Postagens

Mostrando postagens de Agosto 3, 2018

A Supernova de KEPLER não deixou sobreviventes

Imagem
Um novo estudo no qual participa o IAC (Instituto de Astrofísica das Canárias) argumenta que a explosão que Johannes Kepler observou em 1604 foi provocada pela fusão de dois resíduos estelares. A supernova de Kepler, da qual atualmente só permanece o remanescente de supernova, teve lugar na direção da constelação de Ofiúco, no plano da Via Láctea, a 16.300 anos-luz do Sol. 
Uma equipe internacional, liderada pela investigadora Pilar Ruiz Lapuente (Instituto de Ciências do Cosmos da Universidade de Barcelona), na qual participa o investigador do IAC Jonay González Hernández, tentou encontrar a possível estrela sobrevivente do sistema binário no qual a explosão teve lugar. Nestes sistemas, quando pelo menos uma das estrelas (a que tem a massa mais elevada) chega ao fim da sua vida e se torna numa anã branca, a outra começa a transferir matéria até um certo limite de massa (equivalente a 1,44 massas solares, o chamado "limite de Chandrasekhar"). 
Este processo leva à ignição cent…

Pesquisadores de meteoritos descobrem fortes evidências de que o início da atividade solar era altamente ativo

Imagem
Examinando cristais de gelo azul microscópicos do mineral hibonita presos dentro de um meteorito contrito carbonário, uma equipe internacional de cientistas foi capaz de descobrir como era o Sol antes da Terra se formar. A equipe estudou o material do meteorito Murchison, denominado assim em homenagem à cidade australiana perto de onde ele caiu. Usando um espectrômetro de massa avançado na Suíça, os pesquisadores, descobriram cristais de hibonita, muitos com menos de 100 mícron de diâmetro, presos dentro do meteorito.
Esses pequenos cristais se formaram a mais de 4.5 bilhões de anos atrás e a composição deles resulta de reações químicas que só seriam possível de terem ocorridos se o Sol primordial estivesse emitindo uma grande quantidade de partículas energéticas. Esses cristais preservam um registro de alguns dos primeiros eventos que aconteceram no Sistema Solar”, disse o líder do estudo o Dr. Levke Kööp, um pesquisador de pós-doutorado na Universidade de Chicago e um afiliado do Fie…

Investigadores descobrem propriedades ocultas da estrela Polar

Imagem
Os componentes estelares da Polar, vistos pelo Hubble.Crédito: NASA/HST
Dois professores de astrofísica da Universidade de Villanova lideraram uma equipe de investigadores que descobriu as há muito ocultas propriedades físicas de Polaris, a famosa "Estrela Polar". Até agora, as amplas estimativas da distância da estrela à Terra (322-520 anos-luz) dificultavam a determinação da sua composição física. Mas, equipados com medições precisas de distância obtidas recentemente pela missão Gaia da ESA (447+/- 1,6 anos-luz), a equipa de Villanova conseguiu determinar o raio, o brilho intrínseco, a idade e a massa da Estrela Polar.
A Estrela Polar é a nossa Cefeida Clássica mais próxima, uma classe rara e importante de estrelas supergigantes muito luminosas que pulsam. A relação entre o brilho intrínseco (luminosidade) e o período de pulsação permite que as cefeidas sejam usadas como "velas padrão" para medir as distâncias de galáxias próximas e distantes.
"A grande incerte…

Do plano galáctico, passando por Antares

Imagem
Contempleuma das regiões mais fotogénicas do céu noturno, capturada de forma impressionante. Em destaque, a banda da nossa Galáxia, a Via Láctea, corre diagonalmente ao longo da esquerda, enquanto a colorida região de Rho Ophiuchus, incluindo a brilhante estrela laranja Antares, é visível logo para a direita do centro, e a nebulosa Sharpless 1 (Sh2-1) aparece à direita. Visíveis em frente da banda da Via Láctea, várias nebulosas famosas incluindo a Nebulosa da Águia (M16), a Nebulosa Trífida (M20) e a Nebulosa da Lagoa (M8). Outras nebulosas notáveis incluem a do Cachimbo e a da Cabeça de Cavalo

Em geral, o vermelho emana das nebulosas que brilham devido à luz do hidrogénio gasoso excitado, enquanto o azul marca poeira interestelar que reflete preferencialmente a luz de jovens estrelas brilhantes. A poeira espessa aparece de outro modo castanha escura. Grandes "bolas" visíveis de estrelas incluem os enxames globularesM4, M9, M19, M28 e M80, cada marcada na imagem legendada.…