Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 14, 2018

É rochoso ou Gasoso? Astrónomos desvendam mistérios das Super-Terras

Imagem
De acordo com uma nova investigação liderada por Johanna Teske, do Instituto Carnegie para a Ciência, uma estrela a cerca de 100 anos-luz de distância, na direção da constelação de Peixes, GJ 9827, hospeda o que poderá ser uma das super-Terras mais massivas e densas detetadas até à data. Esta nova informação fornece evidências que vão ajudar os astrónomos a melhor compreender o processo pelo qual os planetas se formam. A estrela GJ 9827 na realidade alberga um trio de planetas, descobertos pela missão Kepler/K2 da NASA, e todos os três são um pouco maiores do que a Terra. Este é o tamanho que a missão Kepler determinou serem os mais comuns na Galáxia com períodos que variam entre vários dias a várias centenas de dias. Curiosamente, não existem planetas deste tamanho no nosso Sistema Solar. Isto torna os cientistas curiosos acerca das condições sob as quais se formam e evoluem.Uma chave importante para a compreensão da história de um planeta é a determinação da sua composição. Será que e…

O VLT do ESO trabalha pela primeira vez como um único telescópio enorme

Imagem
Primeira luz do instrumento ESPRESSO com os quatro Telescópios Principais do VLT
O instrumento ESPRESSO montado no Very Large Telescope do ESO no Chile usou pela primeira vez a luz coletada pelos quatro Telescópios Principais de 8,2 metros. Ao combinar deste modo a luz coletada por estes telescópios, o VLT torna-se o maior telescópio óptico do mundo, em termos de área coletora.
Um dos objetivos do design original do Very Large Telescope do ESO (VLT) era que os seus quatro Telescópios Principais trabalhassem em conjunto para formar um único telescópio gigante. Com a primeira luz do espectrógrafo ESPRESSO, instrumento que utiliza os quatro Telescópios Principais em conjunto, este marco foi agora alcançado.
Após um período de preparações intensas por parte do consórcio ESPRESSO (liderado pelo Observatório Astronômico da Universidade de Genebra, na Suíça, com a participação de centros de pesquisa em Portugal, Itália, Espanha e Suíça) e do pessoal do ESO, o Diretor Geral do ESO, Xavier Barcon…

No coração da nebulosa do coração

Imagem
O que existe dentro da Nebulosa do Coração? Primeiro, a grande nebulosa de emissão, conhecida como IC 1805, parece, num todo, com um coração humano. Sua forma hoje é celebrada, porque nos EUA no dia 14 de Fevereiro é comemorado o chamado Valentine’s Day, ou seja, o dia dos namorados dele, e esse coração brilhando intensamente na luz vermelha emitida pelo elemento mais proeminente ali, o hidrogênio, talvez ficasse bem bonito num cartão de feliz dia dos namorados, pelo menos para quem gosta de astronomia. O brilho vermelho e a forma maior são criadas por um pequeno grupo de estrelas localizado no centro da nebulosa. No coração da Nebulosa do Coração existem estrelas jovens de um aglomerado aberto de estrelas conhecido como Melotte 15 que está erodindo para longe os pilares de poeira com sua luz e ventos energéticos. O aglomerado aberto de estrelas contém algumas estrelas brilhantes com cerca de 50 vezes a massa do nosso Sol, e outras apagadas que possuem apenas uma pequena fração da mas…

Onde estão e de que são feitos os milhares de asteroides que povoam o Sistema Solar

Imagem
Concepção artística de um asteroide no cinturão de Kuiper, no limite do nosso Sistema Solar No dia 19 de outubro passado, os telescópios detectaram um visitante inesperado: o primeiro asteroide interestelar de que se tem notícia a passar pelo Sistema Solar. Com um formato que lembra um charuto, com cerca de 400 metros de cumprimento e 40 de diâmetro, ele foi batizado de Oumuamua, que em língua havaiana significa "mensageiro distante que chegou primeiro". O asteroide - que deu meia volta depois de passar por dentro da órbita de Mercúrio e viaja agora em alta velocidade rumo à constelação de Pégaso - é o primeiro até agora a vir de outro sistema, mas não é o único a vaguear entre os planetas do Sistema Solar.  O espaço interplanetário está cheio de todo tipo de pedras grandes, cascalho, bolas de gelo, poeira e fluxos de partículas carregadas. Tanto que em sua órbita ao redor do Sol, a 30 quilômetros por segundo, a Terra passa por centenas de toneladas de meteoros, a maioria muito…

NEW HORIZONS Captura imagens recorde no cinturão de KUIPER

Imagem
Com o seu instrumento LORRI (Long Range Reconnaissance Imager), a New Horizons observou vários KBOs e planetas anões em ângulos de fase únicos, bem como Centauros em ângulos fase extremamente altos para procurar anéis ou poeira. Estas imagens em cores falsas, obtidas no mês de dezembro de 2017, dos KBOs 2012 HZ84 (esquerda) e 2012 HE85 são, por enquanto, as obtidas à maior distância da Terra por uma nave espacial. São também as imagens mais próximas de KBOs. Crédito: NASA/JHUAPL/SwRI
A nave espacial New Horizons da NASA recentemente girou a sua câmara telescópica na direção de um campo de estrelas, captou uma imagem - e fez história. A imagem de calibração rotineira do enxame aberto NGC 3532, feita pelo instrumento LORRI (Long Range Reconnaissance Imager) no dia 5 de dezembro, foi captada quando a New Horizons estava a 6,12 mil milhões de quilómetros (ou 40,9 unidades astronómicas) da Terra - tornando-a, por algum tempo, a imagem obtida à maior distância da Terra.
A New Horizons estava a…

O passado violento do Oumuamua, o asteroide interestelar em forma de charuto

Imagem
O asteroide Oumuamua - "mensageiro de muito longe que chega primeiro", em havaiano - está girando caoticamente pelo espaço e pode continuar assim por mais de um bilhão de anos. Esta é a conclusão de uma pesquisa que analisou em detalhes o brilho gerado pelo objeto interestelar, que tem formato de charuto. Ele foi descoberto em 19 de outubro, e sua velocidade e trajetória sugerem que se originou em um sistema planetário que orbita ao redor de outra estrela, e não o Sol. "Em algum momento, houve uma colisão", diz Wes Fraser, da Queen's University, em Belfast, na Irlanda do Norte. Inicialmente, pensava-se que o objeto podia ser um cometa, mas ele não apresenta características típicas desse tipo de corpo celeste, como uma cauda de partículas de gelo. Por outro lado, o Oumuamua apresenta todos os aspectos de um asteroide, com exceção do formato fora do comum, provocado, ao que tudo indica, por um passado "turbulento", com pelo menos uma grande colisão. Astrôno…