Postagens

As estrelas mais estranhas deixam astrônomos totalmente confusos

Imagem
Estas podem ser as estrelas mais estranhas que já vimos. Um par de estrelas a cerca de 360 ​​anos-luz de distância experimentou 28 quedas em sua luz ao longo de 87 dias, medições que normalmente indicam um sistema orbital de planetas - exceto que os timings das quedas parecem totalmente aleatórios. Os astrônomos estão completamente perplexos.
As estrelas, coletivamente chamadas de HD 139139, foram vistas de forma estranha pelo telescópio espacial Kepler antes de ficar sem combustível e interromper as observações . Kepler perseguia exoplanetas observando diminuições regulares na luz das estrelas causada por um planeta passando entre a estrela e o telescópio em sua órbita. Esses passes são chamados de trânsitos.
As quedas na luz do HD 139139 parecem com trânsitos , todas semelhantes em tamanho e forma, mas quando Andrew Vanderburg, da Universidade do Texas, em Austin, e seus colegas analisaram mais de perto os dados, descobriram que seus timings pareciam totalmente aleatórios. Os pesquisa…

Alimentando os jatos extremos de galáxias ativas

Imagem
As galáxias movidas a buracos negros chamadas de blazars possuem jatos poderosos que, acredita-se, estão destinados, de forma fortuita, diretamente para a Terra. Os astrônomos usaram observações de várias bandas, do raio gama ao rádio, para estudar os poderosos jatos e suas fontes de direção.NASA; M. Weiss / CfA
Um núcleo ativo de galáxias (AGN) contém um buraco negro supermassivo que é material que se acumula vigorosamente. Normalmente ejeta jatos de partículas que se movem próximo à velocidade da luz, irradiando-se através de muitos comprimentos de onda, em particular o raio X, em processos que estão entre os fenômenos mais energéticos do universo. Os jatos são também altamente colimados e se estendem muito além de sua galáxia hospedeira, e se eles são apontados ao longo de nossa linha de visão, eles são a classe mais espetacular desse fenômeno: os blazares.
Há alguns anos, os astrônomos notaram que alguns tipos de blazares têm poderes de jato que parecem exceder a potência fornecida …

Novo método pode resolver a dificuldade de medir a expansão do Universo

Imagem
Impressão de artista da explosão e do surto de ondas gravitacionais emitidas quando um par de estrelas de neutrões superdensas colidem. Novas observações com radiotelescópios mostram que estes eventos podem ser usados para medir o ritmo de expansão do Universo.Crédito: NRAO/AUI/NSF
Usando radiotelescópios da NSF (National Science Foundation), os astrónomos demonstraram como uma combinação de observações de ondas gravitacionais e rádio, juntamente com uma modelagem teórica, pode transformar as fusões de pares de estrelas de neutrões numa "régua cósmica" capaz de medir a expansão do Universo e resolver uma questão pendente sobre o seu ritmo.
Os astrónomos usaram o VLBA (Very Long Baseline Array), o VLA (Karl G. Jansky Very Large Array) e o GBT (Robert C. Byrd Green Bank Telescope) para estudar as consequências da colisão de duas estrelas de neutrões que produziram ondas gravitacionais detetadas em 2017. Este evento fornece uma nova maneira de medir o ritmo de expansão do Univers…

Descoberto disco circumplanetário em torno de jovem planeta

Imagem
Imagem ALMA da poeira em PDS 70, um sistema localizado a aproximadamente 370 anos-luz da Terra. Duas manchas ténues na região interior do disco estão associadas com planetas recém-formados. Uma dessas concentrações de poeira é um disco circumplanetário, o primeiro já detetado em torno de uma estrela distante.Crédito: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO); A. Isella
Recorrendo ao ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), os astrónomos fizeram as primeiras observações de um disco circumplanetário, a cintura planetária de poeira e gás que os astrónomos fortemente teorizam controlar a formação de planetas e que dá origem a todo um sistema de luas, como o encontrado em redor de Júpiter. Este jovem sistema estelar, PDS 70, está localizado a aproximadamente 370 anos-luz da Terra. Recentemente, os astrónomos confirmaram a presença de dois planetas massivos, semelhantes a Júpiter, em órbita da estrela. 
Esta descoberta foi feita com o VLT (Very Large Telescope) do ESO, que detetou o brilho quente natu…

Hubble descobre um misterioso disco em torno de um buraco negro

Imagem
À esquerda a galáxia espiral NGC 3147, pelo Hubble. À direita, uma ilustração do buraco negro supermassivo que reside no núcleo da galáxia. A imagem do Hubble mostra os braços espirais da galáxia, repletos de jovens estrelas azuis, nebulosas rosadas e poeira. No entanto, no núcleo brilhante de NGC 3147 esconde-se um buraco negro monstruoso, pesando cerca de 250 milhões de sóis. As observações do buraco negro pelo Hubble demonstram duas teorias da relatividade de Einstein. O que se vê em torno do centro, em amarelo-avermelhado, é o brilho da luz do gás que gira, preso pela poderosa gravidade do buraco negro. O buraco negro está profundamente enterrado no seu campo gravitacional, como mostra a grelha verde que ilustra o espaço deformado. O campo gravitacional é tão forte que a luz está a lutar para sair, um princípio descrito na teoria da relatividade geral de Einstein. O material está a girar tão depressa à volta do buraco negro que fica mais brilhante quando se aproxima da Terra e men…

Flor de cerejeira galáctica

Imagem
A galáxia NGC 1156 se assemelha a uma delicada flor de cerejeira que floresce na primavera nesta imagem doHubble da semana . As muitas "florescências" brilhantes dentro da galáxia são, de fato, berçários estelares - regiões onde novas estrelas estão ganhando vida. A luz energética emitida por estrelas recém-nascidas nessas regiões flui para fora e encontra bolsões próximos de gás hidrogênio, fazendo com que brilhe com um tom rosado característico. NGC 1156 está localizado na constelação de Áries (The Ram) . É classificada como uma galáxia anã irregular, o que significa que falta uma espiral clara ou forma arredondada, como outras galáxias têm, e está no lado menor, embora com uma região central relativamente grande que é mais densamente repleta de estrelas.  Alguns bolsões de gás dentro da NGC 1156 giram na direção oposta ao resto da galáxia, sugerindo que houve um encontro próximo com outra galáxia no passado da NGC 1156. A gravidade dessa outra galáxia - e o caos turbulento …

Astrônomos detectaram dois buracos negros supermassivos em rota de colisão

Imagem
Graças ao entendimento das ondas gravitacionais, a teoria do físico Albert Einstein sobre a ondulação do tecido espaço-tempo, uma parte da Teoria da Relatividade de 1916, e confirmada em 2016, estamos entendendo melhor o que acontece quando os buracos negros colidem. Mas os buracos negros em órbita próxima geram apenas ondulações no espaço-tempo, suficientemente fortes para serem detectadas logo antes de se romperem. 
Mas uma nova descoberta poderia mudar tudo isso. Em uma galáxia a pouco mais de 2,5 bilhões de anos-luz de distância, os astrônomos identificaram dois buracos negros supermassivos destinados a um colossal colapso. 
Encontro entre os dois buracos negros supermassivos vai demorar a acontecer
Não fique muito animado. Eles ainda estão muito distantes, e os astrônomos estimam que poderia levar outros 2,5 bilhões de anos para que os buracos negros se encontrem. O lado bom disso tudo é o aprendizado que a nossa ciência pode obter com esse acontecimento, mesmo se não estivermos por…

Novo método pode resolver a dificuldade de medir a expansão do universo

Imagem
Impressão de artista da explosão e do surto de ondas gravitacionais emitidas quando um par de estrelas de neutrões superdensas colidem. Novas observações com radiotelescópios mostram que estes eventos podem ser usados para medir o ritmo de expansão do Universo.Crédito: NRAO/AUI/NSF
Usando radiotelescópios da NSF (National Science Foundation), os astrónomos demonstraram como uma combinação de observações de ondas gravitacionais e rádio, juntamente com uma modelagem teórica, pode transformar as fusões de pares de estrelas de neutrões numa "régua cósmica" capaz de medir a expansão do Universo e resolver uma questão pendente sobre o seu ritmo.
Os astrónomos usaram o VLBA (Very Long Baseline Array), o VLA (Karl G. Jansky Very Large Array) e o GBT (Robert C. Byrd Green Bank Telescope) para estudar as consequências da colisão de duas estrelas de neutrões que produziram ondas gravitacionais detetadas em 2017. Este evento fornece uma nova maneira de medir o ritmo de expansão do Univers…

As 25 estrelas mais brilhantes do Céu Noturno

Imagem
Sabe os nomes de algumas das estrelas mais brilhantes? É provável que sim, embora algumas estrelas brilhantes tenham nomes tão antigos que remontam ao início da linguagem escrita. Muitas culturas do mundo têm os seus próprios nomes para as estrelas mais brilhantes, e é cultural e historicamente importantelembrá-las. No entanto, no interesse de uma comunicação global clara, a União Astronómica Internacional começou a designar nomes estelares padronizados. Na imagem em destaque, em cores verdadeiras, as 25 estrelas mais brilhantes do céu noturno, atualmente vistas pelos humanos, juntamente com os seus nomes reconhecidos pela UAI. Alguns nomes têm significados interessantes, incluindo Sirius ("o queimador" em Latim), Vega ("caindo" em Árabe) e Antares ("rival de Marte" em Grego). Também é provável que outros destes nomes de estrelas brilhantes não lhe sejam tão familiares, embora a famosa Polar seja demasiado fraca para fazer parte desta lista. Crédito: Trago…

Titã será o próximo mundo do Sistema Solar a receber sonda da NASA

Imagem
Em janeiro, a NASA disse que decidiria, ainda em 2019, se levaria adiante o projeto Dagonfly para lançar um helicóptero (que na verdade seria um misto de drone com robô exploratório) à lua Titã, de Saturno. E nesta quinta (27), a agência espacial dos EUA confirmou que Titã será mesmo seu próximo alvo no Sistema Solar.
"Avançando em nossa busca pelos blocos de construção da vida, a missão Dragonfly voará várias vezes para amostrar e examinar locais ao redor da lua gelada de Saturno", disse a NASA em comunicado oficial. A missão será lançada em 2026 e chegará a seu destino em 2034, com o helicóptero rodeando Titã em busca de processos químicos prebióticos em comum entre o satélite de Saturno e a Terra.
Esta será a primeira vez em que a agência espacial lançará um drone com vários rotores para outro planeta — o Dragonfly tem oito rotores e funciona como um grande drone altamente tecnológico. Para voar, o drone se aproveitará da densa atmosfera de Titã, com densidade quatro vezes …

Cientistas descobrem origem de intrigante rajada de ondas de rádio cósmicas

Imagem
(Ilustração) O radiotelescópio Askap determina a localização da rajada rápida de rádio
Astrônomos celebraram uma descoberta, publicada na prestigiosa revista Science, que poderá ajudá-los a mapear os confins do Universo.Uma equipe de astrônomos internacionais liderada por cientistas australianos desvendou pela primeira vez a origem precisa de um misterioso fenômeno chamado "rajada rápida de rádio", descoberto em 2007.
Essas ondas cósmicas podem emitir em um milésimo de segundo o equivalente a 10.000 anos de energia solar.
"Toda a comunidade astronômica esperava ansiosamente por esse resultado", disse à AFP Casey Law, astrônomo da Universidade da Califórnia em Berkeley, que não participou do estudo publicado esta semana.
Este trabalho é o mais importante desde a descoberta destas rajadas rápidas de rádio (FRB, por sua sifla em inglês). Não se sabe o que produz essas monstruosas rajadas de energia, mas os astrônomos concordam em um ponto: vêm de galáxias muito, muito dis…

Via Láctea colidiu com uma Galáxia dominada por Matéria Escura a menos de 1 Bilhão de anos atrás

Imagem
De acordo com nova pesquisa liderada pelo Instituto de Tecnologia de Rochester (RIT), a colisão da galáxia anã Antlia 2, recentemente descoberta, com a Via Láctea, há centenas de milhões de anos, é responsável por ondulações no disco externo de gás da Via Láctea. A Grande Nuvem de Magalhães, a Galáxia da Via Láctea e Antlia 2 (da esquerda para a direita). Crédito da imagem: V. Belokurov / Marcus e Gail Davies / Robert Gendler.
De acordo com uma nova pesquisa liderada pelo Rochester Institute of Technology, o RIT, a colisão de uma galáxia anã, recém-descoberta, a galáxia anã Antila 2, com a nossa galáxia, a Via Láctea, a centenas de milhões de anos atrás, é responsável por ondas no disco externo de gás da nossa galáxia.
Antila 2, foi descoberta em 2018, quando a missão Gaia fez a sua segunda liberação de dados.A galáxia anã está localizada na constelação de Antila, a aproximadamente 130 mil anos-luz de distância da Terra.Ela tem o tamanho aproximado da Grande Nuvem de Magalhães, e tem um …