Pular para o conteúdo principal

Hubble descobre um misterioso disco em torno de um buraco negro


À esquerda a galáxia espiral NGC 3147, pelo Hubble. À direita, uma ilustração do buraco negro supermassivo que reside no núcleo da galáxia. A imagem do Hubble mostra os braços espirais da galáxia, repletos de jovens estrelas azuis, nebulosas rosadas e poeira. No entanto, no núcleo brilhante de NGC 3147 esconde-se um buraco negro monstruoso, pesando cerca de 250 milhões de sóis. As observações do buraco negro pelo Hubble demonstram duas teorias da relatividade de Einstein. O que se vê em torno do centro, em amarelo-avermelhado, é o brilho da luz do gás que gira, preso pela poderosa gravidade do buraco negro. O buraco negro está profundamente enterrado no seu campo gravitacional, como mostra a grelha verde que ilustra o espaço deformado. O campo gravitacional é tão forte que a luz está a lutar para sair, um princípio descrito na teoria da relatividade geral de Einstein. O material está a girar tão depressa à volta do buraco negro que fica mais brilhante quando se aproxima da Terra e menos brilhante quando afasta. Este efeito, conhecido por emissão relativista, foi previsto pela teoria da relatividade restrita de Einstein. NGC 3147 está localizada a 130 milhões de anos-luz, na constelação do Dragão. Créditos: Hubble Image: NASA, ESA, S. Bianchi (Università degli Studi Roma Tre University), A. Laor (Technion-Israel Institute of Technology), and M. Chiaberge (ESA, STScI, and JHU); illustration: NASA, ESA, and A. Feild and L. Hustak (STScI).

Os buracos negros são já suficientemente misteriosos. Mas com a ajuda do Telescópio Espacial Hubble, os astrónomos descobriram um inesperado disco de material a girar a grande velocidade em torno de um buraco negro supermassivo no coração da magnífica galáxia espiral NGC 3147, localizada a 130 milhões de anos-luz da Terra.

O mistério é que, com base nas teorias astronómicas atuais, o disco não deveria estar lá. No entanto, a presença inesperada de um disco tão próximo de um buraco negro oferece uma oportunidade única para testar as teorias da relatividade de Albert Einstein. A relatividade geral descreve a gravidade como curvatura do espaço e a relatividade restrita descreve a relação entre espaço e o tempo.
“Nunca vimos com tanta clareza os efeitos da relatividade geral e restrita em luz visível,” disse Marco Chiaberge, da Agência Espacial Europeia, do Instituto de Ciência do Telescópio Espacial e da Universidade Johns Hopkins, membro da equipa que conduziu o estudo do Hubble.
“Esta é uma intrigante espreitadela a um disco muito próximo de um buraco negro, tão próximo que as velocidades e a intensidade da atração gravitacional afetam a aparência dos fotões de luz,” acrescentou Stefano Bianchi, da Università degli Studi Roma Tre, em Roma, Itália, principal autor do estudo. “Não podemos compreender os dados, a menos que incluamos as teorias da relatividade”.
Em certos tipos de galáxias, como a NGC 3147, os buracos negros são considerados subnutridos, já não há matéria suficiente a ser capturada pela gravidade para os alimentar de forma regular. Assim, a névoa fina de material que sobre eles cai é inflada como um donut em vez de ser achatada num disco em forma de panqueca. Por isso, é muito intrigante que exista um disco fino a rodear o subnutrido buraco negro de NGC 3147, semelhante a discos muito mais poderosos descobertos em galáxias extremamente ativas com buracos negros bem alimentados e monstruosos.
“Pensávamos que este era o melhor candidato para confirmar que abaixo de certas luminosidades o disco de acreção já não existe,” explicou Ari Laor, do Instituto de Tecnologia Technion-Israel, em Haifa, Israel. “O que vimos foi algo completamente inesperado. Descobrimos gás em movimento revelando caraterísticas que só podemos explicar como sendo produzidas por material a girar num disco fino bem próximo do buraco negro.”
Os astrónomos selecionaram inicialmente esta galáxia para validar modelos aceites sobre galáxias ativas de baixa luminosidade – com buracos negros em dieta escassa de material. Os modelos preveem que se forma um disco de acreção quando grandes quantidades de gás são capturadas pela forte força gravitacional de um buraco negro. Ao cair no buraco, essa matéria emite muita luz, produzindo um feixe brilhante chamado quasar. Quando há menos material a ser atraído para dentro do disco, ele começa a quebrar-se, tornando-se mais fraco e mudando de estrutura.
“O tipo de disco que vemos é um quasar reduzido que não esperávamos existir,” disse Bianchi. “É o mesmo tipo de disco que vemos em objetos que são 1000 ou até 100000 vezes mais luminosos. As previsões dos atuais modelos da dinâmica de gás em galáxias ativas muito fracas falharam claramente.”
O disco de gás está tão profundamente inserido no intenso campo gravitacional do buraco negro que a sua luz é alterada, de acordo com as teorias da relatividade de Einstein, oferecendo aos astrónomos uma visão única dos processos dinâmicos próximos a um buraco negro.
O Hubble observou que o material do disco gira à volta do buraco negro a mais de 10% da velocidade da luz. A estas velocidades extremas, o gás parece ficar mais brilhante quando se aproxima da Terra, e menos brilhante quando se afasta (um efeito conhecido por emissão relativista). As observações do Hubble mostram também que o gás está de tal modo inserido no poço gravitacional que a luz está a lutar para se escapar e por isso parece alongada para comprimentos de onda mais vermelhos. O buraco negro tem a massa de cerca de 250 milhões de sóis.
Os investigadores usaram o STIS – Espectrógrafo de Imagem do Telescópio Espacial Hubble – para observar o turbilhão de matéria dentro do disco. Um espectrógrafo é uma ferramenta de diagnóstico que divide a luz de um objeto nos seus muitos comprimentos de onda para determinar a sua velocidade, temperatura e outras características com uma precisão muito elevada. Os astrónomos recorreram à resolução precisa do STIS para isolar a fraca luz da região do buraco negro e bloquear a poluição provocada pela luz das estrelas.
“Sem o Hubble, não poderíamos ter conseguido esta observação, já que a região do buraco negro tem baixa luminosidade,” disse Chiaberge. “A luminosidade das estrelas na galáxia ofusca qualquer coisa no núcleo. Observando a partir do solo, o brilho das estrelas seria dominante e impediria ver a emissão fraca do núcleo.”
A equipe espera usar o Hubble para procurar outros discos compactos em torno de buracos negros ténues em galáxias ativas semelhantes.
O trabalho da equipe foi publicado online na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.
Fonte: Portal do Astrónomo

Comentários

Postagens mais visitadas

Tipos de Estrelas

Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio. 
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio. 
Anã Marron: É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma est…

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra

O sol é uma estrela entre milhões na nossa galáxia. Mas muitas outras estrelas próximas existem, inseridas nos seus próprios sistemas e possivelmente algumas delas até terão planetas a orbitá-las. A presente lista detalha as 10 estrelas mais próximas das Terra, cada uma com o seu próprio sistema solar e algumas pertencendo a sistemas binários. Algumas delas são anãs vermelhas, sendo que possuem uma magnitude tão baixa que apesar da sua proximidade à Terra não as conseguimos ver a olho nu. 1. O Sol Distância: 8 minutos/luz Obviamente, a estrela mais próxima da Terra é a estrela central no nosso sistema solar, nomeadamente o nosso sol. Ele ilumina diretamente a Terra durante o dia e é responsável pelo brilho da Lua durante a noite. Sem o Sol, a vida como a conhecemos não existiria aqui na Terra. 2. Alpha Centauri Distância: 4,24 anos-luz Alpha Centauri é na verdade um sistema composto por três estrelas. As estrelas principais no sistema de Alpha Centauri, chamadas de Alpha Centauri A e Alp…

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Mercúrio é um planeta seco, quente e quase não tem ar. O planeta fica a quase 58 milhões de quilômetros do Sol e não tem lua nem atmosfera. Fica tão perto do Sol que as temperaturas da superfície podem chegar a 430oC. Assim como a Lua, o planeta é coberto por uma camada fina de minerais. Mercúrio também tem áreas de terra amplas e planas, precipícios e muitas crateras profundas como as da Lua. Cientistas dizem que o interior de Mercúrio e da Terra é feito de ferro.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol e é quase do mesmo tamanho da Terra. A superfície do planeta é cheia de montanhas, vulcões, cânions e crateras. O planeta é coberto por nuvens de ácido sulfúrico, uma substância mortal. Vênus também é um planeta muito quente: a temperatura na superfície é de 460oC. Os cientistas enviaram uma nave para explorar o planeta. A primeira a sonda passar perto do planeta foi a Mariner 2, em 1962.

A Terra é o terceiro mais próximo do Sol e o maior dos quatro planetas rochosos. É uma esfera…

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

23 curiosidades sobre o universo.

O universo e a astronomia já são fascinantes por si só, mas entre grandes descobertas, imagens fantásticas e fatos surpreendentes, existem curiosidades muito interessantes para todos os entusiastas. Neste artigo reunimos as 23 curiosidades que achamos mais interessantes para partilhar. Algumas são do conhecimento geral, mas relembrar é bom para o conhecimento cientifico do que nos rodeia.
1. A Terra pesa 5 980 000 000 000 000 000 000 000 kg; 2. Se estás a tentar decorar o nome das estrelas, começa por esta: Torcularis Septentrionalis. Não consegues pronunciar, mas também não consegues esquecer; 3. Um carro a 160km/h demoraria 221 000 milhões de anos a chegar ao centro da Via Láctea; 4. O Universo expande-se cerca de 1,6 biliões de km por hora; 5. Os astronautas não podem chorar. Não que seja lei, mas porque não existe gravidade para que as lágrimas possam escorrer; 6. As interferências nas televisões são provocadas pelas ondas do Big Bang no início do Universo; 7. A constelação do Cruzeiro …

Como surgiram as galáxias

Nos últimos anos, nossa visão do universo passou por grandes transformações. Uma delas é que os pesquisadores descobriram que ele está se expandindo muito e é povoado por uma infinidade de corpos celestes. Isso porque no começo do século passado, todos acreditavam que a Via Láctea era a única galáxia do universo, apesar de avistarem outras, acreditavam que fazia parte da nossa galáxia. Mas no ano de 1924, Edwin Hubble deu uma luz na situação, e provou que existem centenas de bilhões de galáxias, muito mais do que se imaginava, e que elas estavam se distanciando entre si, todas estavam se afastando de nós. Isso levantou muitas questões a respeito de que estávamos no centro do universo, mas esse é tema para outro artigo. Mas então se essas galáxias estão se afastando cada vez mais, é de se imaginar que um dia elas estavam mais unidas. E voltando ainda mais no tempo, estavam todas amontoadas num único ponto, o Big Bang. Mas o assunto de hoje é como elas surgiram. Se o universo está se exp…