Postagens

Mostrando postagens de Junho 7, 2019

Uma nova visão dos exoplanetas com o futuro telescópio Webb

Imagem
Esta ilustração mostra um exoplaneta em órbita da sua estrela muito mais brilhante. O Webb vai permitir com que os cientistas observem exoploanetas em comprimentos de onda infravermelhos nunca antes estudados. Crédito: NASA, ESA e G. Bacon (STScI)
Embora conheçamos atualmente milhares de exoplanetas - planetas em torno de outras estrelas -, a grande maioria do nosso conhecimento é indireto. Ou seja, os cientistas não tiraram ainda muitas fotos dos exoplanetas e, devido aos limites da tecnologia atual, só podemos ver esses mundos como pontos de luz. No entanto, o número de exoplanetas observados indiretamente está a crescer com o tempo. Quando o Telescópio Espacial James Webb da NASA for lançado em 2021, abrirá uma nova janela para esses exoplanetas, vendo-os em comprimentos de onda nunca antes observados e obtendo novas informações sobre a sua natureza.
Os exoplanetas estão próximos de estrelas comparativamente muito mais brilhantes, de modo que a sua luz é geralmente dominada pela luz …

As Nuvens da Grande Nuvem de Magalhães

Imagem
A Grande Nuvem de Magalhães (GNM) é uma paisagem fascinante nos céus do hemisfério sul. Mas esta vista telescópica, profunda e detalhada, que levou mais de 10 meses a ser construída, vai além do que é visível para a maioria dos circum-navegadores do planeta Terra. Abrangendo mais de 5 graus ou 10 Luas Cheias, o mosaico 4x4 foi construído a partir de 3900 imagens com um total de 1060 horas de tempo de exposição, tanto através de filtros de banda larga como de banda estreita.
Os filtros de banda estreita estão projetados para transmitir apenas a luz emitida pelos átomos de enxofre, hidrogénio e oxigénio. Ionizados por luz estelar energética, os átomos emitem a sua luz característica à medida que os eletrões são recapturados e os átomos passam para um estado de energia mais baixo. Como resultado, nesta imagem a GNM parece estar coberta pelas suas próprias nuvens de gás ionizado que rodeiam as suas enormes e jovens estrelas.
Esculpidas por ventos estelares fortes e radiação ultravioleta, …

Astrônomos localizam planetas gêmeos entalhando buracos em um novo sistema solar

Imagem
Para capturar essa imagem, os pesquisadores do Very Large Telescope filtraram cuidadosamente a luz da estrela central. O PDS 70b é visível no canto inferior esquerdo e o PDS 70 c é visível no canto superior direito. Crédito: ESO e S. Haffert (Observatório de Leiden)
Quando as estrelas são jovens, elas são envoltas em círculos largos e achatados de matéria. Os astrônomos chamam esses recursos de "discos protoplanetários", porque é a poeira e o gás que se acumulam nas bolas que acabam se tornando planetas. Pesquisadores há muito suspeitam que "protoplanetas" - mundos meio cozidos dentro desses discos - podem esculpir grandes lacunas nos mares de material solto que os telescópios podem ser capazes de detectar.
Agora, essa teoria parece confirmada, com dois planetas descobertos nas lacunas de um disco em torno do PDS 70, uma pequena estrela na constelação Centaurus, localizada a 370 anos-luz da Terra.
O PDS 70 é uma estrela relativamente nova na nossa galáxia, formada há …