Postagens

A Lua está encolhendo e gera tremores similares a terremotos, diz NASA

Imagem
Falhas geológicas na superfície lunar demonstram que o satélite natural é muito mais geologicamente ativo do que se imaginava. De acordo com um novo estudo da NASA, a Lua está encolhendo à medida em que seu interior esfria, "emagrecendo" mais de 50 metros ao longo das últimas centenas de milhões de anos. A agência espacial compara o fenômeno com uma uva que se enruga enquanto se reduz a uma passa, com a Lua também adquirindo rugas durante o processo de encolhimento.
Essas rugas são geradas porque a superfície lunar é quebradiça, formando "falhas de pressão" à medida em que encolhe lentamente, onde uma seção da crosta é empurrada para cima sobre uma parte vizinha. A análise dá a primeira evidência de que essas falhas ainda estão ativas na Lua, e provavelmente produzem "moonquakes" — abalos similares aos terremotos que temos aqui na Terra. "Alguns desses terremotos lunares podem ser bastante fortes, em torno de cinco na escala Richter", explica Thom…

Jipinho chinês encontra amostras do manto da Lua em seu lado oculto

Imagem
No início do ano, a China fez história na exploração espacial: pousou a primeira sonda não tripulada no “lado escuro da Lua”. Já explicamos aqui na SUPER que o suposto “lado escuro” não tem nada de trevoso, e recebe luz solar exatamente na mesma proporção que o “lado claro”. A única questão é que ele não pode ser visto por quem observa o satélite aqui da Terra. Por nunca ter sido explorado, as descobertas feitas por lá prometiam ser reveladoras. Calhou que a promessa se cumpriu. A China afirma que seu rover (isto é, um jipinho) analisou amostras provenientes do manto lunar – isto é, a camada de rocha que fica abaixo da superfície, até então intocada. É bom deixar claro que a sonda não coletou nenhuma rocha: ela baseou a análise na poeira que já estava no chão. Para entender melhor o achado, vamos recapitular: o rover chinês Yutu-2, parceiro da sonda Chang’e-4, aterrissou em janeiro na cratera de Von Kármán, no meio da colossal bacia do Polo Sul-Aitken. Essa é uma antiga cratera de 2,5 m…

Algo misterioso abriu um buraco na Via Láctea

Imagem
Observando a imensidão do universo em que estamos inseridos, os cientistas descobriram algo peculiar. Foi detectado um "impacto escuro" abrindo buracos naVia Láctea. Mesmo que não seja possível ver isso claramente, os telescópios dos cientistas identificaram alguma coisa no meio da galáxia. A descoberta acabou por se tornar mais um dos milhares de mistérios sobre o nosso universo. Até agora ninguém sabe o que é e como está abrindo esses buracos na galáxia. "É uma bala densa de alguma coisa", disse Ana Bonaca, pesquisadora do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, responsável pela descoberta de evidências do impactor, como foi identificado. Especula-se que possivelmente esse impactor na Via Láctea não seja feito de matéria normal. Por esse motivo não foi detectado com clareza pelo telescópio. A descoberta de Bonaca foi apresentada no mês passado durante a conferência da American Physical Society, em Denver.  Sua pesquisa revelou uma série de buracos no fluxo estela…

Estudo encontra o aglomerado aberto NGC 2682 pelo menos duas vezes maior do que se pensava

Imagem
NGC 2682. Crédito: 2MASS / UMass / IPAC-Caltech / NASA / NSF
Com base em novos dados do satélite Gaia da ESA, os astrônomos forneceram mais informações sobre as propriedades do aglomerado aberto próximo NGC 2682, revelando que seu tamanho é pelo menos duas vezes maior do que se acreditava anteriormente. As descobertas estão detalhadas em um artigo publicado em 6 de maio no repositório de pré-impressão arXiv.
Localizada a cerca de 2.800 anos-luz de distância, a NGC 2682 (também conhecida como Messier 67 ou M67) é um aglomerado aberto na constelação de Câncer. Com uma idade estimada em cerca de 3,6 bilhões de anos, é um dos antigos clusters abertos mais antigos. Notavelmente, sua idade e composição química inicial é semelhante à do Sol, portanto, os astrônomos chegaram a considerar que o sol poderia ter se originado da NGC 2682.
Publicado há cerca de um ano, o mais recente catálogo de dados do satélite Gaia (conhecido como Data Release 2, ou DR2) fornece medições de alta precisão, incluind…

Planetas pequenos e resistentes tem maior probabilidade de sobreviver à morte de suas estrelas

Imagem
Um asteróide dilacerado pela forte gravidade de uma anã branca formou um anel de partículas de poeira e detritos que orbitam o núcleo estelar queimado do tamanho da Terra. Crédito: Universidade de Warwick / Mark Garlick
Planetas pequenos e resistentes, repletos de elementos densos, têm a melhor chance de evitar serem esmagados e engolidos quando sua estrela-mãe morre, descobriu uma nova pesquisa da Universidade de Warwick. A nova pesquisa foi publicada na revista Monthly Notices da Royal Astronomical Society .
Os astrofísicos do Grupo de Astronomia e Astrofísica de Warwick modelaram as chances de os diferentes planetas serem destruídos pelas forças de maré quando suas estrelas hospedeiras se tornam anãs brancas e determinaram os fatores mais significativos que decidem se eles evitam a destruição .
Seu "guia de sobrevivência" para exoplanetas pode ajudar os astrônomos a localizar potenciais exoplanetas em torno de estrelas anãs brancas , enquanto uma nova geração de telescópios …

Uma distorção no espaço-tempo é teoricamente possível. Mas como os físicos podem encontrá-la?

Imagem
Uma distorção no espaço-tempo é um fenômeno que altera o fluxo do tempo, acelerando-o ou fazendo com que ele corra mais devagar. Parece impossível ou o tema de alguma ficção científica, mas os físicos sabem que tal fenômeno é real há mais de 100 anos. Na verdade, vivemos em uma espécie de distorção do espaço-tempo aqui mesmo, na Terra.  Para entender o que isso significa, precisamos da ajuda de Einstein.
Relatividade geral
Em 1905, Albert Einstein publicou pela primeira vez sua teoria da relatividade especial, seguida uma década depois por sua continuação, a teoria da relatividade geral.Esta postula que a gravidade é uma propriedade da curvatura do espaço e do tempo – o tecido de nosso universo. Como resultado, qualquer coisa que tenha massa pode distorcer o tempo.
Naturalmente, quanto mais massa tiver essa coisa, mais ela distorce o tempo. Os buracos negros, por exemplo, com massas bilhões de vezes maiores do que o sol, têm um grande potencial de distorção de tempo. Se você se aproximas…

Nossa realidade poderia ser um "HOLOGRAMA" criado pela física quântica

Imagem
Novas Respostas
Desde que Einstein postulou que o espaço e o tempo estavam inextricavelmente ligados, os cientistas se perguntaram de onde vem a teia cósmica chamada espaço-tempo. Agora, a pesquisa em andamento na física quântica pode finalmente chegar a uma explicação: um fenômeno bizarro chamado emaranhamento quântico poderia ser a base subjacente para as quatro dimensões do espaço e do tempo em que todos vivemos, de acordo com um mergulho profundo pela  revista Knowable . De fato, em uma reviravolta surpreendente, nossa realidade poderia ser um "holograma" desse estado quântico.
Reino Quântico
Quando duas partículas são capazes de reagir simultaneamente e instantaneamente umas com as outras, apesar de estarem separadas por grandes diferenças , diz-se que estão emaranhadas. Mas de acordo com as regras do espaço-tempo, isso significaria que as partículas às vezes enviam comunicações mais rápidas que a velocidade da luz - aparentemente colocando a física quântica contra a veloc…

NASA simula colisão de asteroide com a Terra; Nova York acaba destruída

Imagem
Mapa fictício demonstra os danos que seriam causados em Nova York por um asteroide. Imagem: Divulgação / NASA
Uma vez ou outra surge a notícia de um asteroide que passará próximo da Terra. Mas, e se o corpo celeste representasse um perigo real, estaríamos preparados? Uma simulação da NASA demonstrou os esforços de agências espaciais de todo o mundo para "derrotar" um asteroide que atingiria a cidade de Denver, nos Estados Unidos. O problema é que os cientistas acabaram destruindo Nova York como consequência de salvar Denver, cidade que fica a mais de 2 mil quilômetros de distância do alvo inicial. O teste foi realizado na semana passada durante a Conferência Anual de Defesa Planetária da NASA, que reuniu agências espaciais de todo o mundo, como a FEMA (Agência Federal de Gestão de Emergências). A simulação começou com a descoberta do fictício PDC 2019, que tinha apenas uma chance em 50 mil de atingir a Terra.  O corpo celeste estava longe graças à órbita excêntrica que o estava …

Via Láctea sofreu surto de formação estelar há 2 a 3 bilhões de anos

Imagem
A região de formação estelar Rho Ophiuchi, observada pelo satélite Gaia da ESA. Os pontos brilhantes são enxames estelares que contêm as estrelas mais massivas e jovens da região. Os filamentos escuros traçam a distribuição do gás e da poeira, onde estão a nascer novas estrelas. Esta não é uma fotografia convencional, mas o resultado da integração de toda a radiação recebida pelo satélite durante os 22 meses de estudo contínuo do céu. Crédito: ESA/Gaia/DPAC
Uma equipe liderada por investigadores do Instituto de Ciências do Cosmos da Universidade de Barcelona (ICCUB) e do Observatório Astronómico de Besançon (França) descobriu, através da análise de dados do satélite Gaia, que ocorreu, há 2 a 3 mil milhões de anos, um surto extremo de formação estelar na Via Láctea. 
Neste processo podem ter nascido mais de 50% das estrelas que criaram o disco galáctico. Os resultados são derivados da combinação das distâncias, cores e magnitudes das estrelas medidas pelo Gaia com modelos que preveem a s…

Telescópios no espaço para imagens ainda mais nítidas de buracos negros

Imagem
No espaço, o EHI tem uma resolução mais de cinco vezes a do EHT na Terra e as imagens podem ser reconstruídas com maior fidelidade. Parte superior esquerda: Modelo de Sagitário A * a uma frequência de observação de 230 GHz. Parte superior esquerda: simulação de uma imagem deste modelo com o EHT. Abaixo à esquerda: Modelo de Sagitário A * em uma frequência de observação de 690 GHz. Parte inferior direita: Simulação de uma imagem deste modelo com o EHI. Crédito: F. Roelofs e M. Moscibrodzka, Universidade Radboud
Os astrônomos conseguiram tirar a primeira imagem de um buraco negro, e agora o próximo desafio é como tirar fotos ainda mais nítidas, para que a Teoria da Relatividade Geral de Einstein possa ser testada. Os astrônomos da Universidade Radboud, junto com a Agência Espacial Européia (ESA) e outros, estão propondo um conceito para alcançar isso através do lançamento de radiotelescópios no espaço. Eles publicam seus planos na revista científica Astronomy & Astrophysics .
A idéia …

Ondas gravitacionais deixam uma marca detectável, Dizem os físicos

Imagem
Quando dois buracos negros giram em órbita um do outro, irradiam ondas gravitacionais, libertando energia orbital e espiralando em direção um do outro. Esta impressão de artista mostra as ondulações numa superfície bidimensional do espaço-tempo, para que as consigamos imaginar melhor.Crédito: Swinburne Astronomy Productions
As ondas gravitacionais, detectadas pela primeira vez em 2016, abrem uma nova janela para o Universo, com o potencial de nos contar tudo sobre a época que se seguiu ao Big Bang até aos eventos mais recentes nos centros de galáxias.
E enquanto o detetor LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) observa 24 horas por dia, 7 dias por semana, ondas gravitacionais que passam pela Terra, uma nova investigação mostra que essas ondas deixam para trás muitas "memórias" que podem ajudar a detetá-las mesmo depois de terem passado.
"Que as ondas gravitacionais deixam mudanças permanentes num detetor depois de passarem, é uma das previsões mais invul…

O nascimento do caçador

Imagem
A constelação de Órion é uma das coleções de estrelas mais conhecida do céu noturno. As estrelas mais proeminentes desta constelação são reconhecidas há dezenas de milhares de anos ou mais tempo ainda. Os astrônomos chineses chamavam-na 参宿 or Shēn, o que significa, literalmente, “três estrelas”, devido aos três pontos brilhantes que formam o cinturão do caçador. Os antigos egípcios viam-na como os deuses Sah e Sopdet, manifestações de Osiris e Isis, respectivamente, enquanto os astrônomos gregos viam um corajoso caçador — o epônimo Órion — com a sua espada por cima da cabeça, pronto a atacar.
Mitologia à parte, Órion é uma região do céu fascinante. Esta imagem, obtida pelo Very Large Telescope do ESO, mostra uma nebulosa de reflexão situada no coração da constelação — a NGC 2023. Localizada próximo das bem conhecidas nebulosas da Cabeça do Cavalo e da Chama, a NGC 2023 encontra-se a cerca de 1500 anos-luz de distância da Terra e é uma das maiores nebulosas de reflexão do céu.
As nebulos…