Postagens

A Matéria Escura Pode Ser Um Universo Espelhado, Dizem Cientistas

Imagem
Você já ouviu falar da substância enigmática conhecida como matéria escura, que a maioria dos cientistas acredita agora constituir a maior parte do cosmos, apesar de ser indetectável exceto por sua influência gravitacional sobre a matéria regular? A matéria escura é um dos enigmas mais fascinantes e desafiadores da astrofísica contemporânea. Embora não possamos observá-la diretamente, sua influência gravitacional é evidente nas rotações galácticas e na estrutura em larga escala do universo. Os cientistas estão constantemente buscando entender sua natureza e origem, e as teorias propostas variam desde partículas exóticas ainda não descobertas até conceitos revolucionários como universos paralelos.   A exploração dessas ideias não apenas amplia nosso conhecimento sobre o cosmos, mas também nos leva a questionar as próprias fronteiras da física e da realidade. O estudo da matéria escura não é apenas uma investigação científica, mas uma jornada intelectual que nos desafia a repensar no

Buraco negro cria contas estelares em um cordão

Imagem
Os astrônomos descobriram uma das erupções de um buraco negro mais poderosas já registradas. Esta megaexplosão ocorrida há milhares de milhões de anos pode ajudar a explicar a formação de um padrão impressionante de aglomerados estelares em torno de duas galáxias massivas, assemelhando-se a contas num colar. Crédito da ilustração: NASA/CXC/M. Imagem, legenda e vídeos da Weiss Press   Esta descoberta foi feita no sistema conhecido como SDSS J1531+3414 (abreviadamente SDSS J1531), que está localizado a 3,8 mil milhões de anos-luz da Terra. Vários telescópios foram usados ​​ para este estudo, incluindo o Observat ó rio de Raios-X Chandra da NASA e o Low Frequency Array (LOFAR), um radiotelesc ó pio.   SDSS J1531 é um enorme aglomerado de galáxias contendo centenas de galáxias individuais e enormes reservatórios de gás quente e matéria escura. No coração do SDSS J1531, duas das maiores galáxias do aglomerado estão colidindo uma com a outra. Em torno destes gigantes em fusão está um con

A Nebulosa do lápis supernova e onda de choque

Imagem
Crédito da imagem e direitos autorais : Helge Buesing Esta onda de choque de supernova atravessa o espaço interestelar a mais de 500.000 quilômetros por hora. Centrados e movendo-se para cima na composição colorida nitidamente detalhada, seus filamentos finos, brilhantes e trançados são, na verdade, longas ondulações em uma camada cósmica de gás brilhante vista quase de lado. Descoberta na década de 1840 por Sir John Herschel , a nebulosa estreita é às vezes conhecida como Raio de Herschel. Catalogada como NGC 2736 , sua aparência pontiaguda sugere seu nome popular moderno, Nebulosa do Lápis. A Nebulosa do Lápis está a cerca de 800 anos-luz de distância. Com quase 5 anos-luz de comprimento, representa apenas uma pequena parte do remanescente da supernova Vela . O enorme remanescente de Vela tem cerca de 100 anos-luz de diâmetro, a nuvem de detritos em expansão de uma estrela que explodiu há cerca de 11.000 anos. Inicialmente, a secção da onda de choque vista como a nebulosa do Lápis mo

Cinturão de Kuiper pode ser maior do que se calculava

Imagem
Novos horizontes do Cinturão de Kuiper Depois de fazer as primeiras fotografias de Plutão, em Agosto de 2015, a sonda espacial New Horizons seguiu caminho rumo aos confins do Sistema Solar, eventualmente fazendo imagens de asteroides desconhecidos.   Colisões de objetos no Cinturão de Kuiper são uma importante fonte de poeira, juntamente com partículas expelidas de corpos celestes locais atingidos por impactores microscópicos de poeira vindos do espaço interestelar. [Imagem: Dan Durda/FIAAA] Nessa jornada, seus instrumentos acabam de trazer uma informação importante: O Cinturão de Kuiper, uma vasta zona externa do nosso Sistema Solar, povoada por centenas de milhares de blocos de construção planetários rochosos e gelados, pode se estender muito mais longe do que os cientistas calculavam. E ela fez esta descoberta usando o primeiro instrumento de ciência planetária a ser construído por estudantes, chamado SDC (Venetia Burney Student Dust Counter) - Venetia Burney foi a garota de 1

Quais são as diferenças entre quasares e microquasares?

Imagem
Os quasares são objetos fascinantes; buracos negros supermassivos que se alimentam ativamente de material de seus discos de acreção.  O resultado é um jato que pode ofuscar a luz combinada de toda a galáxia! Existem também buracos negros menores que são o resultado da morte de estrelas e às vezes também parecem hospedar discos de acreção e jatos, assim como seus primos maiores.  Chamamos estes microquasares e, embora existam semelhanças entre eles, também existem diferenças.   Impressão artística de um microquasar O termo quasar dá uma pista sobre sua natureza, o termo é uma versão abreviada de 'fonte de rádio qausi-estelar', que é exatamente o que são. Uma fonte de energia de rádio que parece apresentar a natureza precisa das estrelas. O primeiro quasar a ser descoberto recebeu o nome pouco imaginativo de '3C 273' e foi encontrado na constelação de Virgem. A maioria dos objetos desta natureza tendem a ter números de catálogo em vez de nomes mais comuns e, no caso de

O que alimenta o poderoso motor das fusões de estrelas de neutrões?

Imagem
Simulação computacional revela o dínamo que gera campos magnéticos em grande escala na fusão de estrelas de nêutrons e que pode resultar em explosões de raios gama de alta energia   Impressão de artista que mostra duas estrelas de neutrões, pequenas mas muito densas, no ponto de fusão e explosão como quilonova. Crédito: Universidade de Warwick/Mark Garlick/ESO A fusão e a colisão de estrelas de neutrões produzem poderosas explosões de quilonova e erupções de raios gama. Há muito que os cientistas suspeitam que um campo magnético grande e ultraforte é o motor por detrás destes fenómenos altamente energéticos. No entanto, o processo que gera este campo magnético tem sido um mistério até agora. Os investigadores do Instituto Max Planck de Física Gravitacional e das universidades de Quioto e Toho revelaram o mecanismo subjacente graças a uma simulação computorizada de alta resolução que tem em conta toda a física fundamental. Os investigadores mostraram que as estrelas de neutrões al

Astrônomos descobrem a menor estrela já observada

Imagem
  Menor estrela conhecida Astrônomos chineses descobriram a menor estrela que se conhece.   A estrela maior à esquerda representa a estrela subanã quente, e a menor à direita representa a estrela anã branca. [Imagem: Jingchuan Yu/Beijing Planetarium] Ela está em um sistema binário muito compacto, catalogado como TMTS J0526, com um período orbital ultracurto de apenas 20,5 minutos, localizado a cerca de 2.760 anos-luz da Terra. O binário é formado por uma estrela anã branca de carbono-oxigênio, com uma massa de cerca de 0,74 massa solar, associada a uma estrela ainda menor, com uma massa de cerca de 0,33 massa solar - Jie Lin e seus colegas da Universidade Tsinghua a descreveram como uma "subanã quente". Esta subanã tem um raio apenas sete vezes maior que o raio da Terra, representando a estrela com o menor volume conhecido. Com um período orbital tão pequeno, este binário está prestes a se tornar uma fonte de ondas gravitacionais, que deverão ser emitidas quando as

Gravastars são uma teoria alternativa para buracos negros

Imagem
Embora os buracos negros tenham uma grande quantidade de evidências teóricas e observacionais para provar a sua existência, a teoria dos buracos negros não é isenta de problemas.   Ilustração de uma hipotética gravastar. Crédito: Daniel Jampolski e Luciano Rezzolla, Goethe University Frankfurt Por um lado, a relatividade geral prevê que a massa se comprime até uma singularidade infinitamente densa onde as leis da física entram em colapso. Esta singularidade é envolta por um horizonte de eventos, que serve como ponto de não retorno para qualquer coisa devorada pelo buraco negro. Ambos são problemáticos, por isso há uma longa história de tentativas de encontrar alguma alternativa. Algum mecanismo que impede a formação de singularidades e horizontes de eventos. Uma alternativa é uma estrela gravitacional do vácuo ou estrela gravitacional condensada, comumente chamada de gravastar. Foi proposto pela primeira vez em 2001 e aproveita o fato de que a maior parte da energia do universo não

Mais brilhante e de crescimento mais rápido: astrônomos identificam quasar recordista

Imagem
Utilizando o Very Large Telescope (VLT) do Observatório Europeu do Sul (ESO), os astrónomos caracterizaram um quasar brilhante, descobrindo que não é apenas o mais brilhante do seu tipo, mas também o objecto mais luminoso alguma vez observado.  Quasares são núcleos brilhantes de galáxias distantes e são alimentados por buracos negros supermassivos. O buraco negro neste quasar recorde está a crescer em massa o equivalente a um Sol por dia, tornando-o no buraco negro de crescimento mais rápido até à data.   Impressão artística do quasar recordista J0529-4351 Crédito: ESO/M. Kornmesser   Os buracos negros que alimentam os quasares recolhem matéria do seu entorno num processo tão energético que emite grandes quantidades de luz. Tanto é verdade que os quasares são alguns dos objetos mais brilhantes do nosso céu, o que significa que mesmo os distantes são visíveis da Terra. Como regra geral, os quasares mais luminosos indicam os buracos negros supermassivos de crescimento mais rápido.

A idade das trevas cósmica: tudo o que você precisa saber

Imagem
O primeiro hidrogênio a se formar absorveu a luz das primeiras estrelas do universo. Eventualmente, o universo encheu-se de estrelas e galáxias que reionizaram este hidrogénio, permitindo que os fotões viajassem livremente em todas as direções.   Quais são as idades das trevas cósmicas? (Crédito da imagem: Science Photo Library via Getty Images)   A "idade das trevas cósmica" refere-se a um período durante o início do universo, quando as fontes de luz estavam envoltas em uma densa névoa de gás hidrogênio neutro. Embora a luz possa agora viajar em todas as direcções através do Universo, tornando-o transparente, o Universo primitivo estava envolto em hidrogénio, que absorvia a luz emitida pelas primeiras estrelas e fontes de radiação.   Durante os primeiros 380.000 anos após o Big Bang , toda a matéria e energia existiam como uma bola de plasma ionizado extremamente quente e densa em expansão. Neste ponto, as colisões entre partículas subatômicas nesta sopa de alta energia

O que veio primeiro: buracos negros ou galáxias?

Imagem
Os buracos negros não só existiam no início dos tempos, como também deram origem a novas estrelas e à formação de galáxias sobrecarregadas, sugere uma nova análise dos dados do Telescópio Espacial James Webb. Uma ilustração de um campo magnético gerado por um buraco negro supermassivo no universo primitivo, mostrando fluxos turbulentos de plasma que transformam nuvens de gás em estrelas. Crédito: ROBERTO MOLAR CANDANOSA/JHU Os insights derrubam teorias sobre como os buracos negros moldam o cosmos, desafiando a compreensão clássica de que eles se formaram após o surgimento das primeiras estrelas e galáxias. Em vez disso, os buracos negros podem ter acelerado dramaticamente o nascimento de novas estrelas durante os primeiros 50 milhões de anos do Universo, um período fugaz nos seus 13,8 mil milhões de anos de história.   “Sabemos que estes buracos negros monstruosos existem no centro de galáxias perto da nossa Via Láctea, mas a grande surpresa agora é que também estavam presentes no

Telescópios mostram que o buraco negro da Via Láctea está pronto para ser lançado

Imagem
O buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea está girando tão rapidamente que está deformando o espaço-tempo ao seu redor em uma forma que pode parecer uma bola de futebol, de acordo com um novo estudo usando dados do Observatório de Raios-X Chandra da NASA e do National Science. Karl G. Jansky Very Large Array (VLA) da Fundação. Esta ilustração mostra uma seção transversal do buraco negro supermassivo e do material circundante no centro da nossa Galáxia. A esfera negra no centro representa o horizonte de eventos do buraco negro, o ponto de não retorno do qual nada, nem mesmo a luz, pode escapar. Olhando para o buraco negro a girar de lado, como se vê nesta ilustração, o espaço-tempo circundante tem a forma de uma bola de futebol americano. O material amarelo-alaranjado de cada lado representa o gás a girar em torno do buraco negro. Este material mergulha inevitavelmente na direção do buraco negro e atravessa o horizonte de eventos quando cai dentro da forma de bola de futebol a