Postagens

Mostrando postagens de Outubro 30, 2017

O fantasma de MIRACH

Imagem
No que diz respeito aos fantasmas, o Fantasma de Mirach não é tão assustador. O Fantasma de Mirach é apenas uma galáxia apagada e difusa, bem conhecida pelos astrônomos, que é vista quase ao longo da linha de visão de Mirach, uma estrela brilhante. Centrada nesse campo estelar, Mirach, que é também conhecida como Beta Andromedae. Localizada a cerca de 200 anos-luz de distância da Terra, Mirach é uma estrela do tipo gigante vermelha, mais fria que o Sol, mas muito maior e intrinsicamente mais brilhante do que a nossa estrela. Na maioria das visões telescópicas, o brilho e os spikes de difração, tendem a esconder as coisas que se localizam perto da estrela Mirach, e isso faz com que a galáxia apagada e difusa pareça uma reflexão interna fantasmagórica da luz da estrela. Você não achou a galáxia na imagem acima, olhe novamente, ela está logo acima e a esquerda da estrela Mirach. O Fantasma de Mirach é uma galáxia catalogada como NGC 404 e estima-se que ela esteja a cerca de 10 milhões de…

NGC 7635 – Uma bolha num mar CÓSMICO

Imagem
À deriva em um verdadeiro mar cósmico repleto de estrelas e gás incandescente, a aparição delicada e flutuante à esquerda do centro dessa visão de campo amplo é catalogada como NGC 7635, a Nebulosa da Bolha. Com 10 anos-luz de largura, a Nebulosa da Bolha foi soprada por ventos de uma estrela massiva. Ela localiza-se dentro de um complexo maior de nuvens de gás e poeira interestelar a cerca de 11 mil anos-luz de distância da Terra, na fronteira entre as constelações de Cepheus e Cassiopeia. Nessa bela imagem, ainda podemos ver o aglomerado estelar aberto M52 (na parte esquerda inferior), localizado a cerca de 5000 anos-luz de distância da Terra. Acima e a direita da Nebulosa da Bolha está uma região de emissão identificada como Sh2-157, também conhecida como Nebulosa da Garra. A imagem acima foi feita com 47 horas de exposição usando dados de banda larga e estreita, essa imagem se espalha por cerca de 3 graus no céu. Isso corresponde a uma largura de 500 anos-luz se considerarmos a di…

HUBBLE descobre "GALÁXIAS OSCILANTES"

Imagem
Abell S1063, um enxame de galáxias, observado pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA como parte do programa Frontier Fields.A enorme massa do enxame age como uma lupa cósmica e amplia galáxias ainda mais distantes, que se tornam suficientemente brilhantes para o Hubble as observar.Crédito: NASA, ESA e J. Lotz (STScI)
Usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA, os astrónomos descobriram que as galáxias mais brilhantes dentro de enxames galácticos "oscilam" em relação ao centro de massa do enxame. Este resultado inesperado é inconsistente com as previsões feitas pelo modelo padrão atual da matéria escura. Com uma análise mais aprofundada, pode fornecer informações sobre a natureza da matéria escura, talvez até indicando a presença de uma nova física. A matéria escura constitui um pouco mais que 25% de toda a matéria no Universo, mas não pode ser observada diretamente, o que a torna num dos maiores mistérios da astronomia moderna. Halos invisíveis da elusiva matéria esc…

Bela imagem da nebulosa escura LDN 183

Imagem
A imagem acima mostra a Nebulosa Escura Beverly Lynds 183 localizada a cerca de 325 anos-luz de distância da Terra, vagando bem acima do plano da nossa Via Láctea. Obscurecendo a luz das estrelas atrás dela quando observada no comprimento de ondas da luz visível, a nuvem molecular escura e empoeirada, parece não ter estrela alguma. Mas no comprimento de onda do infravermelho distante é possível revelar densas aglomerações no seu interior, provavelmente estrelas nos seus primeiros estágios de formação enquanto que regiões destacadas da nuvem estão em processo de colapso gravitacional. Essa nebulosa é uma das nuvens moleculares mais próximas da Terra, e aparece na constelação da Serpens Caput. Essa bela imagem se espalha por cerca de meio grau no céu. Isso é o equivalente a 3 anos-luz na distância estimada da Nebulosa Escura Lynds 183. Fonte: NASA

Uma estrela simbiótica em Aquário

Imagem
A estrela variável R Aquarii é de fato duas estrelas uma orbitando a outra com um período de cerca de 44 anos. A estrela primária é uma variável gigante vermelha, significando que ela pulsa, esses pulsos seguem mudanças na temperatura e drásticas flutuações de brilho num ciclo de cerca de 390 dias. A estrela secundária é uma anã branca que suga material da gigante vermelha. Parte do material sugado algumas vezes é ejetado, formando uma nebulosa espetacular em loop. Esse tipo de par de estrelas, ou seja, uma anã branca e uma gigante vermelha é conhecido como uma estrela simbiótica. A imagem acima foi feita com algumas imagens obtidas em diferentes comprimentos de onda pelo Telescópio Espacial Hubble. Fonte: https://cosmosmagazine.com/space/a-symbiotic-star-in-aquarius