Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 2, 2019

O que torna um planeta habitável

A impressão do artista mostra uma visão da superfície do planeta Proxima b orbitando a estrela anã vermelha Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sistema Solar. Crédito: ESO / M. Kornmesser
Quais das características da Terra eram essenciais para a origem e sustento da vida? E como os cientistas identificam esses recursos em outros mundos?
Uma equipe de pesquisadores com uma gama de conhecimentos variando de geoquímica a ciência planetária e astronomia publicou nesta semana um ensaio na Science pedindo à comunidade de pesquisadores que reconheça a importância vital da dinâmica interior de um planeta na criação de um ambiente hospitaleiro para a vida .
Com nossas capacidades existentes, observar a composição atmosférica de um exoplaneta será a primeira maneira de procurar assinaturas de vida em outro lugar. No entanto, Anat Shahar de Carnegie, Peter Driscoll, Alycia Weinberger e George Cody argumentam que um quadro verdadeiro da habitabilidade planetária deve considerar como a atmosf…

O grão de poeira estelar encontrado na Antártida que pode dar pistas sobre origem do Sistema Solar

Trata-se de um pequeno grão de poeira que faz parte de uma estrela que deixou de existir há muito tempo. Do tamanho de um micróbio, a amostra - lançada ao espaço por uma estrela que explodiu antes mesmo do nascimento do Sistema Solar - foi encontrada em um meteorito rochoso na Antártida. 
A descoberta pode colocar em xeque as teorias atuais sobre como estrelas mortas se dispersam e semeiam matérias-primas no universo para a formação de planetas e, em última análise, moléculas precursoras da vida.
Raramente, esses grãos de poeira conseguem sobreviver ao caos, como a criação do Sistema Solar. Sendo assim, os cientistas esperam que a amostra ofereça pistas sobre a formação do mundo que nos rodeia.
Por ser uma verdadeira poeira estelar, estes grãos pré-solares nos dão uma ideia dos blocos de construção a partir dos quais nosso sistema solar foi formado", afirmou Pierre Haenecour, pesquisador da Universidade do Arizona, nos EUA, e principal autor do estudo publicado na edição digital da r…

Duas estrelas de nêutrons colidiram perto do sistema solar bilhões de anos atrás

Os astrofísicos Szabolcs Marka, da Universidade de Colúmbia, e Imre Bartos, da Universidade da Flórida, identificaram uma violenta colisão de duas estrelas de nêutrons há 4,6 bilhões de anos como fonte provável de alguns dos assuntos mais cobiçados da Terra.
Este único evento cósmico, próximo ao nosso sistema solar, deu origem a 0,3% dos elementos mais pesados ​​da Terra, incluindo ouro, platina e urânio, de acordo com um novo artigo publicado na edição de 2 de maio da Nature .
"Isso significa que em cada um de nós encontraríamos um valor para os cílios desses elementos, principalmente na forma de iodo, que é essencial para a vida", disse Bartos. "Um anel de casamento, que expressa uma conexão humana profunda, é também uma conexão com o nosso passado cósmico, que antecede a humanidade e a formação da própria Terra, com cerca de 10 miligramas dela, provavelmente formados há 4,6 bilhões de anos."
"Meteoritos forjados no início do sistema solar carregam os traços de…

Como a Nasa se prepara para um eventual impacto de asteroide na Terra

© Getty Astrônomos de diferentes partes do mundo enfrentaram o desafio de calcular como desviar um asteroide da rota da Terra
Um asteroide se aproxima rapidamente da Terra. Mede entre 100 e 300 metros e, se atingir nosso planeta, liberará até 800 mil quilotoneladas (800 milhões de toneladas) de energia, provocando uma destruição sem precedentes.O cenário é, de fato, apocalíptico. Mas que fique claro: não é real. Ainda assim, só imaginar isso é assustador.
A quantidade de energia liberada por esse asteroide poderia alcançar o equivalente a até 53 bombas de Hiroshima. Lançada pelos Estados Unidos contra o Império do Japão já no final da Segunda Guerra Mundial, a bomba atômica tinha "apenas" 15 quilotoneladas.
Data marcada
A Rede Nacional de Alerta de Asteroides (IAWN, na sigla em inglês) calculou que um asteroide poderia passar muito perto da Terra em oito anos – mais precisamente no dia 29 de abril de 2027 – e estimou haver 10% de chance de o objeto destruir o planeta.
Diante dess…

A Galáxia, o Jato e o Buraco Negro

A brilhante galáxia elíptica Messier 87 (M87) é o lar do buraco negro supermassivo capturado pelo EHT (Event Horizon Telescope) na primeira imagem de sempre de um buraco negro. Gigante do enxame galáctico de Virgem a cerca de 55 milhões de anos-luz de distância, M87 é a grande galáxia renderizada em tons de azul nesta imagem infravermelha obtida pelo Telescópio Espacial Spitzer. Embora M87 pareça, na maior parte, sem características e com a forma de uma nuvem, a imagem do Spitzer regista detalhes de jatos relativistas expelidos da região central da galáxia. 
Na inserção de cima, os próprios jatos estendem-se por milhares de anos-luz. O jato mais brilhante visto à direita está a aproximar-se, estando perto da nossa linha de visão. Na direção oposta, o choque criado pelo jato que se afasta ilumina um arco mais ténue de material. A inserção de baixo é a imagem histórica do buraco negro em contexto, no centro da galáxia gigante e dos jatos relativistas. Completamente não resolvido na image…

Localizando Gaia para mapear a Via Láctea

O VST do ESO ajuda a determinar a órbita do satélite de modo a permitir o mapeamento mais preciso de mais de um bilhão de estrelas Esta imagem, composta a partir de dados obtidos por várias observações levadas a cabo pelo Telescópio de Rastreio do VLT (VST) do ESO, mostra a sonda espacial da Agência Espacial Europeia (ESA), Gaia, como um ténue rastro de pontos situado na metade inferior deste campo de estrelas. Estas observações foram obtidas no âmbito de uma colaboração atual entre o ESO e a ESA, que pretende calcular a órbita de Gaia e melhorar assim a precisão do seu mapa de estrelas. A sonda espacial Gaia, operada pela Agência Espacial Europeia (ESA), observa os céus a partir da sua órbita em torno da Terra com o objetivo de criar o maior e mais preciso mapa tridimensional da nossa Galáxia. Há um ano, a missão Gaia divulgou o seu segundo catálogo de dados, que incluiu medições de alta precisão — posicões, distância e movimentos próprios — de mais de um bilhão de estrelas da nossa Vi…