Postagens

Mostrando postagens de Agosto 20, 2019

A Morte de uma Estrela

Imagem
A imagem acima feita pelo Telescópio Espacial Hubble, mostra uma cena escura e sombria na constelação de Gêmeos. O objeto dessa imagem confundiu os astrônomos que o estudaram pela primeira vez, ao invés de ser classificado como sendo um único objeto ele foi registrado como sendo dois objetos devido à sua estrutura de lobos, conhecido como NGC 2371 e NGC 2372, ou as vezes referido de forma conjunta como NGC 2371/72.
Esses dois lobos visíveis na parte superior esquerda e inferior direita do frame, formam algo que é conhecido como uma nebulosa planetária. Apesar do nome, essas nebulosas nada tem a ver com planetas. A NGC 2371/2 se formou quando uma estrela parecida com o Sol atingiu o fim da sua vida e expeliu suas camadas externas, junto com o material e empurrando tudo isso para o espaço, deixando para trás apenas uma remanescente estelar superaquecida. Essa remanescente é visível como uma estrela de tonalidade laranja, no centro do frame, entre os dois lobos.
A estrutura dessa região é …

Falhas descobertas em estrelas de nêutrons revelam segredos

Imagem
As estrelas de nêutrons não são apenas os objetos mais densos do Universo, mas também giram muito rápido e regularmente, até deixarem de fazê-lo.Ocasionalmente, estas estrelas de nêutrons começam a girar mais rápido, devido a partes do interior da estrela se movendo para fora. É chamado de “falha” e fornece aos astrônomos uma breve visão sobre o que está dentro desses objetos misteriosos.
Em um artigo publicado na revista Nature Astronomy, uma equipe da Universidade Monash, da Universidade McGill e da Universidade da Tasmânia estudaram a Vela Pulsar, uma estrela de nêutrons no céu do sul, que fica a 1.000 anos-luz de distância.
Segundo o principal autor do artigo, Dr. Greg Ashton, da Monash School of Physics and Astronomy, Vela é famosa – não apenas porque apenas 5% dos pulsares são conhecidos por apresentarem falhas, mas também porque Vela “falha” cerca de uma vez a cada três anos, se tornando uma favorita para os “caçadores de falhas”, como o Dr. Ashton e seu colega, Dr. Paul Lasky, t…

LUA brilha mais do que o SOL em imagens do FERMI da NASA

Imagem
Estas imagens mostram a visão cada vez mais aprimorada do brilho de raios-gama da Lua do Telescópio Espacial de Raios-gama Fermi da NASA. Cada imagem de 5 por 5 graus é centrada na Lua e mostra raios-gama com energias acima dos 31 milhões de eletrões-volt, dezenas de milhões de vezes superiores à da luz visível. Nestas energias, a Lua é realmente mais brilhante do que o Sol. As cores mais brilhantes indicam um maior número de raios-gama. Esta sequência de imagens mostra como exposições mais longas, variando de dois a 128 meses (10,7 anos), melhorou a visão. Crédito: NASA/DOE/Colaboração LAT do Fermi
Se os nossos olhos pudessem ver radiação altamente energética chamada raios-gama, a Lua pareceria mais brilhante do que o Sol! É assim que o Telescópio Espacial de Raios-gama Fermi da NASA tem visto o nosso vizinho no espaço ao longo da última década. As observações de raios-gama não são sensíveis o suficiente para ver claramente a forma de disco da Lua ou quaisquer características da super…

Misteriosas estrelas negras podem ter criado os buracos negros supermassivos

Imagem
Uma nova teoria tenta explicar a origem dos misteriosos buracos negros supermassivos que estão no centro de quase todas as galáxias. E fala que suas origens podem remontar a outro misterioso e hipotético objeto do universo primitivo: as estrelas negras. Estudos sugerem que estrelas negras seriam feitas do mesmo material que estrelas normais – ou seja, hidrogênio e hélio. Uma questão crucial, contudo, leva os cientistas a crer que essas estrelas não são somente feitas desses materiais.
Por serem um dos primeiros tipos de estrelas formadas após o Big Bang, uma quantidade significativa de partículas massivas que interagem fracamente (WIMPs), uma candidata à matéria escura, poderia estar presente nas composições das estrelas negras. Essas WIMPs poderiam se aniquilar e manter o núcleo da estrela estável para não entrar em colapso gravitacional, como o que ocorre com as estrelas atuais.
Para a revista Astronomy, a pesquisadora Katherine Freese, da Universidade do Texas, disse que os WIMPs rep…

Uma estrela supermassiva explodiu e não deixou nada para trás

Imagem
A vida de uma estrela massiva normalmente termina numa dramática explosão, lançando uma grande quantidade de energia e deixando para trás um buraco negro ou uma estrela de nêutrons. Mas isso não acontece sempre. Os pesquisadores já suspeitavam a muito tempo que estrelas com uma determinada massa poderiam explodir de maneira que não deixassem nada para trás.
A supernova SN 2016iet pode ser um desses casos. Ela é descrita pelos pesquisadores como sendo uma supernova de instabilidade de par, ou uma supernova de instabilidade de par instável. Nesse tipo de evento, as camadas externas colapsam com tanta energia que são produzidosraios gama que posteriormente são convertidos em pares deelétrons e pósitrons. 
A produção de matéria e anti-matéria a partir de raios gama se propaga por toda a estrela. Os pares de partículas e anti-partículas continuam a se formar e se aniquilar, levando a uma explosão que não deixa nada para trás. A equipe foi capaz de estimar a composição química e a massa esper…