Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 15, 2019

Planetas pequenos e resistentes tem maior probabilidade de sobreviver à morte de suas estrelas

Um asteróide dilacerado pela forte gravidade de uma anã branca formou um anel de partículas de poeira e detritos que orbitam o núcleo estelar queimado do tamanho da Terra. Crédito: Universidade de Warwick / Mark Garlick
Planetas pequenos e resistentes, repletos de elementos densos, têm a melhor chance de evitar serem esmagados e engolidos quando sua estrela-mãe morre, descobriu uma nova pesquisa da Universidade de Warwick. A nova pesquisa foi publicada na revista Monthly Notices da Royal Astronomical Society .
Os astrofísicos do Grupo de Astronomia e Astrofísica de Warwick modelaram as chances de os diferentes planetas serem destruídos pelas forças de maré quando suas estrelas hospedeiras se tornam anãs brancas e determinaram os fatores mais significativos que decidem se eles evitam a destruição .
Seu "guia de sobrevivência" para exoplanetas pode ajudar os astrônomos a localizar potenciais exoplanetas em torno de estrelas anãs brancas , enquanto uma nova geração de telescópios …

Uma distorção no espaço-tempo é teoricamente possível. Mas como os físicos podem encontrá-la?

Uma distorção no espaço-tempo é um fenômeno que altera o fluxo do tempo, acelerando-o ou fazendo com que ele corra mais devagar. Parece impossível ou o tema de alguma ficção científica, mas os físicos sabem que tal fenômeno é real há mais de 100 anos. Na verdade, vivemos em uma espécie de distorção do espaço-tempo aqui mesmo, na Terra.  Para entender o que isso significa, precisamos da ajuda de Einstein.
Relatividade geral
Em 1905, Albert Einstein publicou pela primeira vez sua teoria da relatividade especial, seguida uma década depois por sua continuação, a teoria da relatividade geral.Esta postula que a gravidade é uma propriedade da curvatura do espaço e do tempo – o tecido de nosso universo. Como resultado, qualquer coisa que tenha massa pode distorcer o tempo.
Naturalmente, quanto mais massa tiver essa coisa, mais ela distorce o tempo. Os buracos negros, por exemplo, com massas bilhões de vezes maiores do que o sol, têm um grande potencial de distorção de tempo. Se você se aproximas…

Nossa realidade poderia ser um "HOLOGRAMA" criado pela física quântica

Novas Respostas
Desde que Einstein postulou que o espaço e o tempo estavam inextricavelmente ligados, os cientistas se perguntaram de onde vem a teia cósmica chamada espaço-tempo. Agora, a pesquisa em andamento na física quântica pode finalmente chegar a uma explicação: um fenômeno bizarro chamado emaranhamento quântico poderia ser a base subjacente para as quatro dimensões do espaço e do tempo em que todos vivemos, de acordo com um mergulho profundo pela  revista Knowable . De fato, em uma reviravolta surpreendente, nossa realidade poderia ser um "holograma" desse estado quântico.
Reino Quântico
Quando duas partículas são capazes de reagir simultaneamente e instantaneamente umas com as outras, apesar de estarem separadas por grandes diferenças , diz-se que estão emaranhadas. Mas de acordo com as regras do espaço-tempo, isso significaria que as partículas às vezes enviam comunicações mais rápidas que a velocidade da luz - aparentemente colocando a física quântica contra a veloc…

NASA simula colisão de asteroide com a Terra; Nova York acaba destruída

Mapa fictício demonstra os danos que seriam causados em Nova York por um asteroide. Imagem: Divulgação / NASA
Uma vez ou outra surge a notícia de um asteroide que passará próximo da Terra. Mas, e se o corpo celeste representasse um perigo real, estaríamos preparados? Uma simulação da NASA demonstrou os esforços de agências espaciais de todo o mundo para "derrotar" um asteroide que atingiria a cidade de Denver, nos Estados Unidos. O problema é que os cientistas acabaram destruindo Nova York como consequência de salvar Denver, cidade que fica a mais de 2 mil quilômetros de distância do alvo inicial. O teste foi realizado na semana passada durante a Conferência Anual de Defesa Planetária da NASA, que reuniu agências espaciais de todo o mundo, como a FEMA (Agência Federal de Gestão de Emergências). A simulação começou com a descoberta do fictício PDC 2019, que tinha apenas uma chance em 50 mil de atingir a Terra.  O corpo celeste estava longe graças à órbita excêntrica que o estava …