Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho 17, 2019

Alimentando os jatos extremos de galáxias ativas

As galáxias movidas a buracos negros chamadas de blazars possuem jatos poderosos que, acredita-se, estão destinados, de forma fortuita, diretamente para a Terra. Os astrônomos usaram observações de várias bandas, do raio gama ao rádio, para estudar os poderosos jatos e suas fontes de direção.NASA; M. Weiss / CfA
Um núcleo ativo de galáxias (AGN) contém um buraco negro supermassivo que é material que se acumula vigorosamente. Normalmente ejeta jatos de partículas que se movem próximo à velocidade da luz, irradiando-se através de muitos comprimentos de onda, em particular o raio X, em processos que estão entre os fenômenos mais energéticos do universo. Os jatos são também altamente colimados e se estendem muito além de sua galáxia hospedeira, e se eles são apontados ao longo de nossa linha de visão, eles são a classe mais espetacular desse fenômeno: os blazares.
Há alguns anos, os astrônomos notaram que alguns tipos de blazares têm poderes de jato que parecem exceder a potência fornecida …

Novo método pode resolver a dificuldade de medir a expansão do Universo

Impressão de artista da explosão e do surto de ondas gravitacionais emitidas quando um par de estrelas de neutrões superdensas colidem. Novas observações com radiotelescópios mostram que estes eventos podem ser usados para medir o ritmo de expansão do Universo.Crédito: NRAO/AUI/NSF
Usando radiotelescópios da NSF (National Science Foundation), os astrónomos demonstraram como uma combinação de observações de ondas gravitacionais e rádio, juntamente com uma modelagem teórica, pode transformar as fusões de pares de estrelas de neutrões numa "régua cósmica" capaz de medir a expansão do Universo e resolver uma questão pendente sobre o seu ritmo.
Os astrónomos usaram o VLBA (Very Long Baseline Array), o VLA (Karl G. Jansky Very Large Array) e o GBT (Robert C. Byrd Green Bank Telescope) para estudar as consequências da colisão de duas estrelas de neutrões que produziram ondas gravitacionais detetadas em 2017. Este evento fornece uma nova maneira de medir o ritmo de expansão do Univers…

Descoberto disco circumplanetário em torno de jovem planeta

Imagem ALMA da poeira em PDS 70, um sistema localizado a aproximadamente 370 anos-luz da Terra. Duas manchas ténues na região interior do disco estão associadas com planetas recém-formados. Uma dessas concentrações de poeira é um disco circumplanetário, o primeiro já detetado em torno de uma estrela distante.Crédito: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO); A. Isella
Recorrendo ao ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), os astrónomos fizeram as primeiras observações de um disco circumplanetário, a cintura planetária de poeira e gás que os astrónomos fortemente teorizam controlar a formação de planetas e que dá origem a todo um sistema de luas, como o encontrado em redor de Júpiter. Este jovem sistema estelar, PDS 70, está localizado a aproximadamente 370 anos-luz da Terra. Recentemente, os astrónomos confirmaram a presença de dois planetas massivos, semelhantes a Júpiter, em órbita da estrela. 
Esta descoberta foi feita com o VLT (Very Large Telescope) do ESO, que detetou o brilho quente natu…

Hubble descobre um misterioso disco em torno de um buraco negro

À esquerda a galáxia espiral NGC 3147, pelo Hubble. À direita, uma ilustração do buraco negro supermassivo que reside no núcleo da galáxia. A imagem do Hubble mostra os braços espirais da galáxia, repletos de jovens estrelas azuis, nebulosas rosadas e poeira. No entanto, no núcleo brilhante de NGC 3147 esconde-se um buraco negro monstruoso, pesando cerca de 250 milhões de sóis. As observações do buraco negro pelo Hubble demonstram duas teorias da relatividade de Einstein. O que se vê em torno do centro, em amarelo-avermelhado, é o brilho da luz do gás que gira, preso pela poderosa gravidade do buraco negro. O buraco negro está profundamente enterrado no seu campo gravitacional, como mostra a grelha verde que ilustra o espaço deformado. O campo gravitacional é tão forte que a luz está a lutar para sair, um princípio descrito na teoria da relatividade geral de Einstein. O material está a girar tão depressa à volta do buraco negro que fica mais brilhante quando se aproxima da Terra e men…

Flor de cerejeira galáctica

A galáxia NGC 1156 se assemelha a uma delicada flor de cerejeira que floresce na primavera nesta imagem doHubble da semana . As muitas "florescências" brilhantes dentro da galáxia são, de fato, berçários estelares - regiões onde novas estrelas estão ganhando vida. A luz energética emitida por estrelas recém-nascidas nessas regiões flui para fora e encontra bolsões próximos de gás hidrogênio, fazendo com que brilhe com um tom rosado característico.
NGC 1156 está localizado na constelação de Áries (The Ram) . É classificada como uma galáxia anã irregular, o que significa que falta uma espiral clara ou forma arredondada, como outras galáxias têm, e está no lado menor, embora com uma região central relativamente grande que é mais densamente repleta de estrelas.
Alguns bolsões de gás dentro da NGC 1156 giram na direção oposta ao resto da galáxia, sugerindo que houve um encontro próximo com outra galáxia no passado da NGC 1156. A gravidade dessa outra galáxia - e o caos turbulento …