Eta Carinae

Eta Carinae brilha em raios X nesta imagem do Observatório de Raios X Chandra da NASA. As cores indicam diferentes energias. O vermelho abrange 300 a 1.000 elétron-volts (eV), o verde varia de 1.000 a 3.000 eV e o azul cobre 3.000 a 10.000 eV. Para efeito de comparação, a energia da luz visível é de cerca de 2 a 3 eV. As observações do NuSTAR (contornos verdes) revelam uma fonte de raios X com energias cerca de três vezes maiores do que as detectadas pelo Chandra.

 Os raios X vistos da fonte do ponto central surgem da colisão do vento estelar do binário. A detecção do NuSTAR mostra que as ondas de choque na zona de colisão do vento aceleram partículas carregadas como elétrons e prótons até perto da velocidade da luz. Algumas delas podem chegar à Terra, onde serão detectadas como partículas de raios cósmicos. Os raios X espalhados pelos detritos ejetados na famosa erupção de Eta Carinae em 1840 podem produzir a emissão vermelha mais ampla.

Fonte: Nustar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mu Cephei

Astrônomos encontram planetas ‘inclinados’ mesmo em sistemas solares primitivos

Fobos sobre Marte

Nebulosa Crew-7

Júpiter ao luar

Agitando o cosmos

A Lagoa Profunda

Ganimedes de Juno

Confronto de Titãs