Postagens

Mostrando postagens de Setembro 14, 2018

Astrónomos testemunham nascimento de novas estrelas a partir de explosão estelar

Imagem
Ao contrário da maioria das explosões estelares que desvanecem, a supernova SN 2012au continua a brilhar ainda hoje graças a um novo e poderoso pulsar.Crédito: NASA, ESA e J. DePasquale (STScI)
As explosões de estrelas, conhecidas como supernovas, podem ser tão brilhantes que ofuscam as suas galáxias hospedeiras. Elas demoram meses ou anos para desaparecer e, às vezes, os remanescentes gasosos da explosão colidem com gás rico em hidrogénio e tornam-se temporariamente brilhantes novamente - mas será que podem permanecer luminosas sem qualquer interferência externa?
É o que Dan Milisavljevic, professor assistente de física e astronomia da Universidade de Purdue, acredita ter visto seis anos depois da explosão "SN 2012au".
"Nunca tínhamos visto uma explosão deste tipo, numa escala tão tardia de tempo, permanecer visível a não ser que tivesse algum tipo de interação com o hidrogénio gasoso deixado para trás pela estrela antes da explosão," comenta. "Mas não há um pic…

BUFFALO carrega para as primeiras galáxias

Imagem
Novo projeto do Hubble oferece visão de campo amplo do aglomerado de galáxias Abell 370 O Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA iniciou uma nova missão para esclarecer a evolução das primeiras galáxias do Universo. A pesquisa BUFFALO observará seis aglomerados de galáxias enormes e seus arredores. As primeiras observações mostram o aglomerado de galáxias Abell 370 e uma série de galáxias ampliadas, gravitacionalmente com lentes em torno dele.
Aprender sobre a formação e evolução das primeiras galáxias do Universo é crucial para nossa compreensão do cosmos. Enquanto o Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA já detectou algumas das galáxias mais distantes conhecidas, seus números são pequenos, tornando difícil para os astrônomos determinar se representam o Universo em geral.
Enormes aglomerados de galáxias como o Abell 370, que é visível nesta nova imagem, podem ajudar os astrônomos a encontrar mais desses objetos distantes. As imensas massas de aglomerados de galáxias os fazem agir co…

Novo estudo sobre a habitabilidade de Proxima B

Imagem
Em 2016, depois de anos de busca e pesquisa, o mundo da astronomia, conseguiu identificar um planeta na órbita da estrela mais próxima do Sol. A estrela Proxima Centauri é uma estrela do tipo anã vermelha, pequena e fria que fica localizada a cerca de 4.2 anos-luz de distância da Terra. Desde que exoplanetas começaram a ser descobertos, os astrônomos pensavam em descobrir um na órbita de Proxima Centauri, pois esse seria o exoplaneta mais próximo da Terra.
E em 2016 foi descoberto o exoplaneta chamado de Proxima b, que tem cerca de 1.3 vezes a massa da Terra, completa uma órbita ao redor de sua estrela a cada 11 dias e fica na zona habitável da estrela. A partir de então teve início uma grande discussão sobre a habitabilidade de Proxima b.
Um dos temas que mais tomou conta do noticiário astronômico nos últimos anos. Será que ele tem água na sua superfície, será que a radiação de Proxima Centauri cozinha o planeta, e varre a sua atmosfera, será que ele tem atmosfera, todas essas pergunta…