Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 15, 2019

Messier 62

A maior parte dos aglomerados estelares globulares são coleções de estrelas quase que perfeitamente esféricas, mas o Messier 62, quebra um pouco essa visão. O aglomerado com 12 bilhões de anos de vida é distorcido e se estica para um dos lados formando algo parecido com um cometa com uma cabeça brilhante e uma cauda estendida. Como é um dos aglomerados globulares no centro da nossa galáxia, o Messier 62 é provavelmente afetado pelas forças de maré fortes que tiram de lugar muitas estrelas, resultando nessa forma pouco comum para aglomerados globulares.
Quando um aglomerado globular se forma, ele tende a ficar mais denso em direção ao seu centro. Quanto mais massivo for o aglomerado globular, mas denso é o seu centro. Com uma massa de quase 1 milhão de vezes a massa do Sol, o Messier 62 é um dos mais densos de todos. Com muitas estrelas no centro, interações e fusões ocorrem de maneira regular. Grandes estrelas se formam e esgotam rapidamente o seu combustível, explodindo violentamente …

A primeira foto histórica de um buraco negro colocada em contexto

O Event Horizon Telescope (Telescópio do Horizonte de Eventos ou EHT) não foi o único dispositivo que observou o buraco negro no centro da galáxia Messier 87.Enquanto ele estava focado no horizonte de eventos, outras lentes poderosas estavam apontadas para outros cantos do mesmo objeto.
Por exemplo, o Observatório de raios-X Chandra, da NASA, obteve uma visão mais ampla do alvo. A imagem produzida através dessas observações coloca a primeira foto de um buraco negro em um contexto impressionante.
Jatos de energia
O Chandra observou a M87 durante a campanha do EHT em abril de 2017.
Embora o observatório não seja capaz de enxergar a sombra do buraco negro em si, seu campo de visão é muito maior do que o do EHT, de forma que pode ver toda a extensão do jato de partículas de alta energia lançado pelos intensos campos gravitacionais e magnéticos ao redor do objeto. Este jato se estende a mais de 1.000 anos-luz do centro da galáxia:
Para usar uma analogia, considere um trompetista em uma sala de…

Chove no Sol (Apenas não da maneira que você pensa)

A chuva coronal é criada pelo plasma que expande um loop magnético que se estende da superfície do sol. O plasma se acumula em seu pico, longe da fonte de calor e, à medida que esfria, se condensa. A gravidade puxa o plasma de volta pelo loop.
Astrônomos detectaram "chuva de plasma" caindo sobre a superfície solar, o que pode explicar por que a atmosfera externa do sol é muito mais quente que a superfície da estrela.
Observações recentes da NASA revelaram a chuva coronal em um tipo de loop magnético menor, anteriormente negligenciado, no sol, de acordo com um comunicado da NASA. Essa chuva consiste em grandes gotas de plasma quente que caem da atmosfera externa do sol (a coroa) em direção à superfície da estrela.
Os novos dados, coletados por meio de telescópios de alta resolução montados no Solar Dynamics Observatory da NASA , mostraram que a chuva coronal funciona de maneira semelhante à chuva na Terra - com poucas exceções.
Comparado com a chuva na Terra, a chuva de plasma n…