Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 3, 2019

Um morcego cósmico em voo

Escondido num dos cantos mais escuros da constelação de Orion, este Morcego Cósmico abre as suas asas difusas no espaço interestelar a cerca de 2000 anos-luz de distância da Terra, iluminado por estrelas jovens aninhadas no seu centro — apesar de estarem cobertas por opacas nuvens de poeira, os seus raios brilhantes conseguem ainda iluminar a nebulosa. Demasiado tênue para poder ser observada a olho nu, a NGC 1788 revela as suas cores suaves nesta imagem obtida pelo Very Large Telescope do ESO — a mais detalhada obtida até à data. Crédito: ESO Fonte: ESO

A nebulosa planetária Abell 33

Astrônomos utilizaram o Very Large Telescope do ESO no Chile para capturar esta bela imagem da nebulosa planetária Abell 33. Formada quando uma estrela em envelhecimento lançou para o espaço as suas camadas externas, esta bonita bolha azul está, por mero acaso, alinhada com uma estrela que se encontra em primeiro plano, o que torna o conjunto extremamente parecido a um anel de noivado com um diamante. Esta jóia cósmica é estranhamente simétrica, aparecendo como um círculo quase perfeito no céu.
Crédito: ESO Fonte: ESO

Explosões de estrelas e queimaduras lentas

Crédito: ALMA (ESO / NAOJ / NRAO); NRAO / AUI / NSF, B. Saxton
Esta é uma das 74 galáxias vizinhas cujos berçários estelares foram recentemente observados pelo Atacama Large Millimeter / submillimeter Array, ou ALMA, em um censo astronômico chamado Física em Alta Resolução Angular em GalaxieS Perto (PHANGS). Até agora, cerca de 100 mil desses berçários estelares foram fotografados em mais de 750 horas de observação. A notável sensibilidade do ALMA fornece dados em resolução alta o suficiente para estudar essas regiões em detalhes, e mostra que algumas estão repletas de novas estrelas, enquanto outras evoluem mais gradualmente.
Essa diversidade antecipada no processo de formação das estrelas foi a motivação por trás desse enorme esforço. Há muito tempo existem teorias que visam explicar como e por que essas diferenças podem ocorrer, algumas envolvendo as características da própria galáxia doméstica - propriedades como tamanho, idade e dinâmica interna -, mas nossa falta de dados de alta …

Por que algumas uniões galácticas levam à desgraça?

Três imagens do Telescópio Espacial Spitzer da NASA mostram pares de galáxias à beira de consolidações cósmicas. Embora as galáxias pareçam separadas agora, a gravidade as une e logo elas se combinam para formar novas galáxias fundidas. Algumas galáxias fundidas terão bilhões de anos de crescimento. Para outros, no entanto, a fusão dará início a processos que acabarão com a formação de estrelas, condenando as galáxias a murchar prematuramente.
Apenas alguns por cento das galáxias no universo próximo estão se fundindo, mas as fusões de galáxias foram mais comuns entre 6 bilhões e 10 bilhões de anos atrás, e esses processos moldaram profundamente nossa moderna paisagem galáctica. Por mais de 10 anos, os cientistas que trabalham no Great Observatories All-sky LIRG Survey, ou GOALS, têm usado galáxias próximas para estudar os detalhes das fusões de galáxias e usá-las como laboratórios locais para aquele período anterior da história do universo. 
A pesquisa se concentrou em 200 objetos próxi…

Cientista aprofundam conhecimento sobre Buraco Negro que cospe

Dados do observatório de alta energia, Integral, da ESA, ajudaram a esclarecer o funcionamento de um misterioso buraco negro que se encontra a lançar "balas" de plasma enquanto gira no espaço. O buraco negro faz parte de um sistema binário conhecido como V404 Cygni e está a sugar material de uma estrela companheira. Encontra-se na nossa Via Láctea, a cerca de 8000 anos-luz da Terra, e foi identificado pela primeira vez em 1989, quando provocou um enorme surto de radiação altamente energética e de material. Após 26 anos de dormência, acordou novamente em 2015, tornando-se por um curto período de tempo o objeto mais brilhante no céu observável em raios-X altamente energéticos. Com base em dados recolhidos durante este surto, os cientistas pensam que a parte interna do disco de acreção está inclinada em relação ao resto do sistema, provavelmente devido à rotação do buraco negro que está inclinada em relação à órbita da estrela companheira. Uma animação dos jatos em precessão e …