Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 19, 2018

Mais um passo foi dado no projeto do telescópio James Webb

Imagem
Você já deve ter ouvido falar do telescópio Hubble nas aulas de Ciências, certo? Agora, chegou a vez do sucessor dele. O telescópio espacial James Webb é um dos projetos mais ambiciosos da NASA, projetado para ter especificações técnicas que sejam ainda mais potentes do que aquelas em seus antecessores. Os espelhos do Webb, por exemplo, são sete vezes maiores do que os do Hubble, o que garante uma área bem maior de captura de imagens.
O James Webb está com uma missão muito importante para completar no espaço. No ano que vem, quando for lançado, ele será considerado o telescópio mais potente já construído e deverá continuar a exploração a partir de onde o Hubble e o Spitzer, seus antecessores, pararam, para ajudar os cientistas a saber mais sobre os mistérios do Universo.
Agora, o equipamento está finalmente passando pelos últimos testes antes de ser enviado para o espaço. Na prática, isso significa que o James Webb foi introduzido em uma câmara gigante com puro vácuo – sim, com a i…

A estrela LL ORI e sua interação com a nebulosa de ORION

Imagem
As estrelas podem criar ondas no mar de gás e poeira da Nebulosa de Orion. Essa imagem detalhada e estética das nuvens cósmicas e dos ventos estelares, mostra a estrela LL Orionis, interagindo com o fluxo da Nebulosa de Orion. À deriva no berçário estelar de Orion, e ainda nos anos de sua formação, a estrela variável LL Orionis, produz um vento mais energético do que o vento gerado por uma estrela de idade média como o Sol. À medida que o vento estelar rápido corre dentro do gás lentamente em movimento, uma onda de choque é formada, algo análogo ao que acontece om um navio se movendo na água ou um avião viajando à velocidades supersônicas. A bela, pequena e arqueada estrutura logo acima e à esquerda do centro é a onda de choque da LL Ori, medindo cerca de meio ano-luz de diâmetro. O gás mais lento está se movendo para longe do aglomerado central de estrelas da Nebulosa de Orion, o Trapézio, localizado no canto superior esquerdo, porém fora da imagem. Em três dimensões, a onda de choqu…

Naves e robôs espaciais poderão afundar se pousarem em lua de Júpiter

Imagem
Para ir além da camada superficial, a NASA está desenvolvendo um radar que estudará as profundezas das luas geladas de Júpiter.[Imagem: ESA/ATG/NASA/J. Nichols/JPL/Universidade do Arizona/DLR]
Lua com densidade baixa demais Pode não ser tão simples como se esperava enviar uma sonda para pousar na lua Europa, de Júpiter. Europa parece ser tão porosa que um robô ou sonda espacial pode simplesmente afundar na superfície da lua antes de ter tempo de transmitir qualquer informação. Esta é a conclusão de uma equipe chefiada por Robert Nelson, do Instituto de Ciências Planetárias, nos EUA, depois de analisar cuidadosamente os dados que vêm sendo coletados ao longo dos anos das luas Io, Europa e Ganimedes, além de asteroides como o 44 Nysa e o 64 Angelina. Devido às grandes chances de haver vida em Europa, a lua de Júpiter tornou-se oalvo número um na busca por vida extraterrestre - uma sonda espacial europeia será lançada rumo às luas de Júpiter nos próximos anos, enquanto uma missão com módulo d…

Novos modelos fornecem informações do coração da nebulosa Roseta

Imagem
A Nebulosa Roseta, com base em dados obtidos como parte do Levantamento Fotométrico H-alpha INT do Plano Galáctico Norte.Crédito: Nick Wright, Universidade Keele (Colaboração IPHAS)
Uma nova investigação, liderada pela Universidade de Leeds, fornece uma explicação para a discrepância entre o tamanho e idade da cavidade central da Nebulosa Roseta e o tamanho e idade das suas estrelas centrais. A Nebulosa Roseta encontra-se na nossa Via Láctea, a aproximadamente 5000 anos-luz da Terra, e é conhecida pela sua forma de rosa e pelo seu distintivo orifício no centro. A nebulosa é uma nuvem interestelar de poeira, hidrogénio, hélio e outros gases ionizados com várias estrelas gigantes agrupadas num enxame dentro do seu coração. Os ventos estelares e a radiação ionizante destas estrelas massivas afetam a forma da nuvem molecular gigante. Mas o tamanho e a idade da cavidade observada no centro da Nebulosa Roseta são demasiado pequenas quando comparadas com a idade das suas estrelas centrais - alg…

O cometa azul desfilando por uma bela paisagem cósmica

Imagem
O cometa PanSTARRS também conhecido como O Cometa Azul (C/2016 R2) está bem perto do canto inferior esquerdo dessa bela imagem feita no dia 13 de Janeiro de 2018. Se espalhando por quase 20 graus no céu, essa bela paisagem cósmica ela pode ser explorada com detalhe, graças ao tempo de exposição e aos frames bem processados a partir dos dados obtidos por uma câmera digital sensível. Ela mostra as nuvens coloridas e as nebulosas escuras e empoeiradas outrora muito apagadas para serem vistas a olho nu. Na parte superior direita , a Nebulosa da Califórnia, também conhecida como NGC 1499, tem a sua forma familiar. Sua linha de costa tem mais de 60 anos-luz de comprimento e localiza-se a cerca de 1500 anos-luz de distância da Terra. O pronunciado brilho avermelhado da nebulosa é devido aos átomos de hidrogênio ionizados pela luminosa estrela azul Xi Persei, logo abaixo dela. Perto da parte central inferior, está o famoso aglomerado de estrelas das Plêiades, que está localizada a cerca de 40…