Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 14, 2019

Via Láctea sofreu surto de formação estelar há 2 a 3 bilhões de anos

A região de formação estelar Rho Ophiuchi, observada pelo satélite Gaia da ESA. Os pontos brilhantes são enxames estelares que contêm as estrelas mais massivas e jovens da região. Os filamentos escuros traçam a distribuição do gás e da poeira, onde estão a nascer novas estrelas. Esta não é uma fotografia convencional, mas o resultado da integração de toda a radiação recebida pelo satélite durante os 22 meses de estudo contínuo do céu. Crédito: ESA/Gaia/DPAC
Uma equipe liderada por investigadores do Instituto de Ciências do Cosmos da Universidade de Barcelona (ICCUB) e do Observatório Astronómico de Besançon (França) descobriu, através da análise de dados do satélite Gaia, que ocorreu, há 2 a 3 mil milhões de anos, um surto extremo de formação estelar na Via Láctea. 
Neste processo podem ter nascido mais de 50% das estrelas que criaram o disco galáctico. Os resultados são derivados da combinação das distâncias, cores e magnitudes das estrelas medidas pelo Gaia com modelos que preveem a s…

Telescópios no espaço para imagens ainda mais nítidas de buracos negros

No espaço, o EHI tem uma resolução mais de cinco vezes a do EHT na Terra e as imagens podem ser reconstruídas com maior fidelidade. Parte superior esquerda: Modelo de Sagitário A * a uma frequência de observação de 230 GHz. Parte superior esquerda: simulação de uma imagem deste modelo com o EHT. Abaixo à esquerda: Modelo de Sagitário A * em uma frequência de observação de 690 GHz. Parte inferior direita: Simulação de uma imagem deste modelo com o EHI. Crédito: F. Roelofs e M. Moscibrodzka, Universidade Radboud
Os astrônomos conseguiram tirar a primeira imagem de um buraco negro, e agora o próximo desafio é como tirar fotos ainda mais nítidas, para que a Teoria da Relatividade Geral de Einstein possa ser testada. Os astrônomos da Universidade Radboud, junto com a Agência Espacial Européia (ESA) e outros, estão propondo um conceito para alcançar isso através do lançamento de radiotelescópios no espaço. Eles publicam seus planos na revista científica Astronomy & Astrophysics .
A idéia …

Ondas gravitacionais deixam uma marca detectável, Dizem os físicos

Quando dois buracos negros giram em órbita um do outro, irradiam ondas gravitacionais, libertando energia orbital e espiralando em direção um do outro. Esta impressão de artista mostra as ondulações numa superfície bidimensional do espaço-tempo, para que as consigamos imaginar melhor.Crédito: Swinburne Astronomy Productions
As ondas gravitacionais, detectadas pela primeira vez em 2016, abrem uma nova janela para o Universo, com o potencial de nos contar tudo sobre a época que se seguiu ao Big Bang até aos eventos mais recentes nos centros de galáxias.
E enquanto o detetor LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) observa 24 horas por dia, 7 dias por semana, ondas gravitacionais que passam pela Terra, uma nova investigação mostra que essas ondas deixam para trás muitas "memórias" que podem ajudar a detetá-las mesmo depois de terem passado.
"Que as ondas gravitacionais deixam mudanças permanentes num detetor depois de passarem, é uma das previsões mais invul…

O nascimento do caçador

A constelação de Órion é uma das coleções de estrelas mais conhecida do céu noturno. As estrelas mais proeminentes desta constelação são reconhecidas há dezenas de milhares de anos ou mais tempo ainda. Os astrônomos chineses chamavam-na 参宿 or Shēn, o que significa, literalmente, “três estrelas”, devido aos três pontos brilhantes que formam o cinturão do caçador. Os antigos egípcios viam-na como os deuses Sah e Sopdet, manifestações de Osiris e Isis, respectivamente, enquanto os astrônomos gregos viam um corajoso caçador — o epônimo Órion — com a sua espada por cima da cabeça, pronto a atacar.
Mitologia à parte, Órion é uma região do céu fascinante. Esta imagem, obtida pelo Very Large Telescope do ESO, mostra uma nebulosa de reflexão situada no coração da constelação — a NGC 2023. Localizada próximo das bem conhecidas nebulosas da Cabeça do Cavalo e da Chama, a NGC 2023 encontra-se a cerca de 1500 anos-luz de distância da Terra e é uma das maiores nebulosas de reflexão do céu.
As nebulos…