Postagens

Mostrando postagens de Outubro 8, 2018

As nebulosas planetárias revelam a cinemática do halo exterior da galáxia Messier 87

Imagem
Distribuição espacial das 298 PNs espectroscopicamente confirmadas no halo de M87, codificadas por cores de acordo com o seu VLOS e seu tamanho dimensionado de acordo com sua probabilidade de pertencer ao halo liso. O centro de M87 é mostrado pelo círculo preto e o eixo principal fotométrico da galáxia pela linha tracejada. Crédito: Longobardi et al., 2018.
Os astrónomos realizaram um estudo de quase 300 centenas de nebulosas planetárias na supergigante galáxia elíptica Messier 87. A nova pesquisa, publicada a 27 de Setembro no repositório de pré-impressão arXiv, revela informações essenciais sobre o halo exterior da galáxia e os seus subcomponentes.
Localizada a cerca de 53,5 milhões de anos-luz de distância na constelação de Virgem, Messier 87, ou M87, abreviada (também designada NGC 4486), é uma das galáxias mais massivas do universo local. Seu halo se estende a um raio de cerca de 650.000 anos-luz. Os astrônomos estão interessados ​​em estudos de halos externos de galáxias massivas …

LHC completou 10 anos. Por que ninguém comemorou?

Imagem
Sem muitos resultados no LHC atual, já está pronto o primeiro magneto do LHC do futuro.[Imagem: Reidar Hahn/Fermilab]
Comemorar o quê? Só em Julho do ano que vem comemoraremos os 50 anos dos primeiros passos humanos na Lua, mas os burburinhos da comemoração já podem ser ouvidos, principalmente nos cinemas. O pouso na Lua foi o primeiro evento de mídia verdadeiramente global e uma expressão icônica do desejo humano de explorar e entender o Universo. É estranho, então, que o aniversário de outro evento que encarnou a mesma aspiração tenha passado com tão pouca fanfarra, no último dia 10 de Setembro. Com uma audiência global de mais de 1 bilhão de pessoas, a ativação do LHC, ou Grande Colisor de Hádrons, foi vista por mais pessoas do que o primeiro pouso na Lua. Como se disse na época, ligar o LHC "foi para a física o que o programa Apolo era para a exploração espacial". É fato que as coisas não começaram muito bem, com a quebra do ainda reluzente acelerador de partículas apenas do…

AS novas vizinhas da Via Láctea

Imagem
Uma imagem ótica do megacam de Magellan da galáxia anã Phoenix II. Sim, as fracas estrelas da galáxia são difíceis de localizar entre as muitas estrelas de primeiro plano da Via Láctea. Um novo artigo fornece novas observações e restrições sensíveis em quatro dos vizinhos da galáxia anã da Via Láctea. Crédito: Mutlu-Pakdil et al. 2018

As galáxias anãs ultra-fracas são os sistemas estelares menores, mais dominados pela matéria escura e menos quimicamente enriquecidos do universo, e são alvos importantes para o entendimento da matéria escura e da formação de galáxias. Eles compreendem em número a maioria das galáxias no universo, e não menos importante, galáxias anãs ao redor da Via Láctea fornecem informações empíricas cruciais para a verificação de cenários de formação de nossa própria galáxia. Atualmente, existem cerca de sessenta galáxias anãs associadas à Via Láctea e a menos de um milhão de anos-luz; a galáxia de Andrômeda, nossa galáxia espiral vizinha grande e próxima, está a doi…

Voyager 2 pode estar se aproximando do espaço interestelar

Imagem
Este gráfico mostra a posição das sondas Voyager 1 e Voyager 2 em relação à heliosfera, uma bolha protetora criada pelo Sol que se estende bem além da órbita de Plutão. A Voyager 1 cruzou a heliopausa, ou a borda da heliosfera, em 2012. A Voyager 2 ainda está na heliosfera, ou na parte mais externa da heliosfera. Crédito: NASA / JPL-Caltech
A sonda Voyager 2 da NASA, atualmente em uma jornada em direção ao espaço interestelar, detectou um aumento nos raios cósmicos que se originam fora do nosso sistema solar. Lançada em 1977, a Voyager 2 está a pouco menos de 11 bilhões de quilômetros da Terra, ou mais de 118 vezes a distância da Terra ao Sol.
Desde 2007, a sonda tem viajado através da camada mais externa da heliosfera - a vasta bolha em torno do Sol e os planetas dominados por material solar e campos magnéticos. Cientistas da Voyager têm observado a espaçonave alcançar a fronteira externa da heliosfera, conhecida como a heliopausa. Uma vez que a Voyager 2 saia da heliosfera, ela se tor…