Postagens

Mostrando postagens de Agosto 7, 2019

Estrelas anãs brancas geralmente explodem em massas mais baixas no passado distante

Imagem
Cientistas estudando estrelas anãs brancas fizeram uma descoberta interessante em pesquisas recentes. A equipe estudava estrelas anãs brancas pequenas e densas quando explodiam. Alguns deles criam chamas brilhantes e de vida curta, chamadas de supernovas do Tipo Ia. Os cientistas dizem que esse tipo de supernova é um marcador cosmológico informativo para os astrônomos.
 Eles ajudam os cientistas a provar que o universo está acelerando sua expansão. A equipe diz que nem todas as anãs brancas são iguais; eles geralmente variam de cerca de metade da massa do sol a quase 50% a mais do que o sol.
Anãs brancas podem explodir em supernovas Tipo Ia, e algumas delas morrem silenciosamente, sem alarde explosivo. Os cientistas do Caltech que estudam essas anãs brancas descobriram que, no início da história do universo, anãs brancas geralmente explodiam em massas mais baixas do que hoje em dia. 
A descoberta indica que as estrelas anãs brancas podem explodir de várias causas e podem não precisar ati…

Anatomia de uma gaivota cósmica

Imagem
Colorida e pouco densa, esta intrigante coleção de objetos é conhecida por Nebulosa da Gaivota, devido à sua semelhança com uma gaivota em voo. Constituída por poeira, hidrogênio, hélio e traços de elementos mais pesados, esta região é o berço quente e energético das novas estrelas. O detalhe notável com que foi capturada pelo Telescópio de Rastreio do VLT do ESO (VST) revela os objetos astronômicos individuais que compõem este pássaro celeste, assim como as suas estruturas mais detalhadas. O VST é um dos maiores telescópios de rastreio do mundo que observa o céu no visível.
Os componentes principais da Gaivota são três enormes nuvens de gás, sendo a mais distinta das três a que forma as “asas” do pássaro celeste, Sharpless 2-296. Com uma dimensão de cerca de 100 anos-luz de uma ponta à outra das asas, Sh2-296 apresenta material material brilhante e faixas de poeira escura que se entrelaçam por entre as estrelas brilhantes. Trata-se de um belo exemplo de uma nebulosa de emissão, neste …

Cientistas mapeiam a Via Láctea em três dimensões

Imagem
A estrutura tridimensional da Via Láctea foi cartografada usando distâncias de Cefeidas brilhantes. Crédito: Jan Skowron/OGLE/Observatório Astronómico da Universidade de Varsóvia
Os cientistas sabem há muito tempo que a forma da galáxia Via Láctea que chamamos de lar é uma típica galáxia espiral barrada. A galáxia tem uma região central em forma de barra rodeada por um disco plano de gás, poeira e estrelas. O disco da nossa galáxia tem quatro braços espirais e abrange um diâmetro de cerca de 127.000 anos-luz.
Nosso sistema solar está localizado dentro do disco e fica a cerca de 27.000 anos-luz do centro Galáctico. . Nossa localização no disco é porque quando vemos as estrelas do disco, elas parecem uma banda fraca no céu. Cientistas da Universidade de Varsóvia dizem que o conhecimento atual da Via Láctea é baseado em vários traçadores, como contagens de estrelas ou observações de rádio de moléculas de gás, informadas pela extrapolação de estruturas vistas em outras galáxias.
O que os cie…