Postagens

Mostrando postagens de Abril 2, 2018

Será que há vida escondida nas nuvens de Vênus?

Imagem
Em Vênus, um dia de 462 °C é considerado ameno. Outono. Mas se a temperatura, por si só, não for suficiente para torrar microorganismos hipotéticos, também dá para mencionar a atmosfera com 96,5% de dióxido de carbono – e só 0,002% de vapor de água. Em outras palavras, passar a noite no planeta mais quente do Sistema Solar é mais ou menos como acampar no escapamento de um caminhão ligado… Só que três vezes mais quente. Encontrar vida como a conhecemos por lá seria um milagre. Mas é claro que a seleção natural dá um jeitinho para tudo. A Terra está repleta de microrganismos extremófilos – isto é, bactérias adaptadas a ambientes como soda cáustica ou os 11 quilômetros de profundidade da fossa das Marianas, no Pacífico. O metabolismo delas é tão adaptado a essas condições que elas sequer sobrevivem em ambientes mais tranquilos. Por que, então, não poderia existir um bichinho microscópico capaz de aguentar o tranco do planeta mais quente da nossa vizinhança? Uma equipe de astrobiólogos – ci…

Clonagem cósmica

Imagem
A imagem acima está repleta de galáxias. Um olho bem treinado pode identificar belas galáxias elípticas e espetaculares galáxias espirais, que podem ser vistas me várias orientações, de lado, com o plano da galáxia visível, de frente, mostrando seus belos braços espirais além de qualquer inclinação entre esses dois extremos. A maior parte dos pontos brilhantes nessa imagem são galáxias, algumas estrelas da nossa própria galáxia podem ser visíveis e se destacam pelos spikes de difração.
O objeto que mais chama a atenção está no centro do frame. Com o nome de SDSSJ0146-0929, o bulbo central brilhante é um aglomerado de galáxias, uma monstruosa coleção de centenas de galáxias todas elas unidas pela gravidade. A massa desse aglomerado de galáxias é grande o suficiente para distorcer de forma severa o tecido do espaço-tempo ao seu redor, criando as estranhas curvas que quase circulam o aglomerado como um todo.
Esses arcos fazem pare de exemplos de um fenômeno cósmico conhecido como Anel de E…

NASA prepara o lançamento da próxima missão a procurar novos MUNDOS

Imagem
Ilustração do TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) em frente de um planeta de lava em órbita da sua estrela-mãe. O TESS vai identificar milhares de potenciais novos planetas para estudo e observações futuras.Crédito: NASA/GSFC
O TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA está nos preparativos finais no estado norte-americano da Flórida para o lançamento do dia 16 de abril, com o objetivo de encontrar mundos desconhecidos em torno de estrelas próximas, fornecendo alvos onde estudos futuros avaliarão a sua capacidade para abrigar vida.
"Uma das maiores questões na exploração exoplanetária é: se um astrónomo encontra um planeta na zona habitável de uma estrela, será interessante do ponto de vista de um biólogo?" afirma George Ricker, investigador principal do TESS no Instituto Kavli para Astrofísica e Pesquisa Espacial do MIT (Massachusetts Institute of Technology), que lidera a missão. "Nós esperamos que o TESS descubra uma série de planetas cujas composiç…

Um eco de luz

Imagem
Esta imagem obtida pelo Telescópio de Rastreio do VLT do ESO (VST) revela duas galáxias no início de um processo de fusão. As interações entre o duo deram origem a um efeito raro conhecido por eco de luz, onde a luz reverbera no material existente em cada galáxia. Trata-se de um efeito semelhante a um eco acústico, onde o som refletido chega ao ouvinte depois do som direto. Este é o primeiro caso de um eco de luz observado entre duas galáxias.
A galáxia maior, que nos aparece em amarelo, chama-se ShaSS 073 e trata-se de uma galáxia ativa com um núcleo extremamente luminoso. A sua companheira menos massiva, em azul, é ShaSS 622 e juntas estas galáxias constituem o sistema ShaSS 622-073. O núcleo brilhante de ShaSS 073 excita a região de gás no disco da sua companheira azul, bombardeando o material com luz e fazendo com que este brilhe intensamente ao absorver e re-emitir esta radiação. A região brilhante estende-se ao longo de 1,8 bilhões de anos-luz quadrados.
Ao estudar esta fusão, os …

Quão grande é a galáxia de Andrômeda?

Imagem
Os astrônomos acreditavam que a galáxia de Andrômeda, nosso vizinho galáctico mais próximo, tinha três vezes o tamanho da Via Láctea. Não mais. Esta imagem da galáxia de Andrômeda, capturada pelo Galaxy Evolution Explorer da NASA, mostra o lado ultravioleta do nosso conhecido vizinho galáctico. NASA / JPL-Caltec
Tanto a Via Láctea quanto a galáxia de Andrômeda (M31) são gigantescas galáxias espirais em nosso universo local. E em cerca de 4 bilhões de anos, a Via Láctea e Andrômeda vão colidir em uma partida gravitacional de sumô que acabará por prendê-los para sempre. Como os astrônomos pensavam que Andrômeda era até três vezes mais massiva que a Via Láctea, eles esperavam que nossa galáxia fosse facilmente dominada e absorvida por nosso vizinho maior. Mas agora, novas pesquisas sugerem que superestimamos nosso oponente. 

Em um estudo publicado hoje no Monthly Notices da Royal Astronomical SocietyUma equipe de astrônomos australianos anunciou que Andromeda não é realmente o peso pesado q…

Astrônomos descobriram um novo tipo de morte violenta em estrelas

Imagem
Quando uma estrela é supernova, é um processo tão gigantesco que geralmente dura meses. Então, quando os astrônomos capturaram um com apenas algumas semanas, sentaram-se e prestaram atenção - e encontraram um tipo totalmente novo de supernova nunca observado antes. A supernova é chamada KSN 2015K, e atingiu o brilho máximo e desapareceu completamente em menos de um mês, 10 vezes mais rápido do que outras supernovas de brilho semelhante, que normalmente levam meses. 
De acordo com uma equipe internacional de pesquisadores, a explicação mais provável é que ele foi envolto por um casulo de gás e poeira que já havia sido ejetado - só se tornando visível depois que a poeira foi expelida pela onda de choque da supernova. "Descobrimos ainda outra maneira pela qual as estrelas morrem e distribuem material de volta ao espaço", disse o pesquisador Brad Tucker, da Universidade Nacional da Austrália. Eventos como esses foram capturados antes. Eles são chamados de transientes luminosos de …

Esta galáxia inexplicável está deixando os astrônomos malucos

Imagem
Há muito tempo os astrônomos têm uma pedra em seus sapatos chamada matéria escura. Teorizada há quase um século, a matéria escura nunca foi realmente observada ou teve sua existência provada, mas os especialistas acreditam que ela é parte fundamental do universo – ela seria mais pesada do que todas as estrelas visíveis, gás e poeira no cosmos por uma razão de 6 para 1. Embora ninguém saiba o que ela realmente é, ou quanto pesa, ou do que é feita, sua presença foi inferida de sua influência gravitacional na matéria comum em todas as galáxias já observadas – pelo menos até agora. Os astrônomos acabaram de descobrir uma galáxia que parece não ter matéria escura. O estudo, publicado na revista Nature, questiona o que sabemos sobre a formação de galáxias e, se confirmado, pode ajudar a elucidar a verdadeira natureza deste tipo de matéria.
A galáxia NGC 1052-DF2, localizada a 65 milhões de anos-luz de distância, na constelação de Cetus, tem a sua massa toda formada pela matéria visível. Ela …

NGC 602 e Além

Imagem
Crédito: raios-X: Chandra: NASA/CXC/Univ.Potsdam/L.Oskinova et al; Ótico: Hubble: NASA/STScI; Infravermelho: Spitzer: NASA/JPL-Caltech
Perto dos arredores da Pequena Nuvem de Magalhães, uma galáxia satélite a cerca de 200 mil anos-luz de distância, está situado o jovem enxame estelar NGC 602. Rodeado por gás e poeira natal, NGC 602 é apresentado nesta impressionante imagem obtida pelo Hubble, melhorada com imagens em raios-X pelo Chandra e infravermelhas pelo Spitzer. Cristas fantásticas e formas "penteadas para trás" sugerem fortemente que a radiação energética e ondas de choque das massivas e jovens estrelas de NGC 602 provocaram a erosão do material poeirento e despoletaram uma progressão da formação estelar que se move para fora do centro do enxame. À distância estimada da Pequena Nuvem de Magalhães, a imagemcobre cerca de 200 anos-luz, mas também são aqui visíveis muitas outras galáxias de fundo. Estas galáxias estão centenas de milhões de anos-luz, ou mais, para trás de…