Postagens

Mostrando postagens de Outubro 29, 2018

Telescópio Espacial Hubble retorna às operações científicas

Imagem
O Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA retornou às operações normais na sexta-feira, 26 de outubro, e completou suas primeiras observações científicas no sábado, 27 de outubro. As observações foram da galáxia DSF2237B-1-IR distante e formadora de estrelas e foram tomadas em comprimentos de onda infravermelhos com a Wide Field Camera 3 . O retorno à condução da ciência vem após a recuperação bem-sucedida de um giroscópio de backup que substituiu um giroscópio três semanas antes.
Um dos giroscópios do Hubble falhou em 5 de outubro, e a equipe de operações da espaçonave ativou um giroscópio de backup no dia seguinte. No entanto, o backup retornou incorretamente as taxas de rotação que estavam muito acima das taxas reais. Na semana passada, a equipe de operações ordenou ao Hubble que realizasse numerosas manobras e trocasse o giroscópio entre diferentes modos operacionais, o que eliminou com sucesso o que se acreditava ser o bloqueio entre componentes dentro do giroscópio que produzia …

PHAETHON – Cometa ou Asteroide?

Imagem
Um asteroide azul, bizarro que age como um cometa e parece ser o responsável pela Chuva de Meteoros Anual dos Geminídeos, fez um sobrevoo pela Terra em 2017, dando aos astrônomos uma oportunidade de estudar o objeto com detalhes sem precedentes. Eles descobriram que o asteroide é ainda mais estranho do que eles imaginavam.
O asteroide 3200 Phaethon é uma rocha espacial especial com uma coloração azulada rara e com uma órbita extremamente excêntrica que faz o objeto passar muito perto do Sol, e então passar na órbita de Marte. Uma órbita dele leva 1.4 anos terrestres. Esse tipo de órbita é mais comum para cometas do que para asteroides.
Mas, enquanto o Phaethon age como um cometa, ele não se parece com um. Quando os cometas chegam perto do Sol, eles formam uma coma e uma cauda de gás e poeira. O Phaethon, contudo sempre para como um pedaço de rocha flutuando no espaço.
Em 16 de Dezembro de 2017, o asteroide Phaethon passou bem perto da Terra, na verdade a passagem mais próxima desde 1974,…

Terra é cercada por nuvens de poeira espaciais

Imagem
Esse satélite natural de poeira apareceria assim no céu se seu brilho fosse equivalente ao da Lua. [Imagem: G. Horváth]

Satélites de poeira
Uma equipe de astrônomos e físicos húngaros confirmou a existência de nuvens de poeira orbitando a Terra como se fossem "luas" extremamente tênues, em pontos gravitacionais semi-estáveis situados a apenas 400 mil quilômetros da Terra.
As nuvens, relatadas originalmente pelo astrônomo polonês Kazimierz Kordylewski em 1961, refletem pouquíssima luz, de forma que sua existência tem sido objeto de controvérsia entre os astrônomos.
O sistema Terra-Lua tem cinco pontos de estabilidade onde as forças gravitacionais da Terra e da Lua se equilibram, mantendo a posição relativa dos objetos ali localizados - são os pontos de Lagrange. Dois desses pontos, L4 e L5, formam um triângulo de lados iguais com a Terra e a Lua e se movem ao redor da Terra à medida que a Lua se move ao longo de sua órbita.
L4 e L5 não são completamente estáveis, sofrendo perturba…

O fantasma de Cassiopeia

Imagem
A cercade 550 anos-luz de distância, na constelação de Cassiopeia, encontra-se a IC 63, uma nebulosa impressionante e ligeiramente sinistra. Também conhecido como o fantasma de Cassiopeia, o IC 63 está sendo moldado pela radiação de uma estrela vizinha imprevisivelmente variável, Gamma Cassiopeiae, que está corroendo lentamente a nuvem fantasmagórica de poeira e gás. Este fantasma celestial faz o cenário perfeito para a próxima festa de All Hallow's Eve - mais conhecida como Halloween.
A constelação de Cassiopeia , em homenagem a uma rainha vaidosa na mitologia grega, forma o facilmente reconhecível "W" no céu noturno. O ponto central do W é marcado por uma estrela dramática chamada Gamma Cassiopeiae . O notável Gamma Cassiopeiae é uma estrela variável subgigante branco-azulada que é circundada por um disco gasoso. Esta estrela é 19 vezes mais massiva e 65 000 vezes mais brilhante que o nosso Sol. Ele também gira a incrível velocidade de 1,6 milhão de quilômetros por hora…

Ajudando o Hubble

Imagem
O Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA geralmente não recebe muita assistência de seus objetos celestes - mas para tirar essa imagem, o telescópio optou pelo trabalho em equipe e fez bom uso de um fascinante fenômeno cósmico conhecido como lente gravitacional. Esse efeito funciona quando a influência gravitacional de um objeto massivo, como o aglomerado de galáxias no centro dessa imagem, é tão colossal que distorce o espaço circundante, fazendo com que a luz próxima percorra caminhos distorcidos. 
O objeto massivo é efetivamente transformado em uma gigantesca lupa, dobrando e amplificando a luz viajando de galáxias mais distantes por trás dela. Neste caso particular, os astrônomos usaram o aglomerado de galáxias em primeiro plano (chamado SDSS J0915 + 3826) para estudar a formação de estrelas em galáxias tão distantes que sua luz levou até 11,5 bilhões de anos para alcançar nossos olhos. Essas galáxias se formaram em um estágio muito inicial da vida do Universo, dando aos astrônom…