Postagens

Mostrando postagens de Maio 30, 2018

Meteorito antigo conta história da topografia de Marte

Imagem
O meteorito marciano Northwest Africa (NWA) 7034, com a alcunha "Black Beauty", pesa aproximadamente 320 gramas.Crédito: NASA
Ao examinarem um antigo meteorito marciano que pousou no deserto do Saara, cientistas e colaboradores do LLNL (Lawrence Livermore National Laboratory) determinaram como e quando a divisão crustal topográfica e geofísica do Planeta Vermelho se formou. NWA (Northwest Africa) 7034 é o mais antigo meteorito marciano descoberto até à data, com aproximadamente 4,4 mil milhões de anos. O meteorito é uma brecha (contém uma variedade de rochas crustais que foram misturadas e depois sinterizadas por aquecimento) e é a única amostra de Marte com uma composição representativa da crosta média marciana. 
O meteorito forneceu aos investigadores uma oportunidade única para estudar a antiga crosta de Marte. A equipa aplicou um número de técnicas de datação radioisotópica para determinar que a divisão (ou dicotomia) entre os planaltos meridionais fortemente craterados do…

Uma lupa para um pulsar

Imagem
Astrônomos descobriram um pulsar que vem com sua própria lupa - cortesia de seu companheiro anão marrom que está sendo despedaçado. O pulsar PSR B1957 + 20 é visto em segundo plano através da nuvem de gás que envolve seu companheiro estrela marrom anão. Mark A. Garlick / Instituto Dunlap de Astronomia e Astrofísica, Univ. de Toronto
Em um sistema a 6.500 anos-luz de distância, um pulsar e uma anã marrom dançam um dervixe cósmico, chicoteando um ao outro a cada nove horas. Sua dança não vai durar - além de seu feixe de ondas de rádio como um farol, o pulsar PSR B1957 + 20 está emitindo um vento feroz de partículas que está lentamente explodindo seu companheiro. Por essa razão, o pulsar ganhou o nome de “viúva negra”, depois das espécies de aranha que comem seu parceiro.  Mas antes que a refeição esteja completa, a anã marrom tem algo a nos oferecer: uma lupa que expõe o pulsar em detalhes incríveis.
O sistema inteiro é minúsculo: a anã marrom é do tamanho de Júpiter e o pulsar é apenas do…

Uma vizinhança superlotada

Imagem
Brilhando intensamente a cerca de 160 000 anos-luz de distância da Terra, a Nebulosa da Tarântula é a estrutura mais impressionante da Grande Nuvem de Magalhães, uma galáxia satélite da nossa Via Láctea. O Telescópio de Rastreio do VLT, instalado no Observatório do Paranal do ESO, no Chile, observou esta região e os seus arredores ricos com extremo detalhe, revelando uma paisagem cósmica de aglomerados de estrelas, nuvens de gás brilhante e restos espalhados de explosões de supernovas. Trata-se da imagem mais nítida obtida até hoje de toda a região. Aproveitando as capacidades do VST — VLT Survey Telescope, situado no Observatório do Paranal do ESO, no Chile, astrônomos capturaram esta nova imagem muito detalhada da Nebulosa da Tarântula e dos seus numerosos aglomerados estelares e nebulosas vizinhas. A Tarântula, também conhecida por 30 Doradus, é a região de formação estelar mais brilhante e energética do Grupo Local de galáxias.
A Nebulosa da Tarântula, no alto da imagem, tem uma dim…