Isolamento galáctico

O Telescópio Espacial Hubble, uma colaboração entre a NASA e a ESA, capturou uma imagem impressionante da galáxia IC 1776, localizada a mais de 150 milhões de anos-luz da Terra na constelação de Peixes. Este objeto celestial recentemente foi palco de um evento astronômico significativo: uma explosão de supernova identificada como SN 2015ap.

Uma galáxia espiral. Tem formato irregular e seus braços espirais são difíceis de distinguir. As bordas são fracas e o núcleo tem um brilho amarelo pálido. É pontilhado por pequenas regiões azuis onde as estrelas estão se formando. Algumas estrelas e pequenas galáxias em cores quentes são visíveis ao seu redor. Crédito: ESA/Hubble e NASA, A. Filippenko 

A descoberta foi feita pelo Lick Observatory Supernova Search, um telescópio robótico que faz parte de uma rede global de telescópios automáticos. Operados tanto por astrônomos profissionais quanto amadores, esses telescópios funcionam sem intervenção humana e são especializados na detecção de fenômenos astronômicos transitórios, como supernovas, asteroides errantes e microlentes gravitacionais.

O Hubble conduziu investigações detalhadas sobre o rescaldo desta supernova através de dois programas de observação distintos. Ambos foram projetados para examinar os detritos deixados pelas explosões de supernovas, com o objetivo de entender melhor esses eventos energéticos. Vários outros telescópios também seguem automaticamente as detecções de supernovas para obter medidas iniciais de sua luminosidade e espectro.

Essas observações iniciais são complementadas por observações subsequentes que revelam a energia residual das supernovas. A combinação dessas medidas fornece insights valiosos sobre os sistemas que originaram essas catástrofes cósmicas em primeiro lugar.

Supernovas são eventos cruciais para o estudo do cosmos por várias razões. São fenômenos extremamente energéticos que podem ofuscar temporariamente uma galáxia inteira e desempenham um papel vital na distribuição de elementos pelo universo.

Além disso, são fundamentais para o ciclo de vida das estrelas e podem fornecer pistas sobre a morte de estrelas, bem como insights sobre a formação de buracos negros e estrelas de nêutrons. Os detritos resultantes de uma supernova podem até formar a base para novos sistemas estelares.

A automação em astronomia, exemplificada pelos telescópios robóticos, está revolucionando o campo. Permite uma coleta de dados mais eficiente e a captura de eventos facilmente perdidos por observadores humanos. A rede global de telescópios automáticos aumenta significativamente as chances de descobertas em tempo hábil, contribuindo assim para nossa compreensão do universo.

Estes avanços tecnológicos, juntamente com a capacidade de imagem de alta resolução do Hubble, estão permitindo estudos mais aprofundados de objetos celestes distantes e fenômenos transitórios.

O estudo de supernovas tem implicações abrangentes, afetando tanto a astrofísica quanto a cosmologia. São frequentemente usadas como “velas padrão” em medidas astronômicas para estimar distâncias entre objetos celestes. Portanto, o estudo de eventos como a supernova SN 2015ap na galáxia IC 1776 não é apenas fascinante, mas também fundamental para avançar nosso entendimento do universo.

Fonte: esahubble.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mu Cephei

Eta Carinae

Astrônomos encontram planetas ‘inclinados’ mesmo em sistemas solares primitivos

Fobos sobre Marte

Nebulosa Crew-7

Júpiter ao luar

Agitando o cosmos

A Lagoa Profunda

Ganimedes de Juno

Confronto de Titãs