Postagens

Mostrando postagens de Março 23, 2018

Big Bang é ciência ou dogma científico?

Imagem
A ciência da cosmologia "Os cosmologistas estão frequentemente errados, mas nunca estão em dúvida," brincou certa vez o físico russo Lev Landau. Provavelmente não daria para ser diferente, uma vez que os cosmologistas trabalham com poucas possibilidades de colher dados experimentais, dependendo largamente de hipóteses e modelos que façam sentido. Além disso, é bem sabido que a ciência funciona em um sistema de autocorreção no qual estar certo nem sempre é o mais importante. Os astrônomos começaram observando e modelando estrelas em diferentes estágios de evolução e comparando seus resultados com previsões teóricas para validá-las ou descartá-las. E essa modelagem estelar usa física bem testada, com conceitos como equilíbrio hidrostático, lei da gravitação, termodinâmica, reações nucleares etc. Por outro lado, a cosmologia é baseada em uma grande quantidade de suposições não testadas, como a matéria escura não bariônica e a energia escura, cuja física não possui vínculo comprovad…

Nova teoria para explicar por que os planetas em nosso sistema solar têm composições diferentes

Imagem
 Crédito: CC0 Public Domain Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Copenhague e do Museu de Naturkunde, Leibniz-Institut für Evolutions, apresentou uma nova explicação sobre a diferença na composição dos planetas do nosso sistema solar.  Em seu artigo publicado na revista Nature , eles descrevem seu estudo da composição do isótopo de cálcio de certos meteoritos, a própria Terra e Marte, e usam o que aprenderam para explicar como os planetas poderiam ser tão diferentes. A maioria dos cientistas planetários concorda que os planetas do nosso sistema solar tinham origens semelhantes às pequenas rochas que orbitam o Sol, compreendendo o disco protoplanetário, que colidia e fundia, criando rochas cada vez maiores que acabaram se tornando protoplanetas. 
Mas, a partir daí, não está claro por que os planetas se revelaram de maneira tão diferente. Nesse novo estudo, os pesquisadores criaram uma nova teoria para explicar como isso aconteceu. Os protoplanetas cresceram na mesma proporção, …

Astrônomos descobrem como usar lentes gravitacionais para medir a massa de Anãs Brancas

Imagem
Para estudar os objetos mais distantes do Universo, os astrônomos geralmente usam uma técnica conhecida como Lente Gravitacional. Com base nos princípios da Teoria da Relatividade Geral de Einstein, essa técnica usa uma grande distribuição de matéria (como um aglomerado de galáxias ou uma estrela) para ampliar a luz vinda de um objeto distante, tornando-a mais brilhante e maior. No entanto, nos últimos anos, os astrônomos encontraram outros usos para essa técnica. Por exemplo, uma equipe de cientistas do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian (CfA) descobriu recentemente que a Lente Gravitacional também poderia ser usada para determinar a massa de estrelas anãs brancas. Essa descoberta pode levar a uma nova era na astronomia, onde a massa de objetos mais fracos pode ser determinada. Imagem feita pelo Hubble da estrela anã branca PM I12506 + 4110E (o objeto brilhante, visto em preto nesta impressão negativa) e seu campo que inclui duas estrelas distantes PM12-MLC1 e 2. Crédito: Hardi…

CURIOSITY comemora sol 2000 em MARTE

Imagem
Mosaico do Monte Sharp feito pelo rover Curiosity da NASA. Curiosity tem escalado o monte desde Setembro de 2014. O rover atinge um novo marco, seu milésimo dia em Marte, ou sol, no Planeta Vermelho. O mosaico foi montado a partir de dezenas de imagens tiradas no sol de 1931 em Janeiro pela Mast Camera da Curiosity (Mastcam). O mosaico de imagens tiradas pelo rover em janeiro oferece uma prévia do que vem a seguir. No centro da imagem está o próximo grande alvo científico do rover, uma área que os cientistas estudaram em órbita e determinaram conter minerais de argila. 
A formação de minerais de argila requer água. Os cientistas já determinaram que as camadas inferiores do Monte Sharp se formavam dentro de lagos que outrora cercavam o chão da cratera Gale. A área à frente poderia oferecer informações adicionais sobre a presença de água, quanto tempo ela pode ter persistido e se o ambiente antigo pode ter sido adequado para a vida.
A equipe de cientistas da Curiosity está ansiosa para an…