade de Roma Tor Vergata.
"Por exemplo, vemos uma correlação entre as massas de buracos negros supermassivos e a dispersão de velocidade das estrelas nas partes internas das…

Astrônomos observam fases agonizantes de uma estrela parecida com o Sol

Os astrônomos que estudam a evolução das estrelas estão acostumados a acompanhar eventos que levam um tempo muito maior que a vida humana para acontecer. Porém, no caso da estrela T Ursae Minoris, ou T UMi, que vem sendo observada a 1 século, os astrônomos detectaram que ela está muito perto de morrer e pode experimentar importantes eventos dentro de décadas. Além disso, mesmo sendo maior que o Sol, a T UMi pode ser classificada como sendo do mesmo tipo do Sol.
Estrelas com massas superioras a 8 vezes a massa do Sol, terminam sua vida numa bela explosão de supernova, evento esse que podemos acompanhar por semanas às vezes. Estrelas menores, contudo, se movimenta numa velocidade bem menor e termina sua vida de maneira bem menos espetacular.
Todas as estrelas que têm massas entre 0.5 e 8 vezes a massa do Sol, eventualmente expelem suas camadas externas, deixando para trás seus núcleos que se transformam numa estrela do tipo anã branca. Os astrônomos sabem disso através de uma combinação e…

A primeira supernova observada pelo satélite TESS

Quando o TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA foi lançado para o espaço em abril de 2018, o seu objetivo era específico: procurar novos planetas no Universo.
Mas numa investigação publicada recentemente, uma equipe de astrónomos da Universidade Estatal do Ohio mostrou que o levantamento, apelidado TESS, também pode ser usado para monitorizar um tipo específico de supernova, dando aos cientistas mais pistas sobre o que faz com que as anãs brancas expludam - e sobre os elementos que essas explosões deixam para trás.
"Nós sabemos há anos que estas estrelas explodem, mas temos ideias terríveis do porquê," disse Patrick Vallely, autor principal do estudo e estudante de astronomia da mesma universidade. "A coisa mais importante aqui é que somos capazes de mostrar que esta supernova não é consistente com uma anã branca que retira massa diretamente de uma companheira estelar - o tipo de ideia padrão que levou as pessoas a tentar encontrar assinaturas de hidrogénio…

Revelados os primeiros dias da Via Láctea

Impressão de artista dos primeiros dias da Via Láctea.Crédito: Gabriel Pérez Diaz, SMM (IAC)
O Universo, há 13 mil milhões de anos atrás, era muito diferente do Universo que conhecemos hoje. Sabemos que as estrelas se formavam a um ritmo muito elevado, dando origem às primeiras galáxias anãs, cujas fusões fizeram surgir as galáxias atuais mais massivas, incluindo a nossa. No entanto, não era conhecida a exata cadeia de eventos que produziram a Via Láctea. Até agora.
Medições exatas da posição, brilho e distância de aproximadamente um milhão de estrelas da nossa Galáxia, até 6500 anos-luz do Sol, obtidas com o telescópio espacial Gaia, permitiram que uma equipa do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC) revelasse alguns dos seus estágios iniciais. 
"Nós analisámos e comparámos com modelos teóricos a distribuição de cores e magnitudes (brilhos) das estrelas na Via Láctea, dividindo-as em vários componentes; o chamado halo estelar (uma estrutura esférica que envolve galáxias espira…