Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 29, 2019

O buraco negro supermassivo da nossa galáxia pode estar apontando um jato relativístico para nós

Uma nova imagem feita pela colaboração para fotografar Sagitário A*, o buraco negro supermassivo no centro da nossa galáxia, parece mostrar que ele está apontando um jato relativístico para a Terra. Isso pode significar que ele tem uma orientação curiosa, voltado quase diretamente para nós.
A imagem abaixo é a melhor já feita de Sagitário A*. Fotografias ainda mais detalhadas são esperadas para o futuro, mas, por enquanto, os astrofísicos que estudam dados de rádio podem aprender muito com essas informações. A foto inferior à direita é a imagem real feita do buraco negro; as demais são simulações
Por exemplo, como essa foto possui a mais alta resolução já alcançada em um registro do nosso buraco negro – duas vezes melhor que o anterior -, os pesquisadores conseguiram mapear com precisão as propriedades da luz ao redor do objeto. O centro galáctico está cheio de matéria ao redor do buraco negro, que age como vidro fosco que temos de examinar”, disse o astrofísico Eduardo Ros, do Instituto…

Big Bang pode ter originado AntiUniverso, onde tudo funciona ao contrário

Será que existe um "anti-você" no anti-universo? [Imagem: L. Boyle/Perimeter Institute for Theoretical Physics]
AntiUniverso De um certo ponto de vista, o nosso Universo parece desequilibrado. O tempo avança à medida que o espaço se expande e há mais matéria do que antimatéria. Isso parece razoável, mas o problema é que isso viola uma simetria fundamental, chamada simetria CPT, que diz que a física não muda quando o tempo, o espaço e a matéria-antimatéria são todos invertidos. Para equilibrar o cosmos, devemos então considerar que o Big Bang também tenha sido o ponto de partida de um antiuniverso, onde o tempo corre na direção oposta e a antimatéria domina. Esta é a proposta de Latham Boyle, Kieran Finn e Neil Turok, do Instituto Perímetro de Física Teórica, no Canadá. Eles embasam seu argumento em cálculos que mostram que esse modelo CPT-simétrico não apenas é consistente com o histórico conhecido de expansão cósmica, como também fornece uma explicação direta para a matéria escur…

Astrônomos encontraram evidências de um grande buraco negro vagando pela nossa galáxia

Astrônomos do Observatório Astronômico Nacional do Japão (OANJ) descobriram evidências de um buraco negro do tamanho de Júpiter à deriva a cerca de 20 anos-luz do centro da Via Láctea. Usando o radiotelescópio ALMA (Atacama Large Millimeter/Submillimeter Array), os pesquisadores encontraram correntes de gás molecular orbitando o que parece ser um objeto massivo invisível.
Esse movimento peculiar de gás no centro galáctico poderia ser um sinal do tipo mais elusivo de buraco negro – o de tamanho intermediário.
Buracos negros intermediários
Uma vez que não emitem nenhuma radiação eletromagnética, buracos negros são muito difíceis de se encontrar, a menos que estejam se alimentando ativamente ou colidindo.Isso significa que são invisíveis aos nossos métodos de detecção quando não estão fazendo algo monstruosamente perceptível.

Ainda assim, sabemos que existem buracos negros de massa estelar, formados a partir do colapso do núcleo de uma estrela massiva, com até cerca de 100 vezes a massa do s…

Melhor imagem, até agora, de ultima Thule

O objeto da Cintura de Kuiper, 2014 MU69, informalmente conhecido como Ultima Thule, visto pela sonda New Horizons da NASA.Crédito: NASA/JHUAPL/SwRI
As maravilhas - e mistérios - do objeto da Cintura de Kuiper, 2014 MU69, continuam a multiplicar-se à medida que a sonda New Horizons da NASA transmite novas imagens do seu alvo do "flyby" que teve lugar no dia de Ano Novo de 2019.
Esta imagem, obtida durante o voo histórico de 1 de janeiro, pelo objeto informalmente conhecido como Ultima Thule, é a visão mais clara até agora deste notável e antigo objeto nos confins do Sistema Solar - o primeiro "KBO" (Kuiper Belt Object, inglês para objeto da Cintura de Kuiper) pequeno já explorado por uma nave espacial.
Obtida com o componente MVIC (Multicolor Visible Imaging Camera) do instrumento Ralph da New Horizons, a imagem foi captada quando o KBO estava a 6700 km, às 05:26 (UT) de dia 1 de janeiro - apenas sete minutos antes da maior aproximação. Com uma resolução original de 1…

Estrela mais brilhante da galáxia será visível da Terra

Eta Carinae, estrela mais luminosa da Via Láctea, perderá nuvem de poeira que hoje ofusca seu brilho quando vista da Terra.[Imagem: Nasa/Nathan Smith/Berkeley]
Eta Carinae
Apesar de brilhar com a intensidade de cinco milhões de sóis, a estrela conhecida mais luminosa da Via Láctea, Eta Carinae, localizada a 7,5 mil anos-luz do Sistema Solar, não é visível a olho nu da Terra.
Isso não vai durar muito, no entanto. Um estudo liderado pelo astrônomo brasileiro Augusto Damineli, da Universidade de São Paulo (USP), indica que em breve, em pouco mais de 10 anos, a nuvem de poeira e gás que esconde Eta Carinae dos olhos nus dos terráqueos terá se dissipado e ela poderá ser vista em todo o seu brilho.
Sua luz se tornará duas vezes e meia maior do que atualmente é visível por telescópios.
A Eta Carinae tem sido, depois do Sol, a estrela a mais observada (por telescópios), fotografada e estudada do universo - ao menos pelos humanos. Mas também é uma das mais intrigantes e misteriosas.
Muito jovem, com…

Vendo a dobra pode ajudar a resolver debate sobre rapidez da expansão o Universo

Imagem, pelo Telescópio Espacial Hubble, de um quasar com imagem dupla.Crédito: NASA, Tommaso Treu/UCLA e Birrer et al.
A questão de quão rapidamente o Universo está a expandir-se tem intrigado os astrónomos há quase um século. Estudos diferentes continuam a obter novas respostas - o que faz com que alguns investigadores se perguntem se estão a negligenciar um mecanismo-chave na "maquinaria" que impulsiona o cosmos.
Agora, ao descobrirem uma nova maneira de medir quão rapidamente o cosmos se está a expandir, uma equipa liderada por astrónomos da UCLA (University of California, Los Angeles) deu um passo em direção à resolução do debate. A investigação do grupo foi publicada na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.
No coração da disputa está a constante de Hubble, um número que relaciona as distâncias com os desvios para o vermelho das galáxias - quanto a luz é esticada enquanto viaja até à Terra através do Universo em expansão. As estimativas da c…