Postagens

Mostrando postagens de Abril 23, 2019

Astrônomos encontram estrelas transmitindo do maior aglomerado globular de nossa galáxia

Imagem
Astrônomos descobriram um fluxo de estrelas retiradas do Omega Centauri, o maior e mais brilhante aglomerado globular ao redor da Via Láctea - e talvez uma galáxia anã. Ao redor da Via Láctea existem mais de 150 aglomerados globulares , antigas cidades estelares com centenas de milhares de habitantes compactos. A maioria desses aglomerados pode ser encontrada no halo quase vazio da galáxia; é provável que eles se formaram antes da nossa galáxia. Mas um desses não é como os outros. Uma visão do icônico aglomerado globular Omega Centauri. ESO / INAF-VST / OmegaCAM; Reconhecimento: A. Grado, L. Limatola / Observatório INAF-Capodimonte Omega Centauri(NGC 5139, ou Omega Cen) é extraordinariamente brilhante, massivo e enorme: 10 milhões de estrelas se espremem em uma esfera de cerca de 150 anos-luz de largura. O que mais intrigam os astrônomos, porém, é que suas estrelas apareçam em pelo menos três populações distintas, sugerindo que o aglomerado se reuniu ao longo de bilhões de anos em vez de…

Físicos medem o vácuo pela primeira vez

Imagem
A física é o campo da ciência que estuda as propriedades da matéria e da energia – ou seja, tudo que existe, e tudo, nesse caso, inclui até mesmo o nada. O vazio não é realmente vazio de acordo com as leis da física quântica. O vácuo, no qual classicamente supõe-se que não haja literalmente “nada”, está repleto de coisas chamadas flutuações do vácuo – pequenas alterações de um campo eletromagnético, por exemplo, que geralmente chegam a zero com o tempo, mas podem se desviar disso por um breve momento.
Para alguns físicos, medir o espectro de pequenas ondas que compõem o espaço vazio que chamamos de vácuo é uma meta há décadas, mas até agora não havia uma boa maneira de fazer isso. Isso mudou nesta semana, quando físicos da ETH Zurich usaram habilmente pulsos de laser para entender a natureza quântica de um vácuo, estabelecendo um marco nas tentativas de medir o nada absoluto.
“As flutuações do campo eletromagnético no vácuo têm consequências claramente visíveis e, entre outras coisas, s…

Como os cientistas capturaram a primeira imagem de um buraco negro

Imagem
Os cientistas obtiveram a primeira imagem de um buraco negro, usando observações do EHT (Event Horizon Telescope) do centro da galáxia M87. A imagem mostra um anel brilhante formado à medida que a luz é curvada sob a intensa gravidade em redor de um buraco negro 6,5 mil milhões de vezes mais massivo do que o Sol.Crédito: Colaboração EHT
Nas notícias
Alcançando o que antes era considerado impossível, uma equipa internacional de astrónomos capturou uma imagem da silhueta de um buraco negro. As evidências da presença de buracos negros - lugares misteriosos no espaço onde nada, nem mesmo a luz, pode escapar - já existem há algum tempo, e os astrónomos há muito que observam os efeitos destes fenómenos nos seus arredores. Na imaginação popular, pensava-se que a captura de uma imagem de um buraco negro era impossível porque uma imagem de algo a partir do qual nenhuma luz pode escapar pareceria completamente escura. 
Para os cientistas, o desafio era o modo como, a partir de milhares ou até milh…