Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março 12, 2019

Hubble Obtém um Aumento Celestial

O Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA geralmente não recebe muita assistência de seus objetos celestes - mas para tirar essa imagem, o telescópio optou pelo trabalho em equipe e fez bom uso de um fascinante fenômeno cósmico conhecido como lente gravitacional.
Esse efeito funciona quando a influência gravitacional de um objeto massivo, como o aglomerado de galáxias nessa imagem, é tão colossal que distorce o espaço circundante, fazendo com que a luz próxima percorra caminhos distorcidos. O objeto massivo é efetivamente transformado em uma gigantesca lente de aumento, dobrando e amplificando a luz viajando de galáxias mais distantes por trás dela.
Neste caso particular, os astrônomos usaram o aglomerado de galáxias em primeiro plano (chamado SDSS J0915 + 3826) para estudar a formação de estrelas em galáxias tão distantes que sua luz levou até 11,5 bilhões de anos para chegar à Terra. Essas galáxias se formaram em um estágio muito inicial da vida do universo, dando aos astrônomos um r…

Galáxia "fantasmagórica" pode ajudar a desvendar origem do universo

A DGSAT I foi descoberta em 2016 e está intrigando os cientistas com suas características incomuns DGSAT I (ESQUERDA) É UMA GALÁXIA ULTRA-DIFUSA QUE NÃO TEM MUITAS ESTRELAS COMO GALÁXIAS NORMAIS (DIREITA) (FOTO: A. ROMANOWSKY/UCO/D. MARTINEZ-DELGADO/ARI)
Uma galáxia fantasmagórica tem intrigado os cientistas: ela brilha com apenas um vislumbre fraco de luz das estrelas e não sofreu alterações desde seu surgimento. O mais curioso: os astrônomos não têm ideia de como ela se formou e foi parar lá, mas compartilharam suas conclusões sobre o fenômeno em pesquisa publicada na revista Monthly Notices da Royal Astronomical Society.
Encontrada em 2016, a DGSAT I é uma galáxia ultra-difusa (UDG), o que significa que é tão grande quanto uma galáxia normal mas emite pouca luz das estrelas. Essa diferença pode ser importante para desvendar mistérios sobre a origem do universo, considerando que ela sofreu poucas alterações ao lingo dos anos. Segundo os pesquisadores, "não tem havido muita ativida…

Teoria dos “buracos brancos” é um mistério que perdura há anos!

Um buraco branco é uma característica hipotética do Universo, o oposto de um buraco negro. São erupções de matéria e energia nas quais nada pode entrar.  Seriam, em tese, uma solução possível para as leis da Relatividade Geral. Essa lei implica que, se buracos negros eternos existem no Universo, um buraco branco também deve existir. É um tempo de inversão de um buraco negro. Acredita-se que eles possam ter gravidade, atraindo objetos, mas nada em rota de colisão com um buraco branco será capaz de alcançá-lo.
Teoricamente, ao se aproximar de um buraco branco em uma nave espacial, haveria uma quantidade colossal de energia emitida, podendo destruir a nave, mesmo que ela pudesse resistir a raios gama. E mesmo que a nave espacial tenha sido construída para não ser afetada pela emissão de energia, o espaço-tempo se deformaria de forma estranha em torno de um buraco branco. A aceleração necessária ficaria cada vez maior, e o deslocamento, cada vez menor. Assim, não haveria energia suficient…

A Via Láctea vai colidir com outra galáxia e vai ficar incrível

A Via Láctea está em um curso intensivo com um de seus vizinhos mais próximos, uma espiral de poeira e estrelas conhecida como a Grande Nuvem de Magalhães (LMC). Neste momento, o LMC orbita nossa galáxia a uma distância segura de cerca de 200.000 anos-luz. Mas daqui a 2 bilhões de anos, cientistas da Universidade de Durham prevêem que os dois corpos celestes colidirão.
E a vista da Terra será espetacular.
Como a Via Láctea absorve seu vizinho menor, o buraco negro no centro da nossa galáxia vai devorar as nuvens de gás e as estrelas do LMC. Toda essa nova massa iria inflar o buraco negro para 8 vezes o seu tamanho atual, e poderia até transformá-lo em um quasar - um dos objetos mais brilhantes do universo.
Em um comunicado, o co-autor Carlos Frenk previu "uma exibição espetacular de fogos de artifício cósmicos, como o recém-desperto buraco negro supermassivo no centro da nossa galáxia reage emitindo jatos de radiação energética extremamente brilhante".
De fato, os quasares emite…

Cientistas alertam para (pequena) probabilidade de colisão de um asteroide com a Terra

O asteroideApophis poderá colidir com a Terra em 2068, de acordo com um artigo científico da Universidade Estatal de São Petersburgo, na Rússia. Os especialistas advertem que, antes da provável colisão, a rocha espacial passará várias vezes perto de nosso planeta, a uma distância muito curta, menor inclusive que a que nos separa da Lua. Mas não há motivo para desespero: a possibilidade é de uma em 2,3 milhões.
A princípio, os especialistas russos calcularam que o impacto poderia acontecer em  2029 ou 2036. Mais tarde, no entanto, pesquisadores da NASA estabeleceram que essas probabilidades são ainda mais escassas. "As técnicas computadorizadas mais modernas e os novos dados disponíveis indicam que a probabilidade de um choque do Apophis contra a Terra em 2036 caiu de uma para 45.000 para cerca de quatro em um milhão", disse Steve Chesley, da NASA. Caso um asteroide das mesmas dimensões do Apophis atingisse nosso planeta, o impacto seria equivalente ao da bomba russa Tsar, o ar…

De um buraco negro a um buraco branco: é possível essa transformação?

A Teoria da Relatividade Geral prediz a existência de buracos negros e buracos brancos. Várias das predições feitas por Albert Einstein, em 1915, foram confirmadas com o tempo. Sobre os buracos negros existe uma vasta constatação observacional. No entanto, o mesmo não acontece com os buracos brancos.
Em primeiro lugar, o que é um buraco branco? “É a imagem reversa temporal de um buraco negro. Um buraco branco é uma região do espaço-tempo que atua como uma fonte que ejeta matéria a partir de seu horizonte de eventos”, explicou a Infobae Daniela Pérez, PhD em astronomia e pesquisadora do CONICET do Instituto Argentino de Radioastronomia (IAR).
Há poucos dias, cientistas da Universidade Complutense de Madrid publicaram um estudoem que mostram que é possível, em um curto lapso de tempo, que um buraco negro se transforme em um buraco branco. Por exemplo, ao invés das partículas ficarem aprisionadas em seu horizonte de eventos – uma espécie de fronteira espacial – elas seriam liberadas.
“Isso …

Estrelas K podem ser as ideias para encontrar mundos habitáveis

Os cientistas que procuram sinais de vida para além do nosso Sistema Solar enfrentam grandes desafios, um dos quais é o de que existem centenas de milhares de milhões de estrelas, só na nossa Galáxia, a serem consideradas. Para restringir a busca, precisam de descobrir: que tipos de estrelas têm maior probabilidade de hospedar planetas habitáveis?
Um novo estudo descobriu que uma classe particular de estrelas chamadas estrelas K, que são mais fracas que o Sol, mas mais brilhantes que as estrelas mais ténues, podem ser um alvo particularmente promissor na busca por sinais de vida.
Porquê? Em primeiro lugar, as estrelas K vivem muito tempo - 17 a 70 mil milhões de anos, em comparação com os 10 mil milhões de anos do Sol - dando bastante tempo para a vida evoluir. Além disso, as estrelas K têm menos atividade extrema na sua juventude do que as estrelas mais ténues do Universo, chamadas estrelas M ou "anãs vermelhas".
As estrelas M oferecem algumas vantagens na busca por planetas h…