Postagens

Mostrando postagens de Junho 1, 2018

NGC 1360: A Nebulosa do Ovo do Pisco

Imagem
Esta lindanuvem cósmica fica a cerca de 1500 anos-luz de distância, a sua forma e cor lembram o ovo azul de um pisco. Estende-se por cerca de 3 anos-luz, aninhada em segurança dentro dos limites da constelação do hemisfério sul da Fornalha. Reconhecida como uma nebulosa planetária, NGC 1360 no entanto não representa um começo. Em vez disso, corresponde a uma fase breve e final na evolução de uma estrela envelhecida. De facto, visível na imagem telescópica, a estrela central de NGC 1360 é conhecida por ser um sistema estelar binário que provavelmente consiste de duas estrelas anãs brancas evoluídas, menos massivas mas muito mais quentes que o Sol. A sua intensa radiação ultravioleta e de outra forma invisível removeu os eletrões dos átomos no invólucro gasoso circundante. O tom predominantemente azul-esverdeado de NGC 1360 visto aqui é a forte emissão produzida à medida que os eletrões se recombinam com átomos de oxigénio duplamente ionizados.

Crédito: Josep Drudis, Don Goldman

Investigadores descobrem uma das mais massivas estrelas de neutrões

Imagem
Usando um método pioneiro, investigadores do Grupo de Astronomia e Astrofísica da Universidade Politécnica da Catalunha e do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias encontraram uma estrela de neutrões com aproximadamente 2,3 massas solares - uma das mais massivas já detetadas. O estudo foi publicado na edição de 23 de maio da revista The Astrophysical Journal e abre um novo caminho de conhecimento em muitos campos da astrofísica e da física nuclear.
As estrelas de neutrões (frequentemente chamadas pulsares) são remanescentes estelares que atingiram o final da sua vida evolutiva: resultam da morte de uma estrela com 10 a 30 vezes a massa do Sol. Apesar do seu pequeno tamanho (cerca de 20 km em diâmetro), as estrelas de neutrões têm mais massa do que o Sol, por isso são extremamente densas.
Investigadores da Universidade Politécnica da Catalunha e do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias usaram um método inovador para medir a massa de uma das mais pesadas estrelas de neutrões co…

Novo modelo explica o que vemos quando um enorme buraco negro devora uma estrela

Imagem
Ilustração de emissões de um evento de perturbação por forças de maré que mostra o que acontece quando o material de uma estrela dilacerada é devorado por um buraco negro. O material forma um disco de acreção, que aquece e emite vastas quantidades de radiação. As emissões que vemos da Terra dependem do nosso ângulo de visão em relação à orientação do buraco negro.Crédito: Jane Lixin Dai
Uma estrela que vagueia demasiado perto do buraco negro supermassivo no centro da sua galáxia será dilacerada pela gravidade do buraco negro num violento cataclismo chamado TDE ("tidal disruption event", em português evento de perturbação por forças de maré), produzindo um clarão luminoso de radiação. Um novo estudo liderado por astrofísicos teóricos do Instituto Niels Bohr e da Universidade da Califórnia em Santa Cruz fornece um modelo unificado que explica observações recentes desses eventos extremos.
O estudo inovador, publicado na The Astrophysical Journal Letters, fornece uma nova perspeti…

Evento de onda gravitacional sinalizou provavelmente a criação de um buraco negro

Imagem
A espetacular fusão de duas estrelas de nêutrons que geraram ondas gravitacionais anunciadas no ano passado provavelmente fez outra coisa: o nascimento de um buraco negro. Esse buraco negro recém-gerado seria o buraco negro de menor massa já encontrado. Um novo estudo analisou dados do Chandra X-ray Observatory da NASA realizado nos dias, semanas e meses após a detecção de ondas gravitacionais pelo Laser Interferometer Gravitational Wave Observatory (LIGO) e raios gama pela missão Fermi da NASA em 17 de agosto de 2017. Enquanto quase todos os telescópios à disposição dos astrônomos profissionais observaram essa fonte, conhecida oficialmente como GW170817, os raios X de Chandra são críticos para entender o que aconteceu depois que as duas estrelas de nêutrons colidiram.
A partir dos dados do LIGO, os astrônomos têm uma boa estimativa de que a massa do objeto resultante da fusão de estrelas de nêutrons é cerca de 2,7 vezes a massa do Sol. Isto coloca-o numa corda bamba da identidade, imp…

Pesquisadores identificaram 121 planetas gigantes que podem ter luas habitáveis

Imagem
Todos nós já ouvimos falar da busca por vida em outros planetas, mas e quanto a olhar outras luas?
Em um artigo publicado no The Astrophysical Journal , pesquisadores da Universidade da Califórnia, Riverside e da University of Southern Queensland identificaram mais de 100  gigantes que potencialmente hospedam luas capazes de suportar a vida. Seu trabalho guiará o projeto de futuros telescópios capazes de detectar essas luas potenciais e procurar sinais de vida, chamados de bioassinaturas, em suas atmosferas. Desde o lançamento do telescópio Kepler da NASA em 2009, os cientistas identificaram milhares de planetas fora do nosso sistema solar, chamados de exoplanetas. Um dos principais objetivos da missão Kepler é identificar os planetas que estão nas  de suas estrelas, o que significa que não é nem muito quente nem muito frio para que a água líquida - e potencialmente a vida - exista. Os planetas terrestres (rochosos) são os principais alvos na busca da vida, porque…

Plutão pode ter se originado a partir de vários cometas

Imagem
Pesquisadores analisaram dados coletados em missões espaciais e descobriram que o planeta-anão contém tanto nitrogênio quanto um possível congregado de cometas deveria ter Desde o rebaixamento à “planeta anão”, conferido pela União Astronômica Internacional (IAU) em agosto de 2006, as facetas de Plutão vêm sendo estudadas e desvendadas pela comunidade científica mundial. Dessa vez, a nova teoria é que Plutão foi formado a partir da junção de vários comentas. 
Isso é o que sustenta o recente estudo realizado por pesquisadores do centro Southwesr Research Institute, no Texas (EUA), realizado a partir da junção de dados coletados pela missão espacial New Horizons, da NASA, e das informações colhidas pela sonda Rosetta, da Agência Espacial Europeia (ESA). 
“Desenvolvemos o que chamamos de ‘modelo cosmoquímico do cometa gigante’ da formação de Plutão”, disse o cientista Christopher Glein, da divisão de ciência espacial e engenharia do Southwesr Research Institute. ein e seu grupo estudaram a g…

Astrônomos desvendam mistério da formação de dunas em Plutão

Imagem
Mistério sobre o planeta, que tem atmosfera 100 mil vezes menos densa que a da Terra e, portanto, rarefeita demais para abrigar ventos fortes, intrigou cientistas por anos. Até então, dunas só eram reconhecidas como existentes na Terra, em Marte, em Vênus, em Titã - a maior das luas de Saturno - e no cometa 67P (Foto: Nasa)
Em julho de 2015, ao observarem os registros feitos pela missão não tripulada New Horizons, que sobrevoou Plutão, cientistas da Nasa, a agência espacial americana, ficaram intrigados: estranhamente, entre montanhas e glaciares, havia dunas no planeta-anão.
Para que dunas sejam formadas, é necessário que haja vento - e com um mínimo de intensidade. Mas a atmosfera de Plutão é 100 mil vezes menos densa do que a da Terra, rarefeita demais para abrigar fortes correntes de ar.
Então, afinal, como teriam se formado as dunas de Plutão?
A resposta parece ter sido finalmente encontrada a partir de um estudo realizado por uma equipe internacional e interdisciplinar de especialist…