Postagens

Mostrando postagens de Novembro 20, 2018

Correntes Trans - Galácticas Alimentam a Galáxia Mais Luminosa do Universo

Imagem
Impressão de artista de W2246-0526, a galáxia mais luminosa conhecida, e de três galáxias companheiras. Crédito: NRAO/AUI/NSF, S. Dagnello
De acordo com observações do ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), publicadas na revista Science, a galáxia mais luminosa do Universo foi apanhada no ato de despir quase metade da massa, não de uma, não de duas, mas de pelo menos três das suas galáxias vizinhas mais próximas. A luz desta galáxia, conhecida como W2246-0526, demorou 12,4 mil milhões de anos para chegar até nós, de modo que a vemos como era quando o nosso Universo tinha apenas um-décimo da sua idade atual.
As novas observações com o ALMA revelam correntes distintas de material sendo puxado de três galáxias mais pequenas e fluindo para a galáxia mais massiva, que foi descoberta em 2015 pelo WISE (Wide-field Infrared Survey Explorer) da NASA. Não é de forma alguma a maior galáxia que conhecemos, mas não tem rival no que toca ao seu brilho, emitindo o equivalente em luz infra…

Nasa define local de pouso da missão Marte 2020

Imagem
© Divulgação/NASA Cratera de Jezero, com sedimentos que contêm argilas e carbonatos
A agência americana Nasa anunciou que enviará seu próximo veículo espacial para um antigo delta fluvial de Marte, local capaz de preservar evidências de vidas passadas – se elas existiram.
O veículo, que deverá ser lançado em julho de 2020, será um clone do Curiosity, nave da agência que já está explorando Marte. O modelo mais recente, no entanto, terá um novo conjunto de instrumentos voltados à busca por carbono e sinais de existência de micróbios no passado. A previsão é de que a nave pouse no planeta vermelho em fevereiro de 2021.
Jezero, uma cratera de 45 quilômetros ao norte do equador de Marte, foi escolhida como local de pouso após vencer outros três finalistas. A análise de imagens tiradas de satélites de Marte sugere que a cratera já foi preenchida por um lago de 243 metros de profundidade. Há também sinais de que rios entravam e saíam do lago.
Cientistas acreditam que o clima de Marte era mais qu…

O universo está se expandindo. Mas os astrofísicos não têm certeza de quão rápido.

Imagem
Hubble capturou esta imagem das muitas galáxias do universo, com um anel de Einstein para arrancar. Quando a luz de galáxias distantes se deforma ao redor de uma massa extremamente grande, como um aglomerado de galáxias, ela cria esse anel elegante.Crédito: ESA / Hubble & NASA; Confirmação: Judy Schmidt

Da próxima vez que você comer um bolinho de mirtilo (ou chocolate), considere o que aconteceu com os mirtilos na massa quando estava assado. Os mirtilos começaram todos juntos, mas à medida que o bolinho se expandia, eles começaram a se afastar um do outro. Se você pudesse sentar em um mirtilo, veria todos os outros se afastando de você, mas o mesmo seria verdade para qualquer mirtilo que você escolhesse. Nesse sentido, as galáxias são muito parecidas com mirtilos.
Desde o Big Bang, o universo vem se expandindo. O fato estranho é que não há lugar único do qual o universo está se expandindo, mas todas as galáxias estão (em média) se afastando de todas as outras. De nossa perspectiva n…

NASA aprende mais sobre o visitante interestelar 'OUMUAMUA

Imagem
Impressão de artista do asteroide interestelar 1I/2017 U1 ('Oumuamua) à medida que passava pelo Sistema Solar depois da sua descoberta em outubro de 2017. As observações de 'Oumuamua indicam que deverá ser muito alongado devido às suas dramáticas variações de brilho enquanto vagueava pelo espaço.Crédito: ESO/M. Kornmesser
Em novembro de 2017, cientistas apontaram o Telescópio Espacial Spitzer da NASA para o objeto conhecido como 'Oumuamua - o primeiro objeto interestelar conhecido a visitar o nosso Sistema Solar. O infravermelho Spitzer foi um dos muitos telescópios apontados para 'Oumuamua nas semanas após a sua descoberta em outubro.
'Oumuamua era demasiado ténue para ser detetado pelo Spitzer quando este o observou mais de dois meses após a maior aproximação da Terra no início de setembro. No entanto, a "não-deteção" coloca um novo limite em quão grande o objeto estranho pode ser. Os resultados são relatados num novo estudo publicado na revista The Astro…