Postagens

Mostrando postagens de Abril 5, 2019

A viagem ao espaço interestelar

Imagem
Ilustração da sonda Voyager da NASA, realçando o seu instrumento MAG.Crédito: Centro de Voo Espacial Goddard da NASA/JPL/Mary Pat Hrybyk-Keith
As sondas Voyager1 e Voyager 2 encontram-se num local que muitos nunca pensaram alcançar. Agora no espaço interestelar, estão a empurrar os limites da exploração, viajando através da vizinhança cósmica, dando-nos o nosso primeiro olhar direto do espaço para lá da nossa estrela.
Mas quando foram lançadas em 1977, a Voyager 1 a Voyager 2 tinham uma missão diferente: explorar o Sistema Solar exterior e recolher observações diretamente na fonte, dos planetas exteriores que só tínhamos visto antes com estudos remotos. Mas agora, quatro décadas após o lançamento, viajaram mais longe do que qualquer outra nave da Terra; para o mundo frio e silencioso do espaço interestelar.
Originalmente construídos para medir as propriedades dos planetas gigantes, os instrumentos de ambas as sondas passaram as últimas décadas pintando uma imagem da propagação dos evento…

VLA faz primeira imagem direta das poderosas galáxias de radio

Imagem
Impressão de artista do objeto poeirento, em forma de donut, em redor do buraco negro supermassivo, do disco de material que orbita o buraco negro, e dos jatos de material ejetados pelo disco no centro de uma galáxia. ver versão sem Crédito: Bill Saxton, NRAO/AUI/NSF
Os astrónomos usaram o VLA ( Karl G. Jansky Very Large Array ) da NSF ( National Science Foundation ) para fazer a primeira imagem direta de uma característica empoeirada, com a forma de um donut, em torno de um buraco negro supermassivo no núcleo de uma das mais poderosas galáxias rádio do Universo - uma característica pela primeira vez postulada pelos teóricos há quase quatro décadas como parte essencial de tais objetos. Os cientistas estudaram Cygnus A, uma galáxia a cerca de 760 milhões de anos - luz da Terra.
A galáxia abriga um buraco negro no seu núcleo que é 2,5 mil milhões de vezes mais massivo que o Sol. À medida que a poderosa atração gravitacional do buraco negro atrai material circundante, também impulsiona ja…

6 Questões que a foto do buraco negro pode ajudar a responder

Imagem
O buraco negro mais visualizado de todos, como ilustrado no filme Interestelar, mostra um horizonte de eventos previsto com bastante precisão para uma classe muito específica de buracos negros rotativos. Profundamente dentro do poço gravitacional, o tempo passa a uma taxa diferente para os observadores do que para nós, muito além disso. Espera-se que o Telescópio Event Horizon revele as emissões em torno do horizonte de eventos de um buraco negro, diretamente, pela primeira vez. INTERESTELAR / R. HURT / CALTECH
Todo mundo já está sabendo que dia 10 de Abril de 2019 deve sair a tão falada, esperada e famosa foto do buraco negro. Bem, como vocês sabem, a foto não é do buraco negro em si, mas sim algo como sendo a sombra do horizonte de eventos na matéria atrás do buraco negro.
A teoria por trás disso é muito complexo, não é atoa que os institutos de pesquisa levaram exatamente 2 anos desde a aquisição dos dados até apresentarem o resultado final. Para poder fazer isso, os pesquisadores en…

Curiosity capturou dois eclipses solares em Marte

Imagem
Esta série de imagens mostra a lua marciana Phobos quando esta cruzou em frente ao Sol, como visto pelo Curiosity Mars da NASA na terça-feira, 26 de março de 2019 (Sol 2359). Crédito: NASA / JPL-Caltech / MSSS
Quando a sonda Curiosity Mars da NASA pousou em 2012, trouxe óculos eclipse. Os filtros solares em sua câmera de mastro (Mastcam) permitem que ela olhe diretamente para o sol. Nas últimas semanas, a Curiosity tem feito um bom uso, enviando de volta algumas imagens espetaculares de eclipses solares causados ​​por Phobos e Deimos, duas luas de Marte.
Fobos, que tem cerca de 11 quilômetros de extensão, foi fotografado em 26 de março de 2019 (o sol, dia marciano, da missão Curiosity); Deimos, com cerca de 2,3 quilômetros de diâmetro, foi fotografado em 17 de março de 2019 (Sol 2350). Phobos não cobre completamente o Sol, então seria considerado um eclipse anular . Porque Deimos é tão pequeno comparado com o disco do Sol, os cientistas diriam que está em trânsito no sol.
Além de captura…