Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 23, 2018

Encontramos evidências de que um planeta em nosso Sistema Solar foi destruído

Em 2008, a Terra foi atingida por um meteorito. Ninguém prestou muita atenção porque esse foi dos milhares de meteoritos que nos atingem o tempo todo. Um telescópio acompanhou seu progresso, enquanto ela atravessava quilômetros de nitrogênio, oxigênio e dióxido de carbono e seu exterior aquecia enquanto ele viajava pelo ar denso. Uma violenta explosão se seguiu, a 37 quilômetros do solo, enviando seus fragmentos rapidamente para as areias do Deserto da Núbia, no Sudão.
A explosão e o colapso foram apenas os momentos finais de uma jornada de bilhões de anos vagando pelo sistema solar. Agora, um novo estudo publicado na revista Nature Communications conta a incrível história de origem do meteorito. Com base nos materiais encontrados dentro dos diamantes que ele carregava, os pesquisadores acreditam que ele pode ser o remanescente de um planeta perdido ou de um embrião planetário – um corpo que ainda estava em sua infância quando o caos do sistema solar ancestral o obliterou.
Essa descober…

Os astrônomos encontraram um 'Jupiter quente' tão escuro que absorve quase 99% da luz

Astrônomos descobriram um planeta tão escuro que absorve quase toda a luz que o atinge através de uma densa camada de neblina. Seus descobridores compararam-no ao carvão e é um dos planetas mais sombrios já descobertos. O planeta em questão, chamado WASP-104b, é um tipo de planeta conhecido como Júpiter quente. Júpiteres quentes são gigantes gasosos com massas na faixa de Júpiter, mas eles são extremamente próximos de suas estrelas, geralmente orbitando em um período de menos de 10 dias.
Devido a essa proximidade, esses planetas também são extremamente quentes. Eles não são uma raridade, mas eles têm um conjunto de características que os tornam um pouco misteriosos. Um deles é que os Júpiteres quentes são relativamente escuros. A maioria deles reflete cerca de 40% da luz das estrelas que os atinge.
O WASP-104b pode ser o mais escuro já encontrado até o momento. De acordo com pesquisadores da Universidade de Keele, no Reino Unido, ela absorve mais de 97% a 99% da luz. A razão para essa e…

NGC 2655 Uma Galáxia Lenticular

Esse objeto bonito, parecido com uma nuvem, pode não parecer muito com uma galáxia, já que ele não apresenta uma forma bem definida, não apresenta braços espirais e nem um bulbo central como numa galáxia elíptica, mas sim, esse objeto é uma galáxia, uma galáxia conhecida como galáxia lenticular. As galáxias lenticulares estão entre as galáxias espirais e as galáxias elípticas, elas tem uma forma de disco como as espirais, mas elas não formam mais uma grande quantidade de estrelas novas, ou seja, possuem somente populações de estrelas velhas, como as galáxias elípticas.
Essa galáxia lenticular em questão é conhecida como NGC 2655 e seu núcleo é extremamente luminoso, o que faz com que ela ainda seja classificada como uma galáxia do Tipo Seyfert. As galáxias do tipo Seyfert são um tipo de galáxias ativas com linhas de emissão no seu espectro fortes e características. Essa luminosidade é produzida à medida que a matéria é dragada no disco de acreção de um buraco negro supermassivo localiz…

Sem saída? Alienígenas em planetas "super-terras" podem ser aprisionados pela gravidade

As superterras são versões gigantes da Terra, ou seja, planetas com condições similares ao nosso, mas muito maiores.Algumas pesquisas científicas têm sugerido que tais planetas são ainda mais habitáveis do que os mundos do mesmo tamanho que o nosso. No entanto, um novo estudo alemão afirma que seria difícil para qualquer civilização alienígena explorar o espaço a partir de tal exoplaneta. 
Já descobrimos vários tipos de exoplanetas em torno de outras estrelas. A classe de exoplanetas chamados “superterras” compreende planetas que podem atingir até dez vezes a massa do nosso.
Várias superterras se encontram nas zonas habitáveis de suas estrelas, onde teoricamente as temperaturas podem suportar água líquida na sua superfície e, assim, potencialmente, a vida como é conhecida na Terra. Alguns artigos também sugeriram que essas superterras poderiam ser ainda habitáveis que planetas mais semelhantes ao nosso, porque suas massas maiores lhes conferem uma atração gravitacional mais forte e por c…