Postagens

Mostrando postagens de Outubro 26, 2017

Revelando segredos galáticos

Imagem
Podemos ver inúmeras galáxias nesta enorme imagem do Aglomerado de Galáxias da Fornalha, algumas aparecendo apenas como pequenos pontos de luz, outras dominando o primeiro plano da imagem. Uma delas é a muito estudada galáxia lenticular NGC 1316, cujo passado turbulento lhe deu uma delicada estrutura de laços, arcos e anéis, da qual os astrônomos, com o auxílio do Telescópio de Rastreio do VLT, capturaram agora as imagens mais detalhadas obtidas até hoje. Esta imagem profunda revela uma miríade de objetos fracos, além da tênue radiação intra-aglomerado.
Capturada com o auxílio das capacidades excepcionais de mapeamento do céu do Telescópio de Rastreio do VLT (VST), instalado no Observatório do Paranal do ESO no Chile, esta imagem profunda revela os segredos dos membros luminosos do aglomerado da Fornalha, um dos aglomerados de galáxias mais ricos e próximos da Via Láctea. Esta imagem de 2,3 bilhões de pixels é uma das maiores divulgadas até hoje pelo ESO.
Talvez o membro mais interessa…

Marius Hills e um furo na lua

Imagem
Poderiam os seres humanos viverem na subsuperfície da Lua? Essa intrigante possibilidade foi cogitada quando a sonda japonesa SELENE em 2009 fez imagens de um curioso buraco na região de Marius Hills na Lua, possivelmente esse buraco seria um tubo de lava. Observações posteriores feitas com a sonda LRO da NASA, indicaram que o Buraco de Marius Hills, se estendia por aproximadamente 100 metros, e tinha alguns metros de largura. 
Mais recentemente, usando dados de radar de penetração de solo, o famoso GPR da sonda SELENE, uma série de feições foram reanalisadas, e nessa nova análise, pôde-se comprovar que em Marius Hilss existe sim um tubo de lava que se estende por quilômetros e tem quilômetros de largura, ou seja, caberia dentro dele casas e até prédios. Esses tubos poderiam proteger uma possível colônia lunar das grandes variações de temperatura, de impactos asteroides e da mortífera radiação solar. 
Potencialmente, esses tubos de lava poderiam até ser selados para poder conter ar que …

Arqueologia cósmica

Imagem
Essa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA está repleta de galáxias, cada ponto brilhante na imagem é uma galáxia diferente, lógico com exceção para o brilhante flash no meio da imagem, que na verdade é uma estrela localizada na nossa galáxia. No centro da imagem está algo especialmente interessante, o centro do massivo aglomerado de galáxias conhecido como WHL J24.3324-8.477, incluindo a galáxia mais brilhante do aglomerado.
O universo contém estruturas de várias escalas, planetas ao redor de estrelas, estrelas que se aglomeram e formam galáxias, galáxias que se aglomeram e formam grupos de galáxias, e grupos de galáxias que se juntam em aglomerados. Aglomerados de galáxias contêm centenas de milhares de galáxias, unidas pela gravidade. A matéria escura e a energia escura tem um papel fundamental na formação e na evolução desses aglomerados, assim estudar os aglomerados massivos de galáxias, pode ajudar os cientistas a revelarem os mistérios desses elusivos fenômenos.
Es…

Tabela periódica mostra de onde, no universo, veio cada elemento

Imagem
A tabela periódica com códigos coloridos mostra os melhores palpites dos cientistas sobre a origem nuclear de todos os elementos conhecidos. Ela foi publicada como “imagem do dia” pelo site da NASA, no dia 24 de outubro. A cor azul significa fusão no Big Bang; a verde mostra elementos produzidos por estrelas de massa baixa que estavam morrendo; a cor amarela é para elementos criados por estrelas massivas que explodiram; a rosa é para a fissão de raios cósmicos; a lilás para a união de estrelas de nêutron; e a cinza para estrelas anãs brancas que explodiram. O hidrogênio no seu corpo, presente em cada molécula de água, veio do Big Bang. Não há outra fonte de hidrogênio no universo. Já o carbono do seu corpo foi feito pela fusão nuclear que acontece no interior de estrelas, assim como o oxigênio. Já a maioria do ferro das suas hemoglobinas foi produzido em estrelas supernovas há muito tempo e muito longe daqui.  O ouro das joias foi provavelmente feito a partir das estrelas de nêutron q…

O universo nem deveria existir, de acordo com a descoberta bizarra

Imagem
Ao que tudo indica, nosso universo não deveria existir. Quando o universo surgiu, de acordo com o modelo padrão da física, havia quantidades iguais de matéria e antimatéria nele. Uma vez que essas substâncias se cancelam, o universo deveria ter se destruído imediatamente.  Alguns dos melhores cientistas do mundo já tentaram, mas não conseguiram explicar por que isso não aconteceu. O que as equipes de pesquisa têm feito é procurar por qualquer diferença entre a matéria e a antimatéria, que sugerisse por que elas não se aniquilaram assim que entraram em contato.
Simetria
O novo estudo, realizado pela Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN, na sigla em inglês), testou uma série de possibilidades, incluindo massa e carga elétrica, para encontrar essa diferença.
Todas as nossas observações encontraram uma simetria completa entre matéria e antimatéria, razão pela qual o universo não deveria existir. Uma assimetria deve existir em algum lugar, mas simplesmente não entendemos onde está …