Postagens

Mostrando postagens de Junho 7, 2018

Astrônomos encontram uma galáxia inalterada desde o início do Universo

Imagem
Pesquisadores do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC) confirmam a primeira detecção de uma galáxia relíquia com o Telescópio Espacial Hubble. Há um cálculo que sugere que apenas uma em mil galáxias massivas é uma relíquia do universo primitivo, conservando intactas as propriedades que tinha quando foi formada há milhares de milhões de anos.
Por essa razão, quando os pesquisadores do Instituto de Astrofísica de Canárias (IAC) e da Universidade de La Laguna (ULL), Michael Beasley e Ignacio Trujillo localizaram essa raridade, usaram o Telescópio Espacial Hubble para observar os aglomerados globulares em torno dela, e assim confirmar o que tinha sido sugerido pelas observações que eles tinham feito com telescópios terrestres.
Aglomerados globulares são grupos de estrelas que orbitam ao redor dos arredores de galáxias e foram formados com as galáxias no nascimento.
Existem dois tipos de populações de aglomerados globulares: os vermelhos, que nascem em galáxias massivas, que são encontr…

O LHC detectou o bóson de Higgs novamente, desta vez com uma torção massiva

Imagem
Físicos que trabalham no Grande Colisor de Hádrons (em inglês, Large Hadron Collider ou LHC) realizaram uma nova detecção do famoso bóson de Higgs, desta vez capturando detalhes sobre uma rara interação com uma das mais pesadas partículas fundamentais conhecidas pela física: o quark top.
A breve mistura desse encontro incrivelmente precioso nos fornece informações importantes sobre a natureza da massa.
A pesquisa foi publicada na revista científica Physical Review Letters.
Bóson de Higgs e massa
Apesar de lidarmos com a massa todos os dias – seja na forma da força da gravidade ou na superação da inércia para movermos o nosso corpo -, entender sua causa básica é complicado.
A famosa equação E = mc ^ 2, de Albert Einstein, é uma descrição da massa como energia. Juntar partículas básicas em nêutrons e prótons requer energia, e esse esforço contribui para a sensação de peso de um átomo.
O problema é que certas partículas fundamentais ainda têm massa mesmo quando não estão exercendo nenhum esfor…

Qual a diferença entre a singularidade do Big Bang e de um buraco negro?

Imagem
O universo é cheio de coincidências – como o tamanho da lua e do sol no céu, mesmo que eles sejam muito diferentes e distantes. Ou a forma da nebulosa Pac Man. Ou a natureza do próprio universo. Por exemplo, vamos considerar os buracos negros, regiões do espaço onde a matéria e energia são esmagadas tão densamente que a velocidade de escape gravitacional excede a velocidade da luz.
Nós não sabemos quão grandes os buracos negros são, mas é possível que eles tenham “engolido” uma região infinitamente densa, o que é conhecido como singularidade. Você já deve ter ouvido essa palavra antes, muito citada quando discutimos a formação do universo. 13,8 bilhões de anos atrás, tudo que existia foi esmagado em uma região de densidade infinita. Numa fracção de segundo, tudo se expandiu e o universo surgiu. Os astrônomos chamam essa região de densidade infinita de singularidade do Big Bang. Duas singularidades diferentesSerá que a singularidade do Big Bang foi apenas a singularidade de um buraco neg…

Talvez pudéssemos ver um dia "singularidades" dentro dos buracos negros?

Imagem
Quando buracos negros colidem, interações entre seus núcleos podem deixar uma marca nas ondas gravitacionais resultantes As singularidades são os objetos mais extremos do universo. Elas se formam quando estrelas ficam sem “combustível” e entram em colapso sob seus próprios campos gravitacionais. Quando as singularidades são cercadas por uma superfície de onde nada, nem mesmo a luz, pode escapar, conhecida como horizonte de eventos, este objeto é o que conhecemos como buraco negro.
As singularidades são também um mistério. Isso porque, para explorar a verdadeira natureza das singularidades, precisaríamos de uma teoria que unificasse a relatividade geral e a mecânica quântica. Por enquanto, essa é uma tarefa que ninguém conseguiu realizar.
Porém, em um texto publicado no site da revista Scientific American, o físico Avi Loed, professor da Universidade de Harvard, diz acreditar que seja possível avançarmos até o ponto de chegarmos a uma teoria que nos faça “ver” as singularidades.
“Mesmo no …